1. Home
  2. T1 - NF-e
  3. NF-e000 – Nota Fiscal Eletrônica 4.00 – Manual Completo

NF-e000 – Nota Fiscal Eletrônica 4.00 – Manual Completo

ÍNDICE

Versão 1.12 (10/09/2020)

 

1 – APRESENTAÇÃO

Este manual apresenta as orientações para a configuração e utilização do módulo NF-e – Nota Fiscal Eletrônica Federal do add-on Triple One, desenvolvido para o SAP Business One.

 

2 – INFORMAÇÕES INICIAIS

As informações que aparecem nas telas deste manual, utilizadas para preencher os campos do sistema, servem apenas para exemplificação e não devem ser consideradas como orientação sobre o conteúdo a ser preenchido ou sobre as regras fiscais vigentes. Sendo assim, cada usuário é responsável por toda informação a ser inserida no seu próprio sistema.

 

Para facilitar a interpretação deste manual, utilizamos a cor azul para identificar o nome de qualquer campo de preenchimento, nome de tela ou dado do sistema e a cor verde foi utilizada para indicar os caminhos de menus a serem seguidos para acessar as janelas indicadas.

 

Todos os exemplos foram elaborados na configuração padrão do SAP Business One.

 

A reprodução desse manual, ou de parte dele, é proibida.

 

3 – REQUISITOS BÁSICOS

 

3.1 – Configurações do Computador

Por meio do painel de controle do Windows, acessando "Opções Regionais e de Idioma", a máquina deve ser configurada de acordo com as informações abaixo:

 

  • Símbolo decimal: "," (vírgula);
  • Símbolo de agrupamento de dígitos: "." (ponto);
  • Símbolo da unidade monetária: "R$";
  • Formato de moeda positivo: "R$ 1,1";
  • Número de casas decimais: "2";
  • Formato de hora: "HH:MM:SS";
  • Formato de data abreviada: "DD/MM/AAAA".

 

A comunicação com os Webservices para envio da NF-e só pode ser realizada por meio do protocolo TLS 1.2 ou versão superior. Portanto, o sistema operacional do cliente deve estar configurado para realizar a conexão utilizando esse protocolo.

 

Além do certificado digital do cliente, também é necessário instalar os certificados digitais das Autoridades Certificadoras que assinarão o certificado. Os certificados dessas Autoridades são chamados de cadeias de certificação ou hierarquia de certificação. Para mais detalhes, acesse a FAQ – AQUI.

 

3.2 – Módulos Atendidos

Para NF-e, o Triple One atende aos seguintes módulos do SAP Business One:

 

A) Módulos de Compras:

  • Recebimento de mercadorias;
  • Devolução de mercadorias;
  • Nota Fiscal de Entrada;
  • Nota Fiscal Entrada;
  • NF Recebimento Futuro.

 

B) Módulos de Vendas:

  • Entrega;
  • Devolução;
  • Nota Fiscal de Saída;
  • Nota Fiscal Saída;
  • NF de entrega futura.

 

Tela 1 – Módulos de Compras e Vendas atendidos pelo Triple One para emissão de NF-e

 

3.3 – Modelo de Nota

Para Nota Fiscal Eletrônica Federal, apenas será aceito o modelo NFe, que corresponde ao código fiscal 55. É obrigatório informar o Modelo no campo correspondente, que fica na aba Imposto do documento de marketing.

 

Tela 2 – Campo para seleção do modelo do documento

 

Observação: em caso de dúvida, vale verificar se o modelo está correspondente com o código interno do SAP, que para NF-e é 39. Para isso, basta acionar as Informações do Sistema, no menu Visão, do SAP Business One, e posicionar o mouse sobre o campo modelo, depois de configurá-lo com NFe.

 

Tela 3 – Opção para visualizar as informações do sistema

 

Tela 4 – Verificação do código interno do SAP – 39 para NF-e

 

3.3.1 – Sequência Automática Para Modelos de Notas

Por meio de uma funcionalidade do SAP, é possível configurar o preenchimento automático do campo Modelo no documento de marketing, no módulo Sequência para a nota fiscal, disponível no seguinte caminho de menu:

Administração > Configuração > Finanças > Imposto > Nota Fiscal > Sequência para a nota fiscal

 

Tela 5 – Acesso para janela de configuração automática do modelo e sequência dos documentos

 

3.4 – Requisitos de Cadastro

Os cadastros das empresas, dos parceiros de negócio e dos itens devem estar atualizados e completamente preenchidos para a emissão da NF-e.

 

3.4.1 – Cadastro de Empresas

O grupo de tags, referente à identificação do emitente da NF-e, é preenchido com informações de origens diferentes no SAP Business One, dependendo do tipo de base.

 

A) Base única: O cadastro das empresas, que não possuem filial, é feito na janela Detalhes da empresa, disponível no seguinte caminho de menu:

Administração > Inicialização do sistema > Detalhes da empresa

 

É necessário preencher os campos das abas Geral e Dados Contábeis.

 

Tela 6 – Telas para cadastro da empresa emitente de NF-e – base única

 

Observação: Para o cadastro do número de telefone, é importante lembrar que no campo Telefone 2 deve ser inserido apenas o DDD e, no campo Telefone, o número em si. Para a geração da tag <cMun> no XML, referente ao código do município, o Triple One identifica o município configurado e atribui o código automaticamente, de acordo com a tabela do IBGE.

 

O Nome Fantasia e o Código do Regime Tributário (CRT) são configurados na janela de Configurações Adicionais, disponível no seguinte caminho de menu:

Triple One > Configurações > Configurações Adicionais

 

Tela 7 – Nome Fantasia e CRT são obtidos da janela de configurações adicionais

 

Observação: Se o campo de CRT for configurado como 1 – Simples Nacional, então, o campo Cód. Operação Simples Nac. (CSOSN) também deve ser configurado.

 

Se a empresa tiver inscrição estadual como substituta tributária no Estado com o qual estiver realizando operações, essa inscrição deve ser cadastrada na janela de Configurações Adicionais na aba Contribuinte Substituto ou Responsável. Para adicionar informações, clique com o botão direito na primeira linha da tabela, depois em Inserir Linha.

 

Tela 8 – Janela para cadastro de inscrição estadual como Contribuinte Substituto nos Estados

 

Observação: Ao realizar o duplo click, com o mouse, na coluna UF, a ordenação das UF's se dará de forma crescente ou decrescente.

 

Se a opção Exibir em todas as NF-es for selecionada, o número da respectiva inscrição será informado na tag <IEST> do XML e no DANFE padrão para todas as notas emitidas. Caso contrário, para que a inscrição seja informada no XML, o documento de marketing precisa ter os dois últimos dígitos do código de situação tributária (CST) para o ICMS igual a 10, 30 ou 70. No XML, o número da inscrição é gerado de acordo com o número cadastrado para o Estado para o qual foi emitido o documento.

 

Tela 9 – Exemplo de preenchimento do documento com CST para ICMS 0.10

 

B) Base Multifilial: Para bases multifiliais, o cadastro é feito para cada empresa, na janela Filiais – Configuração, disponível no seguinte caminho de menu:

Administração > Configuração > Finanças > Filiais

 

Tela 10 – Tela para cadastro das empresas em base multifilial

 

O preenchimento dos campos Nome Fantasia e Código de Regime Tributário (CRT), na aba de Configurações Adicionais, também são considerados para bases multifiliais.

 

Tela 11 – Nome Fantasia e CRT também devem ser configurados para as bases multifiliais

 

Se a empresa tiver inscrição estadual como substituta tributária, a configuração também é feita na aba Contribuinte Substituto, da mesma maneira para empresas de base única.

 

3.4.2 – Cadastro de Parceiro de Negócio

Todo destinatário da NF-e deve ser cadastrado no SAP Business One como um parceiro de negócios. A janela para Cadastro de parceiros de negócio é acessível pelo seguinte caminho de menu:

Parceiro de negócios > Cadastro de parceiros de negócio

 

Tela 12 – Janela para cadastro de parceiro de negócio

 

As principais informações para cadastro do destinatário da NF-e são:

 

A) Razão Social: A razão social é informada no campo Nome, no cabeçalho da janela de Cadastro de parceiros de negócio.

 

Tela 13 – Campo Nome para informar a Razão Social

 

B) Endereço: O endereço é cadastrado na aba Endereços.

 

Tela 14 – Campos para cadastro de endereços dos parceiros de negócio

 

É possível cadastrar mais de um endereço para o mesmo parceiro de negócio, porém, no arquivo XML e no DANFE será considerado o endereço indicado no campo Destinatário, na aba Logística do documento de marketing.

 

Tela 15 – Campo para a seleção de endereço cadastrado previamente

 

C) Identificações Fiscais: As informações fiscais devem ser inseridas no cadastro do parceiro de negócio na aba Imposto, da Contabilidade, por meio do botão correspondente em Identif.fiscais.

 

Tela 16 – Janela para adicionar informações fiscais é acessível pelo botão na aba Imposto

 

Se o parceiro de negócios não tiver inscrição estadual, a opção Isen.InsEst. deve ser marcada.

 

Tela 17 – Opção para PN com isenção de inscrição estadual

 

Observação: Se a caixa de seleção Isen.InsEst. for selecionada, então o campo Inscrição Estadual é automaticamente alterado para Isento.

 

Para parceiros estrangeiros, pode-se utilizar o campo ID de estrangeiro.

 

Tela 18 – Campo para informar o ID de estrangeiro

 

Observação: o preenchimento desse campo não é obrigatório e, de acordo com a Nota Técnica 05/2013, ele pode ser preenchido com o número do passaporte ou outro documento legal que identifique a pessoa estrangeira.

 

A Inscrição Municipal do destinatário só será preenchida no XML, quando a operação for conjugada, ou seja, quando a nota tiver itens tributados pelo ICMS e itens tributados pelo ISS.

 

D) Indicador da IE: O campo Indicador da IE é de preenchimento obrigatório e deve ser informado junto com o endereço.

 

Tela 19 – Campo Indicador da IE é de preenchimento obrigatório

 

Se o Indicador for 1 – Contribuinte ICMS, obrigatoriamente deve ser informada a inscrição estadual.

 

Observação: O indicador da IE deve ser preenchido para cada endereço de destinatário cadastrado.

 

No caso de operações com empresas que possuem mais de uma inscrição estadual para o mesmo CNPJ, é necessário vincular os estabelecimentos ao Parceiro de Negócios principal conforme instruções abaixo:

 

  • Para o cadastro de clientes: na aba Endereços, clique em Definir novo, sob a linha de Destinatário e insira as informações, preenchendo um Código de Participante.

 

Tela 20 – Preencha um novo cadastro de endereço de destinatário e informe um Código do Participante

 

Observação: esse novo código deve ser atribuído para a correta escrituração na EFD ICMS/IPI e na EFD Contribuições.

 

Depois, insira os dados fiscais na janela de identificações fiscais, que é exibida ao clicar no botão correspondente.

 

Tela 21 – Botão para acessar a janela de identificações fiscais

 

Tela 22 – Dados fiscais inseridos

 

Clique em Atualizar, depois, na janela de cadastro de PN, clique em Adicionar. Por fim, na hora da emissão da NF-e, basta escolher o estabelecimento Destinatário na aba Logística.

 

Tela 23 – Basta escolher o destinatário cadastrado anteriormente

 

  • Para cadastro de fornecedor: o processo é semelhante ao cadastro de cliente, porém, deve-se clicar em Definir Novo sob a linha de Pagar a.

 

Não se esqueça de modificar o campo no cabeçalho da janela para indicar o PN como Fornecedor. Preencha um novo Código do Participante também.

 

Tela 24 – Preencha um novo cadastro de endereço de fornecedor e informe um Código do Participante

 

Observação: esse novo código deve ser atribuído para a correta escrituração na EFD ICMS/IPI e na EFD Contribuições.

 

Na hora de escriturar ou emitir a NF-e, basta escolher o fornecedor na aba Logística, no campo Pagar a, depois, inserir as identificações fiscais na aba Imposto.

 

Tela 25 – Basta escolher o fornecedor cadastrado anteriormente

 

Tela 26 – Botão para acessar a janela de identificações fiscais do fornecedor

 

E) E-mail: O e-mail preenchido no campo E-mail, no Cadastro de parceiros de negócio, será carregado automaticamente para o XML da NF-e.

 

Tela 27 – Campo para preenchimento de e-mail do PN

 

Observação: O e-mail configurado neste campo também é o e-mail que receberá os arquivos XML e os DANFEs de todas as notas emitidas para o respectivo PN.

 

A tag <email>, no XML da nota, é limitada a 60 caracteres, assim, se o campo for preenchido com mais de 60 caracteres, será gerado erro na emissão da NF-e.

É possível separar mais de um endereço de email tanto por vírgula (,) quanto por ponto e vírgula (;).

 

No documento de marketing, ainda é possível preencher o campo E-mail, ou o campo de usuário Email para NFe aut. para envio do XML e DANFE para outros destinatários.

 

Tela 28 – Campos para configuração de envio de email para múltiplos destinatários

 

Observação: Como esse campo fica no documento, é necessário preenchê-lo sempre que desejar mandar também o XML e o DANFE para outros destinatários não informados no Cadastro do PN. 

 

F) Telefone: Para o preenchimento da tag <fone> no XML da NF-e, devem ser concatenados o DDD e o número do telefone.

 

Para o número do DDD, deve ser configurado o campo Considerar DDD do Campo das Configurações Adicionais do Triple One em:

Triple One > Configurações > Configurações Adicionais > aba Geral

 

Tela 29 – Campo Considerar DDD do campo

 

Se o campo for configurado com a opção 1-Telefone 2, será considerado como DDD a informação inserida no campo Telefone 2, da aba Geral, do Cadastro de parceiros de negócios. Se for configurado com a opção 2-Código DDD, será considerada a informação do campo de usuário Telefone DDD do Cadastro de parceiros de negócios.

 

Tela 30 – Opções para a informação do DDD

 

Para o número do telefone será considerada a informação inserida no campo Telefone 1, da aba Geral, do Cadastro de parceiros de negócios.

 

Tela 31 – Campo para informar o número do telefone

 

G) Locais de retirada e de entrega: Para o preenchimento das tags referentes aos locais de coleta e de entrega no arquivo da NF-e, é necessário selecionar os endereços nos campos Local de entrega e Local de coleta, na aba NFe Federal do documento de marketing.

 

Tela 32 – Campos para informar locais de entrega e coleta

 

Por meio dos botões … (Opções) as telas Endereço de Entrega – Dados do Recebedor e Endereço de Retirada – Dados do Expedidor são habilitadas. Nestas telas é possível pesquisar o PN, e selecioná-lo. O campo Endereço será habilitado para selecionar o endereço desejado e já cadastrado. Após a seleção, os demais campos serão preenchidos de forma automática, podendo ser alterados manualmente. Se não houver a seleção de PN, o usuário poderá inserir as informações diretamente na tela. Em ambos os cenários as informações serão gravadas no banco de dados do SAP Business One e, consequentemente, geradas no XML do documento relacionado.

 

Tela 33 – Telas para informar o endereço tanto de Entrega quanto de Retirada

 

Observação: Caso o campo Inscrição Estadual estiver em branco, ou possuir a informação ISENTO, a tag <IE> não será exibida nos grupos de entrega ou retirada do XML.

 

H) Dados da transportadora: Para preenchimento dos dados da transportadora é necessário cadastrar a transportadora como um parceiro de negócio, Fornecedor.

 

Tela 34 – Cadastro da transportadora como PN

 

Depois, na emissão da nota, deve-se selecionar o código da transportadora cadastrada no campo Cód.transportadora.

 

Tela 35 – Selecione o código da transportadora na hora da emissão da nota

 

3.4.3 – Cadastro do Item

A janela para cadastro do item fica disponível no seguinte caminho de menu:

Estoque > Dados do cadastro do item

 

Tela 36 – Janela para cadastro de itens

 

As principais informações no cadastro do item para a emissão da NF-e são:

 

A) Código e Descrição do item: O código do item e sua descrição são configurados nos dois primeiros campos da janela de Dados do cadastro do item.

 

Tela 37 – Campos para cadastro de Nº do item e Descrição

 

Observação: Não é permitida a reutilização de um código para referenciar outro item dentro do mesmo exercício (ano civil). Não podem ser informados dois ou mais registros com o mesmo código de item.

 

B) Código de barras: Se o item tiver códigos do tipo GTIN (Global Trade Item Number) 8, 12, 13 ou 14 (antigos códigos de barras ou EAN, UPC e DUN-14), o código deve ser cadastrado no campo Código de barras. É importante ressaltar que se este campo for preenchido com uma quantidade de números diferente de 8, 12, 13 ou 14, o Triple One não irá realizar o preenchimento das tags cEAN e cEANTrib do XML.

 

Tela 38 – Campo para cadastrar o código de barras do item

 

Ao clicar no botão correspondente ao campo, a janela de Códigos de barras é exibida. Nesta janela, é possível cadastrar mais de um código para o mesmo item, porém, o sistema considerará o código que foi definido como padrão.

 

Tela 39 – Janela para cadastro de códigos de barra

 

Observação: para definir um código como padrão, basta clicar na linha do código e clicar no botão Definir como padrão.

 

Tela 40 – Clique na linha, depois no botão Definir como padrão

 

Se o código EAN da unidade tributável for diferente do código EAN da unidade na qual o produto é agrupado, o código da unidade tributável deve ser indicado no documento de marketing, na coluna Código de barras, da aba Conteúdo. Porém, ambos os códigos devem ser configurados na janela de Códigos de barras.

 

Tela 41 – Código de barras da nota é informado diferente do código do cadastro do item

 

No XML, as informações aparecem em tags diferentes. O código informado no documento de marketing vai para a tag <cEANTrib> e a do cadastro do item vai para a <cEAN>.

 

Se o código for o mesmo, não é necessário selecionar outro código no documento de marketing. Recomendamos que sempre seja verificado o preenchimento do código de barras no documento de marketing, para evitar inconsistências no preenchimento da tag cEANTrib do XML.

 

Observação: Para o DANFE, é necessário fazer a customização para a apresentação desses códigos.

 

C) ICMS X ISS: Os Itens tributados pelo ICMS devem ser classificados como Material e os itens tributados pelo ISS devem ser classificados como Serviço.

 

Tela 42 – Classifique o tipo do item

 

Atenção para a classificação dos itens referentes aos serviços de comunicação, energia elétrica e frete intermunicipal e interestadual tributados pelo ICMS. Esses itens devem ser classificados como Material.

 

D) Tipo de material: Para os itens classificados como material é necessário informar o Tipo de Material.

 

Tela 43 – Para os itens classificados como Material deve-se indicar também o Tipo de material

 

Observação: essa classificação é fundamental para a escrituração das notas na EFD ICMS/IPI e na EFD Contribuições.

 

E) NCM: Para os itens classificados como material, o código da Nomenclatura Comum do Mercosul (NCM) também deve ser informado de acordo com lista divulgada em legislação.

 

É possível selecionar o código a partir da lista que é exibida na janela Lista de Códs.NCM, ao clicar no botão que fica no final do campo.

 

Tela 44 – Janela para seleção de NCM

 

F) Código de serviço: para os itens classificados como serviço, o código deve ser informado no padrão ABRASF (Associação Brasileira das Secretarias de Finanças das Capitais) NN.NN, no campo Item Lista de Serviços, disponível em Campos definidos pelo usuário.

 

Tela 45 – Código de serviço deve estar no formato NN.NN

 

G) Exceção de NCM: O código de exceção deve ser preenchido no campo Código de Exceção de NCM, disponíveis em Campos definidos pelo usuário, da janela de Dados do cadastro do item.

 

Tela 46 – Campo para preencher o código de exceção de NCM

 

Observação: A informação inserida nesse campo será levada para a tag <EXTIPI>.

 

H) Unidade de medida de venda: a tag <uCom>, correspondente à unidade comercial do item no XML, é preenchida com a informação do campo Nome da UM do documento de marketing.

 

Tela 47 – Campo para preenchimento da unidade de medida

 

Esse campo pode ser preenchido automaticamente com a informação do campo Nome da UM de Vendas da aba Dados de Vendas, da janela de Dados do cadastro do item.

 

Tela 48 – Informação da unidade de medida de venda no cadastro do item

 

Relacionadas à unidade de medida, existem ainda as tag <uTrib> e <qTrib>, referente à unidade tributável e quantidade tributável que são preenchidas com a informação inserida nos campos Unidade Tributável e Quantidade Tributável do documento de marketing.

 

Tela 49 – Campos Quantidade Tributável e Unidade Tributável do documento de marketing

 

Se não houver informação no campo Unidade Tributável, o sistema levará a informação do campo Nome da UM (mesma informação da tag <uCom>). Da mesma forma, se não houver informação no campo Quantidade Tributável, o sistema levará a informação do campo Quantidade (mesma informação da tag <qCom>).

 

Observação: A tag <vUnTrib>, valor unitário de tributação, é preenchida com o resultado do valor do produto (tag <vProd>) dividido pela Quantidade Tributável (tag <qTrib>).

 

I) Informações Adicionais: Para a apresentação das informações adicionais do item na NF-e, referente à tag <infAdProd>, a inserção das informações pode ser feita na aba Observações, na janela de Dados do cadastro do item.

 

Tela 50 – As informações adicionais do item podem ser adicionadas na aba Observações

 

A opção do campo Considerar o campo selecionado como Informações Adicionais do item, nas configurações da NF-e, deve estar cadastrada como 0 – Cadastro Itens (default) – Observações do item (UserText).

 

Observação: mais detalhes sobre a configuração informada acima podem ser verificados no Tópico 4.1.9.

 

J) Lote e número de série: Se os itens forem administrados por lote ou pelo número de série, então, é necessário informar no cadastro do item, no campo Administrar item por.

 

Tela 51 – Campo para configurar opção de administrar itens por lote ou série

 

Ao escolher uma opção, o campo Método de administração é habilitado. Então, é possível escolher entre Em todas as transações ou Apenas na liberação.

 

Tela 52 – Campo Método de administração é habilitado após escolher Administração do item por série ou lote

 

L) Código Especificador da Substituição Tributária (CEST): O cadastro do CEST deve ser atribuído ao item, no campo de usuário Código CEST.

 

Tela 53 – Campo de usuário para informar o Código CEST

 

O XML da NF-e será emitido com a informação selecionada nesse campo.

 

Observação: a tabela de códigos, divulgados inicialmente em legislação, está disponível no módulo Código CEST no seguinte caminho de menu:

Triple One > NFe-Nota Fiscal Eletrônica Federal > Código CEST

 

Tela 54 – Módulo para cadastro e atualização dos códigos CEST

 

Observação: A atualização dos códigos é de responsabilidade do usuário.

 

3.5 – Tipo do Item no Documento de Marketing

O Triple One trabalha exclusivamente com o tipo Item no documento de marketing. Por isso, não deve ser configurado com o tipo Serviço, pois a NF-e não será emitida e nem escriturada.

 

Tela 55 – Não se deve modificar o tipo do item no documento de marketing

 

A distinção do tipo do item deve ser feito no cadastro do item, como é descrito no Tópico 3.4.3.

 

3.6 – Despesas Adicionais

Para as empresas que utilizam despesas adicionais na nota fiscal, é necessário adicionar os tipos de despesas e preencher as informações no módulo de Despesas Adicionais, disponível no seguinte caminho de menu:

Administração > Configuração > Geral > Despesas Adicionais

 

Tela 56 – Acesso à janela de configuração das despesas adicionais

 

Ao acessar o módulo, a janela de configuração é exibida. Por padrão, o SAP Business One já traz os tipos Desp. Importação, Frete, Outros e Seguro, porém, é possível adicionar outros tipos de despesas adicionais se necessário. Preencha as informações, depois clique no botão Atualizar e OK.

 

Tela 57 – Preencha e grave as informações necessárias

 

Na emissão da nota, para adicionar os valores das Despesas adicionais, clique na seta amarela correspondente. Outra janela será exibida.

 

Tela 58 – Acesso à janela para informações de despesas adicionais no documento de marketing

 

Tela 59 – Configuração de valores das despesas adicionais

 

As configurações feitas anteriormente nas Despesas adicionais são trazidas para esta janela, porém, é possível modificá-las para gravar cada documento.

 

Ao adicionar os valores das despesas, o sistema calcula automaticamente a distribuição do valor de acordo com as configurações do Método de distribuição. Ainda é possível conferir ou modificar a distribuição ao clicar com a seta amarela correspondente ao tipo de despesa adicional que já foi preenchida.

 

Tela 60 – Adicione o valor da despesa adicional

 

Ao clicar na seta para verificar os detalhes, podemos notar os valores que foram distribuídos em cada item de acordo com a proporção de seus valores.

 

Tela 61 – Valores das despesas adicionais distribuídas

 

Ainda nesta janela, é possível configurar para quais linhas serão distribuídos os valores das despesas e escolher o código de imposto da despesa.

 

Tela 62 – Item sem distribuição de despesa

 

Observação: Os valores das Despesas Adicionais do tipo Especial, não serão carregados para a tag vOutro.

 

Há uma segunda maneira de informar as despesas adicionais. Primeiro, selecione a opção Configurações do formulário.

 

Tela 63 – Opção para configurar os campos do documento de marketing

 

Habilite as colunas das Despesas adicionais, na aba Formato da tabela.

 

Tela 64 – Edições de formulário para exibir as colunas de despesas adicionais

 

Depois, utilize as colunas para preencher as informações.

 

Tela 65 – Despesas adicionais preenchidas na linha do item

 

Observação: Desta maneira, só é possível inserir três tipos de despesas adicionais.

 

3.7 – Códigos de Imposto

Na configuração dos códigos de imposto, o Triple One está preparado para considerar as categorias de imposto nativas do SAP Business One:

  • ICMS;
  • ICMS-ST;
  • PIS;
  • COFINS;
  • IPI (somente quando o item de material for sujeito ao imposto);
  • II (Imposto de Importação);
  •  

 

Observação: para atender alguns cenários, será indicado no manual a criação de uma categoria de imposto específica para que o Triple One entenda qual destaque está sendo realizado na operação e gere corretamente a NF-e e demais obrigações acessórias.

 

4 – CONFIGURAÇÕES DO MÓDULO DA NF-e

A janela de configurações do módulo da NF-e fica disponível no seguinte caminho de menu:

Triple One > NFe – Nota Fiscal Eletrônica Federal > Configurações

 

Tela 66 – Acesso à janela de configurações do módulo da NF-e

 

4.1 – Aba Geral

Ao acessar o módulo de configurações da NF-e, a janela de configurações é exibida já na aba Geral.

 

Tela 67 – Aba Geral da janela de Configurações NF-e

 

4.1.1 – Pastas de Armazenamento

Nos campos de Pastas de Armazenamento: XML de envio, XML de distribuição e XML de cancelamento são definidas as pastas locais onde serão gerados os arquivos XML.

 

Se essas definições não forem realizadas, os arquivos serão gravados automaticamente na pasta indicada no campo Pasta de ampliações das Configurações gerais do próprio SAP Business One, disponível no seguinte caminho de menu:

Administração > Inicialização do sistema > Configurações gerais

 

Tela 68 – Configuração da Pasta de ampliações

 

Além disso, por padrão, o Triple One cria subpastas com o código do PN de cada destinatário da NF-e para melhor organização dos arquivos XML. No entanto, se a opção Não criar sub-pastas com código de PN for marcada, as subpastas não são criadas.

 

Observação: É possível preencher, de forma manual, os campos XML de envio, XML de distribuição, XML de cancelamento.

 

4.1.2 – Número da Ficha de Conteúdo de Importação

Exclusivamente para as empresas que utilizam o FCIOne e que precisam informar o número da Ficha de Conteúdo de Importação (FCI) em todas as operações, tanto internas como interestaduais, a caixa de seleção da opção Inserir número de FCI em todas as operações de saída deve ser marcada.

 

Com o campo marcado, os números da FCI, obtidos por meio do arquivo de retorno da SEFAZ, serão gravados em todos os documentos de saída que forem emitidos.

 

Observação: Se a obrigatoriedade for apenas para as saídas interestaduais, então a opção não deve ser utilizada.

 

Para as empresas que não utilizam o FCIOne, o número da FCI deve ser inserido diretamente no documento de marketing, na janela de Informações Adicionais dos Itens, através do botão Inf. Adic. Itens.

 

Tela 69 – Botão para acesso às informações adicionais dos itens no documento de marketing

 

Tela 70 – Campo para informação manual do número da FCI

 

Observação: o FCIOne é uma solução da Skill Consulting que gera o arquivo referente à Ficha de Conteúdo de Importação.

 

Observação: Será sempre exibido, no campo Nr. Controle FCI, o último número de FCI (data mais recente) gerado, a fim de atender cenários com arquivo de FCI gerado, contudo, ainda sem o retorno do respectivo número para informar no documento fiscal.

 

Observação: O campo Nr. Controle FCI pode ser preenchido de forma automática por meio de uma view customizada, para mais informações acesse o documento de apoio sobre o assunto AQUI. Lembramos que a customização de views deve ser realizada pela Consultoria.

 

4.1.3 – Atualizar Data e Hora de Saída Automaticamente

Se a opção Atualizar Data e hora de saída no envio para a SEFAZ estiver selecionada, então, ao clicar no botão Enviar NF-e – SEFAZ, os campos de usuário Data de Entrada/Saída e Hora de Entrada/Saída serão preenchidos automaticamente com a data e hora do sistema.

 

Tela 71 – Ao clicar em Enviar NFe – SEFAZ, os campos de Data e Hora são preenchidos automaticamente

 

Observação: Ao gerar o XML deste documento, as informações dos campos Data de Entrada/Saída e Hora de Entrada/Saída serão levadas para a tag <dhSaiEnt>. Se o envio da NF-e à SEFAZ for realizado no mesmo dia da emissão da nota, ou seja, na data do documento, a tag <dhEmi> será preenchida com a hora do envio.

 

Observação: Para ambiente HANA, ao configurar o horário no TimeZone do SAP, não será adotada a data e hora do sistema no envio da NF-e e sim a data e hora de inserção do documento no banco de dados do SAP.

 

4.1.4 – Lei da Transparência

As empresas que, em cumprimento do que determina a Lei da Transparência 12.741/2012, desejam informar o valor aproximado dos tributos com base nos valores calculados na própria nota fiscal devem selecionar a opção Inserir as informações sobre os tributos que influenciam na formação do preço de venda de acordo com o cálculo do documento de marketing.

 

Com a opção marcada, os tributos calculados no documento de marketing, por meio do código de imposto serão levados para a tag <VTotTrib> do XML.

 

Tela 72 – Tributos calculados e adicionados na tag <vTotTrib>

 

Além do Valor do imposto (MC), o valor do campo Valor total dos tributos, disponível em Informações Adicionais dos Itens, para inserção dos tributos que compõe o valor da venda, mas que não estão destacados no documento, como, por exemplo, o INSS, também será somado na tag <vTotTrib>.

 

Tela 73 – Campo para inserção de outros tributos que compõe o valor da venda

 

No XML, os dois campos são somados na tag <vTotTrib>:

 

Tela 74 – Valores dos tributos são somados na tag <vTotTrib>

 

Se a opção Inserir as informações sobre os tributos que influenciam na formação do preço de venda de acordo com o cálculo do documento de marketing, nas configurações da NF-e, for desmarcada, então, os valores dos tributos devem ser informados diretamente no documento de marketing, na coluna Total Tributos.

 

Tela 75 – Campo para informação dos valores dos tributos diretamente na nota fiscal

 

4.1.5 – Preço Unitário

A opção Utilizar preço unitário do SAP Business One indica que a tag <vUnCom>, valor da unidade comercial, deve ser preenchida considerando o valor informado no campo Preço Unitário do documento de marketing.

 

Tela 76 – Campo Preço Unitário do documento de marketing

 

Se essa opção não for selecionada, o Triple One irá efetuar o cálculo Valor total do Item (tag <vProd>) dividido pela Quantidade (tag <qCom>) para preencher o valor da unidade comercial (tag <vUnCom>).

 

4.1.6 – Código de Barras – GTIN

Para alguns Estados, as tags <cEAN>  e <cEANTrib> devem conter a informação SEM GTIN para os produtos que não possuem o respectivo código.

Dessa forma, foi criada a opção Informar o literal "SEM GTIN" p/ itens que não possuem cód. de barras com GTIN. Quando essa opção estiver selecionada, o sistema considera o preenchimento das tags <cEAN>  e <cEANTrib>, na geração do XML, com a informação SEM GTIN.

 

Observação: o Triple One faz a verificação do código de barras, checando se o tamanho do código de barras é de 8, 12, 13 ou 14 posições. Caso o código de barras não tenha estes tamanhos específicos e a opção Informar o literal "SEM GTIN" p/ itens que não possuem cód. de barras com GTIN estiver selecionada, os campos cEAN e cEANTrib serão preenchidos com a informação SEM GTIN.

 

4.1.7 – Desconto na Linha

A configuração Considerar desconto na linha? foi criada para adaptar o sistema à versão 9.2 PL 04 do SAP Business One.

 

Se for configurada como SIM, o desconto informado na linha será carregado para a tag <vDesc> de cada item da nota. Se a opção selecionada for Não, será mantido o valor liquido do item, ou seja, não será informado desconto no XML.

 

Observação: Em versão anterior a 9.2 PL 04, a tag <vDesc> é gerada com a informação do desconto informado no cabeçalho.

 

Tela 77 – Desconto no cabeçalho – levado para a tag <vDesc> em versões anteriores à 9.2 PL 4 do SAP B1

 

Observação: Quando um item possuir valor negativo na coluna % do desconto do documento de marketing, a tag <vUncom> será preenchida com o resultado da divisão da coluna Total (MC) pela coluna Quantidade, ao configurar o campo Considerar desconto da linha do documento? com a opção SIM.

           

4.1.8 – Subtrair dos Dados de Fatura, o Imposto Retido no Pagamento – (Duplicatas)

Se a opção Subtrair dos dados de Fatura, o imposto retido no pagamento estiver configurada como Sim, então os valores retidos no pagamento serão subtraídos do valor da fatura e das duplicatas.

Observação: o valor do imposto retido a ser subtraído será considerado apenas em documentos de saída.

 

4.1.9 – Informações Adicionais dos Itens

Na opção Considerar o campo selecionado como Informações Adicionais do Item é possível escolher o campo que o Triple One considerará para as informações adicionais dos itens.

 

Tela 78 – Campo Considerar o campo selecionado como Informações Adicionais do Item

 

A) Se a opção selecionada for a 0 – Cadastro Itens (Default) – Observações do Item (UserText), as informações devem ser inseridas na aba Observações em Dados cadastro do item.

 

Tela 79 – Informações adicionais dos itens no cadastro do item

 

B) Se a opção selecionada for 1 – Documentos de marketing (linha) – Texto Livre (FreeTxt), as informações devem ser inseridas na coluna Texto Livre do documento de marketing.

 

Tela 80 – Informações adicionais dos itens no documento de marketing – coluna Texto livre

 

Observação: o campo Texto Livre possui uma limitação para a inserção de até 100 caracteres.

 

C) Se a opção selecionada for 2 – Documentos de Marketing (Linha) – Inf. Adicionais do item (U_SKILL_InfAdItem), as informações devem ser inseridas na coluna Inf. adicionais do item do documento de marketing.

               

Tela 81 – Informações adicionais dos itens no documento de marketing – coluna Inf. adicionais do item

 

D) Se a opção 3 – Nº Pedido e Nº Item (U_SKILL_NP),(U_SKILL_ItemPed) for selecionada, as informações das colunas Número do Pedido de Compra e Item Ped. De Compra, do documento de marketing, serão carregadas para a tag <InfAdProd> e, dessa forma, também serão carregadas para o DANFE.

 

E) Se a opção 4 – (1) Texto Livre (FreeTxt) + (3) N° Pedido e Nº Item (U_SKILL_NP),(U_SKILL_ItemPed) for selecionada, as informações das colunas Texto Livre, Número do Pedido de Compra e Item Ped. de Compra, do documento de marketing, serão carregadas para a tag <InfAdProd> e, dessa forma, também serão carregadas para o DANFE.

 

4.1.10 – Considerar Lote/Nº de Série nas Informações Adicionais do Item

A opção de Considerar Lote/Nº de Série nas Informações Adicionais do Item permite que o usuário indique se o lote e/ou série devem ser informados automaticamente na tag <infAdProd>, informações adicionais do produto.

 

Observação: Se o campo for configurado com as opções 1 – Somente Lote ou 3 – Considerar Lote e Nº de Série, então, a informação inserida no campo Quantidade também é levada para a tag <infAdProd>.

 

É possível, ainda, clicar no botão Detalhes para selecionar quais informações serão carregadas na tag InfAdProd do XML e no DANFE da NF-e: Data de Vencimento, Quantidade e/ou Data de Fabricação.

 

Tela 82 – Tela para configurar o preenchimento das informações de lote/série na tag InfAdProd

 

O campo Preenchimento complementar do Lote ao ser configurado com a opção 2 – Atributo do Lote 1, no XML será gerada a tag <infAdProd> com a informação do campo Atributo do Lote 1, da tela Detalhes do Lote. Nesse caso, tanto a descrição do campo quanto o conteúdo do campo preenchidos na tela Detalhes do Lote serão gerados na tag <infAdProd>.

 

Tela 83 – Campo Atributo do lote 1 dos Detalhes de lote

 

4.1.11 – Enviar Dados de Lote no Grupo Rastreabilidade de Produto (NF-e 4.00)

As tags <nLote>, <qLote>, <dFab> e <dVal> devem constar no grupo <rastro> que pode ser utilizado para qualquer tipo de produto. Para criar esse grupo de tags, é necessário configurar o campo Enviar dados de Lote no grupo Rastreabilidade de produto (NF-e 4.00) como Sim.

 

A partir da configuração, o sistema gera as informações para o grupo <rastro> desde que o produto esteja configurado para Administrar item por Lotes.

 

Tela 84 – Configuração do item para administrar item por lote e gerar o grupo de rastreabilidade para NF-e

 

Observação: Para medicamentos e produtos farmacêuticos o preenchimento das informações do grupo <rastro> é obrigatório.

 

4.1.12 – Rastreabilidade por Série

Para a versão da NF-e 4.0 foi disponibilizado o campo Conf. Rastro View, na tabela SKL25CFG – Configurações, para carregar as informações de Série para o grupo Rastro do XML por meio de uma view. Este campo possui os valores N – Não e S – Sim e necessita ser configurado por filial.

 

Tela 85 – Acesso à tabela de configurações

 

Tela 86 – Campo Conf. Rastro View, na tabela de Configurações

 

Após realizar a configuração do campo, será necessário criar uma View com o nome SKILL_NFE­_RASTRO e com a seguinte estrutura:

 

Tela 87 – Parâmetros necessários para criar a View

 

Observação: Caso haja mais de um grupo de rastro para a mesma linha, estas informações serão concatenadas no mesmo campo da linha.

 

Para saber mais informações sobre o preenchimento do Grupo Rastro, a partir de views customizadas, acesse o Documento de Apoio sobre o assunto AQUI.

 

4.1.13 – Preenchimento da tag nLote

Ao configurar este campo com a opção Lote (padrão) a tag <nLote> será preenchida com a informação do campo Lote, da tela Detalhes de Lote. Caso configure o campo com a opção Atributo do Lote 1, a tag apresentará a informação do campo Atributo do Lote 1, da tela Detalhes de Lote.

 

Tela 88 – Campo Preenchimento da tag nLote

 

Tela 89 – Campos Lote e Atributo do lote 1 dos Detalhes de lote

 

4.1.14 – ICMS Destinatário e Remetente – Notas de Devolução Com DIFAL

Quando a opção Inverter valores das tags de ICMS destinatário e ICMS Remetente em documentos de devolução no módulo de vendas for configurado como Sim, os valores de ICMS Remetente e ICMS Destinatário, referentes ao DIFAL, serão invertidos nos documentos de devolução no módulo de Vendas.

 

4.1.15 – Utilização Para Crédito ICMS Entre Filiais

A configuração Utilização para crédito ICMS entre filiais deve ser feita selecionando a utilização desejada.

 

Tela 90 – Configuração de Utilização para crédito do ICMS entre filiais

 

Observação: A configuração destes parâmetros é baseada no cadastro das utilizações do SAP Business One. Se for necessário criar utilizações específicas, então, deve-se criá-las no próprio SAP Business One, na janela de Utilização – Configuração, disponível no seguinte caminho de menu:

Administração > Configuração > Finanças > Imposto > Nota Fiscal > Utilização

 

Tela 91 – Janela para configuração das utilizações

 

4.1.16 – Venda Serviço, Data Padrão de Prestação

A configuração Venda serviço, data padrão de prestação permite a escolha da informação que será levada para a tag <dCompet> quando o campo de usuário Data da aquisição/prestação do documento de marketing estiver em branco. É possível escolher entre a data do documento, a data de lançamento ou a data de vencimento.

 

Observação: Essa configuração é especifica para a prestação de serviços com a emissão de NF-e.

 

4.1.17 – Considerar UF do Destinatário Como Padrão Para UF de Consumo Para Operações Com Combustíveis

Se o campo Inf. Adicionais do Item – Combustíveis – Considerar a UF do Destinatário como padrão para UF de Consumo estiver configurado como Sim, então, o campo UF de Consumo, da aba Combustível, da janela de Informações Adicionais dos Itens do documento de marketing, será automaticamente preenchido com a UF do destinatário da nota.

 

Tela 92 – Campo UF de Consumo da aba Combustível

 

4.1.18 – Certificado Digital

Em Certificados Digitais são exibidos todos os certificados instalados na máquina em que o Triple One está instalado. Para cada máquina cliente e cada base de dados do SAP Business One é necessário selecionar um certificado. É permitido realizar a escolha do Modo de validação do certificado digital entre dois tipos:

 

  • Em base de dados: Os dados do certificado digital ficam gravados no banco de dados e, por este motivo, ao enviar a nota para a SEFAZ, não será solicitada a confirmação do certificado digital.
  • Em cache: Os dados do certificado digital ficam gravados na memória da máquina. Sempre que o add-on for reiniciado ou a cada vez que o token do certificado for desconectado, no momento do envio da nota, será solicitada a confirmação do certificado digital. Após o primeiro envio, os dados do certificado ficarão armazenados em cache, sendo reutilizado para solicitações subsequentes.

 

Observação: Os certificados digitais são necessários para enviar os arquivos XML para a SEFAZ.

 

4.2 – Aba Web Services

Na aba Web Services, devem ser configurados o Tipo de Ambiente, a Versão da NF-e, a UF do emitente e o Modo de Operação.

 

Tela 93 – Aba Web Services da janela Configurações NF-e

 

4.2.1 – Tipo de Ambiente

Na configuração do Tipo de Ambiente, é possível escolher entre Homologação ou Produção, sendo que o de Homologação serve apenas como ambiente de testes e o de Produção emite as notas com valor fiscal.

 

Observação: A configuração do ambiente é feita por empresa e não por usuário. Portanto, não é possível que dois usuários trabalharem na mesma base e/ou filial, selecionando ambientes diferentes.

 

O tipo de ambiente utilizado para as notas já emitidas fica disponível tanto no módulo Painel quanto no documento de marketing, na aba NFe Federal.

 

Tela 94 – Tipo de Ambiente aparece no Painel da NF-e

 

Tela 95 – Tipo de Ambiente também aparece na aba NFe Federal do documento de marketing

 

4.2.2 – Versão do leiaute e UF

A Versão do leiaute da NF-e válida atualmente é a 4.0. A UF deve ser configurada conforme o Estado de origem da empresa.

 

Observação: Os links de WebServices são exibidos de acordo com o Tipo de ambiente, a Versão e a UF selecionados.

 

4.2.3 – Modo de Operação

A modificação do modo de operação deve ser feita apenas quando houver problemas técnicos na emissão das notas. Se não houver problemas, deve ser mantida a opção de Operação Normal.

 

Observação: os procedimentos para a emissão da NF-e em contingência estão detalhados no Tópico 6.5Emissão em Contingência.

 

4.3 – Aba Email

Para o envio do XML e do DANFE para o destinatário é necessário configurar os dados do e-mail do remetente.

 

Tela 96 – Configuração de e-mail do remetente

 

No campo Texto padrão para envio de email é possível configurar uma mensagem padrão que será enviada no corpo do e-mail. Também é possível configurar por meio das variáveis: Chave de Acesso, CNPJ, Numero da nota, Razão Social e Imagem qual informação deve ser enviada no texto automático de e-mail. Para selecionar uma das opções, é necessário clicar duas vezes sobre ela.

 

Tela 97 – Para selecionar uma variável dê duplo clique

 

Já a opção Gerar texto completo com as informações de Nota no fim do corpo do e-mail? possibilita a escolha da localização dos dados no corpo do email, podendo ser apresentados no fim do corpo do e-mail, onde será carregado um agrupamento das informações dos dados da nota fiscal.

 

Tela 98 – Opção para configurar localização dos dados no corpo do email

 

Observação: Para os servidores de e-mail que requerem autenticação TLS/SSL (exemplo: gmail, yahoo, etc.), devem ser selecionadas as opções SMTP requer autenticação e Usar conexão criptografada SSL.

 

Com a opção Enviar cópia oculta? selecionada, é possível cadastrar outro e-mail para receber uma cópia oculta do e-mail enviado. Para isso, um novo campo é habilitado.

 

Tela 99 – Configuração de e-mail para recebimento de cópia oculta

 

Se a opção Deseja enviar e-mail com XML e DANFE automaticamente para NF-e Autorizada? estiver marcada, automaticamente, o Triple One envia o XML e o DANFE para o e-mail informado no Cadastro de Parceiros de Negócio.

 

Observação: A funcionalidade de enviar email automático é selecionada tanto para notas autorizadas quanto canceladas.

 

Se a opção Gerar texto com informações da Nota? for marcada, então, as informações de Chave de Acesso, CNPJ/CPF do Destinatário, Número da NF-e e Razão Social/Nome do Destinatário serão adicionadas no corpo do email.

 

É possível ainda adicionar uma imagem no corpo do email. Para isso, clique no botão do campo Imagem para indicar uma imagem salva em pasta local. Depois, no campo de texto padrão, adicione o código {img} para indicar a posição onde a imagem deve aparecer no corpo do e-mail.

 

Tela 100 – Configuração de imagem para aparecer no final do email

 

4.4 – Aba Danfe

Na aba Danfe devem ser realizadas algumas configurações.

 

Tela 101 – Aba para configuração do DANFE

 

Observação: É possível preencher, de forma manual, os campos Caminho físico do Rpt, Caminho físico do Logo e DANFE em PDF.

 

4.4.1 – DANFE

Na configuração do campo DANFE, sugerimos a utilização da opção 0 – Versão a partir da NF-e 3.10 (recomendado).

 

4.4.2 – Enviar DANFE em PDF Por E-mail

Por meio dessa configuração, a opção PDF do DANFE já fica selecionada para envio por e-mail ao clicar em Exportar XML na aba NFe Federal  do documento de marketing.

 

Tela 102 – Opção PDF do DANFE na exportação dos arquivos da NFe

 

4.4.3 – Caminho Físico do RPT

O Triple One disponibiliza um leiaute de DANFE com as informações básicas que precisam ser apresentadas. No entanto, também é possível customizar o DANFE para apresentar as informações desejadas desde que elas constem no XML. Dessa forma, o arquivo customizado deve ser informado no campo Caminho físico do Rpt.

 

Observação: É recomendado salvar o arquivo customizado fora da pasta padrão do Triple One, assim, evita-se que ele seja sobrescrito quando o sistema for atualizado.

 

Foi disponibilizada uma customização do RPT do DANFE com o tamanho da fonte maior do que à fonte padrão. Para utilizá-lo, selecione o arquivo com o RPT customizado na Pasta do Triple One: …SAPSAP Business OneAddOnsSkillTriple One 9DANFE.

 

Tela 103 – Campo para inserção do RPT Customizado

 

Tela 104 – Arquivo de customizado com o da fonte do RPT do DANFE

 

4.4.4 – Caminho Físico do Logotipo

No campo Caminho físico do Logo, é possível indicar uma pasta com o logotipo que será incluído no DANFE. O arquivo do logo deve ser no formato JPG.

 

Tela 105 – Exemplo de DANFE com o logotipo incluído

 

4.4.5 – Tipo de Impressão

Para habilitar o campo é necessário utilizar a Versão a partir da NF-e 3.10 (Recomendado). O Triple One só disponibiliza o formato Retrato. Portanto, quando selecionado o formato Paisagem, o arquivo RPT do DANFE deve ser customizado e sua localização informada no campo Caminho físico do rpt.

 

4.4.6 – Informar Vencimento

Para exibição da data da fatura, tanto no DANFE quanto no XML, é necessário configurar o campo Informar vencimento.

 

Tela 106 – Configuração para informar o vencimento no XML e no DANFE

 

4.4.7 – Customizar Natureza de Operação

É possível indicar um campo específico para ser considerado como Natureza da Operação na NFe.

 

Tela 107 – Configuração de campo específico para a natureza de operação

 

Se esse campo não for configurado, a partir da versão 9.0 do SAP Business One, como padrão, o Triple One considera o campo Uso Principal do documento de marketing para a natureza de operação.

 

Tela 108 – Campo considerado como padrão para a Natureza da Operação

 

E se o campo Uso Principal não estiver preenchido, então o Triple One considerará a coluna Utilização.

 

Tela 109 – Segundo campo que será considerado para a natureza de operação

 

4.4.8 – Customizar Logo do DANFE

Esta configuração é utilizada para permitir a customização do Logotipo do DANFE por documento.

 

Antes de configurar a personalização do logotipo no DANFE por documento, recomendamos que seja criado um campo de usuário no documento de marketing, através do menu do SAP Business One:

Ferramentas > Ferramentas de personalização > Campos definidos pelo usuário – administração

 

Tela 110 – Acesso à janela para personalização de campos

 

Na janela que é exibida, clique em documentos de marketing, depois em título e clique no botão Adicionar.

 

Tela 111 – Adicione o campo de usuário na linha de título

 

Depois, no campo Customizar Logo do DANFE, escolha o campo de usuário criado.

 

Tela 112 – Escolha o campo criado anteriormente

 

Então, no momento da emissão do documento, preencha o campo de usuário com o caminho de pasta local e o nome do arquivo que deseja adicionar ao logotipo do DANFE.

 

Tela 113 – Preencha o caminho da pasta local com a imagem a ser inserida no logotipo do DANFE

 

Observação: Se a configuração da NF-e não for utilizada ou se no campo indicado não houver preenchimento, então, o add-on considerará a configuração padrão do Logo.

 

4.4.9 – Pasta de Armazenamento – DANFE em PDF

No campo de Pasta de Armazenamento: DANFE em PDF é definida a pasta onde serão gravados os arquivos DANFE.

 

Observação: O usuário precisa ter permissão de acesso às pastas configuradas. Caso contrário, o DANFE não será exibido.

 

4.4.10 – Impressão Automática do DANFE

O campo Impressão automática do DANFE, só é habilitado quando campo DANFE for configurado com a opção versão a partir da NF-e 3.10 (Recomendado).

 

Tela 114 – Campo Impressão automática do DANFE habilitado ao selecionar a opção versão a partir da NF-e 3.10 (Recomendado)

 

Ao selecionar a opção P – Enviar para impressora padrão do Windows, após a autorização da NF-e, a nota será enviada para impressão na impressora configurada como padrão do Windows. Caso seja selecionada a opção C – Enviar para impressora de rede configurada será necessário informar o caminho de rede da impressora para que a impressão seja realizada de forma automática após a autorização da NF-e. Este caminho deverá ser informado no campo Caminho da Impressora.

 

Tela 115 – Campo habilitado, para a inserção caminho de rede da impressora

 

No campo No. De Cópias pode-se informar o número de cópias desejadas para impressão.

 

Tela 116 – Ao informar o valor 0, a quantidade de cópias será a definida na configuração da impressora.

 

Observação: em base multifilial, a configuração deve ser feita por filial.

 

4.5 – Aba Proxy

O Triple One tem a opção de configurar o acesso à Internet para ambientes com Proxy. Essas configurações devem ser preenchidas de acordo com a necessidade do ambiente.

 

Tela 117 – Campos para configuração de ambientes com proxy

 

4.6 – Aba Autorização Download

Todas as pessoas autorizadas a efetuar o download dos arquivos XML emitidos pela empresa devem ser informadas na janela de Configurações NF-e Federal, na aba Autorização Download.

 

Tela 118 – Janela para cadastro de pessoas autorizadas a fazer download dos arquivos XML

 

Observação: em cada linha deve ser informado o CNPJ ou o CPF das pessoas autorizadas a fazer o download. Ou seja, não devem ser informados CNPJ e CPF para uma mesma linha.

 

Tela 119 – XML gerado com o cadastro de pessoa autorizada a fazer o download

 

Para autorizações específicas, os dados devem ser inseridos diretamente no documento de marketing. Para isso, basta clicar com o botão direito do mouse no documento de marketing e selecionar a opção Autoriza Download do XML:

 

Tela 120 – Para autorizações específicas clique com o botão direito do mouse no documento de marketing

 

Observação: a opção só é habilitada após a adição do documento.

 

Automaticamente são apresentados os dados já cadastrados na janela de autorização. Caso uma nova pessoa precise ser cadastrada para realizar o download dos arquivos XML, também é possível adicioná-la na mesma janela. Com o botão Inserir Linha.

 

Tela 121 – Um novo CPF foi cadastrado

 

Veja como as informações ficam no XML.

 

Tela 122 – Foram criadas duas tags <autXML>, uma para cada CPF

 

Observação: podem ser informadas até dez pessoas (físicas ou jurídicas) autorizadas para efetuar o download dos arquivos XML.

 

5 – FUNCIONALIDADE DO MÓDULO NF-e

O módulo NFe – Nota Fiscal Eletrônica Federal possui, além das configurações necessárias, algumas funcionalidades.

 

Tela 123 – Funcionalidades da NFe – Nota Fiscal Eletrônica Federal

 

5.1 – Código CEST

A tabela de códigos, divulgada inicialmente em legislação, está disponível no módulo Código CEST.

 

Assim que o módulo é acessado, é possível verificar os códigos relacionados aos NCMs e, se necessário efetuar um novo cadastro para utilização.

 

Tela 124 – Relação de códigos CEST

 

Observação: A atualização dos códigos é de responsabilidade do usuário.

 

5.2 – Enquadramento do IPI

Existem duas opções nesse módulo: Enquadramento IPI e Determinação do Enquadramento IPI.

 

Tela 125 – Módulo para auxiliar no preenchimento das informações do enquadramento do IPI

 

Em Enquadramento IPI é possível verificar a lista de códigos definida pela legislação e, se necessário, efetuar um novo cadastro para utilização.

 

Tela 126 – Códigos de enquadramento do IPI

 

Observação: Essa tabela é carregada junto com o Triple One, mas o usuário é responsável pela atualização e por possíveis alterações necessárias.

 

Para facilitar o preenchimento do código de enquadramento no momento de emissão do documento de marketing é possível utilizar a funcionalidade do módulo Determinação do Enquadramento IPI.

 

Tela 127 – Janela para Determinação do Enquadramento de IPI

 

O Triple One segue a ordem de prioridade exibida na janela, ou seja, primeiro, são lidas e cruzadas as informações de CST IPI com o Código do Item, depois com o CFOP e, por último, com o NCM.

 

As setas amarelas, correspondentes a cada tipo de cruzamento, abrem a janela para a configuração das informações.

 

Tela 128 – Janela para configuração das determinações de CST IPI com Código do Item

 

Todos os campos permitem a seleção das informações a partir de uma lista.

 

Tela 129 – É possível selecionar as informações a partir das listas

 

Observação: o campo Descrição do Enquadramento de IPI é preenchido automaticamente de acordo com as informações configuradas no módulo Enquadramento IPI.

 

Após configurar as determinações, basta utilizar o botão Preencher Enq. IPI que é habilitado no documento de marketing.

 

Tela 130 – O botão é habilitado após a seleção do modelo como NF-e (55)

 

Também é possível preencher as informações de enquadramento do IPI após o documento ser inserido. Basta acessar a janela de Informações Adicionais dos Itens, através do botão Inf. Adic. Itens e clicar no botão Preencher Enq. de IPI.

 

Tela 131 – Para preencher os CENQ após inserir os documentos no SAP Business One

 

5.3 – Consultar Nota Fiscal

No módulo Consultar Nota Fiscal é possível fazer a consulta das notas inseridas no sistema com os modelos 1, 1A, NFe e NFCe. No mesmo módulo também é possível fazer o envio de notas em lote.

 

Ao acessar o módulo, a janela Consulta de Nota Fiscal é exibida. Utilize os filtros no cabeçalho da janela para encontrar as notas desejadas. É possível filtrar por:

  • Tipo do documento;
  • Status NF – SEFAZ;
  • Status NF – SAP;
  • Modelo;
  • Data do documento;
  • Número do documento;
  • Número da NF;
  • Série; e
  • Subsérie.

 

Se a empresa tiver filiais, não esqueça de escolher a Filial no campo correspondente.

      

Tela 132 – Campos para filtrar as notas desejadas

 

Para consultar as notas, os campos Tipo do documento, Status da nota fiscal e Modelo, devem ser preenchidos.

 

Tela 133 – Tipos de documentos disponíveis para consulta

 

Tela 134 – Status NF – SEFAZ disponíveis para consulta

 

Tela 135 – Modelos de notas disponíveis para consulta

 

No campo Últimas Transações, é possível definir o número máximo de documentos apresentados por consulta.

 

Tela 136 – Configuração de número máximo de notas por consulta

 

Para o envio em lote das notas, no campo Status da nota fiscal, é necessário selecionar a opção Listar notas para envio ou Listar notas rejeitadas para exibir os documentos.

Depois, selecione as notas a serem enviadas em lote, marcando-as nas caixas de seleção. Ao selecionar as notas, os botões Enviar NFe – SEFAZImprimir Danfe – Lote serão habilitados.

 

Tela 137 – Filtre as notas a serem enviadas em lote, selecione-as, depois clique no botão para enviá-las

 

Observação: Quando a opção Ignorar validação for selecionada, o sistema não interrompe o envio das notas mesmo se houver alguma inconsistência ou nota que não tenha sido validada.

 

Se a opção de envio automático de e-mail estiver configurada (veja Tópico 4.3 para mais informação), então, as notas autorizadas serão enviadas para o endereço de email cadastrado no PN.

 

O procedimento para imprimir os DANFEs é o mesmo utilizado para enviar as notas, porém, deve ser utilizado o botão Imprimir Danfe – Lote, em vez do Enviar NFe – SEFAZ.

 

Tela 138 – Selecione as notas, depois, clique em Imprimir Danfe – Lote

 

Os DANFEs serão impressos na impressora padrão que estiver configurada na máquina em que o SAP Business One está instalado.

 

A opção de Arquivo Único envia todas as notas selecionadas em um só arquivo PDF para serem impressas. A utilização dessa opção torna a impressão mais rápida dependendo da impressora configurada. Esta opção possui efeito apenas quando selecionado o modelo NFe. Lembrando que é necessário ter o Acrobat Reader instalado na máquina local para imprimir os DANFEs em Arquivo Único.

 

No campo Quantidade de cópias p/impressão é possível configurar quantas cópias serão impressas.

 

Tela 139 – Campo para configurar a quantidade de cópias a serem enviadas para a impressão de DANFEs

 

Também é possível solicitar o retorno de notas enviadas anteriormente, porém, o Status NF – SEFAZ escolhido deve ser o Listar notas p/ retorno. O botão disponibilizado será o Retornar NF-e SEFAZ em vez do Enviar NFe – SEFAZ.

 

Tela 140 – Também é possível solicitar o retorno das notas

 

Observação: Ao selecionar a opção -1 – Todos do campo Tipo de Documento as ações serão disponibilizadas de acordo com a opção escolhida no campo Status NF – SEFAZ. Na tela abaixo é possível observar as regras.

 

Tela 141 – Ações habilitadas de acordo com o Status selecionado

 

Observação: O menu Consultar Nota Fiscal em cenário configurado com a opção Contingência SVC-AN/SVC-RS não está disponível. Para esse caso, será apresentada uma mensagem de alerta do sistema.

 

Tela 142 – Mensagem apresentada ao tentar acessar o módulo Consultar Nota Fiscal em Modo de Contingência SVC

 

5.4 – Consultar Status

A consulta de status das notas pode ser feita através do módulo Consultar Status.

 

É possível consultar o status por Chave de Acesso. Para isso, insira a chave de acesso, depois, clique no botão Consultar status da NFe.

 

Tela 143 – Consulta de status da NF-e a partir de Chave de Acesso

 

Também é possível consultar o status com arquivos XML NF-e. Neste caso, deve-se utilizar o botão no final do campo para selecionar o arquivo XML na pasta local, depois, clicar no botão Consultar status da NFe.

 

Tela 144 – Consulta de status da NF-e a partir de arquivo XML

 

As informações dos campos Emitente, Nota Fiscal, Valor Total e UF serão carregadas do próprio arquivo XML.

 

Tela 145 – Informações carregadas automaticamente

 

Ao clicar no botão Consultar status da NFe, as informações do Resultado da Consulta, Protocolo e DigestValue são exibidas.

 

Tela 146 – As informações do resultado da pesquisa são exibidas nos campos correspondentes

 

Observação: O botão Nova consulta apaga as informações de todos os campos e permite iniciar a consulta de uma nova nota.

 

5.5 – Envio/Armazenamento de XML

Ao acessar o módulo, a janela Envio/Armazenamento de XML é exibida. Utilize os filtros no cabeçalho da janela para encontrar as notas desejadas. É possível filtrar por Data do Documento, Parceiro de Negócio, Tipo Documento, Status da Nota Fiscal e Status do Envio Email.

Se a empresa tiver filiais, não esqueça de escolher a filial desejada no campo correspondente.

 

Tela 147 – Selecione a Filial e os filtros para encontrar os arquivos XML

 

Para envio ou armazenamento de XML, apenas são aceitas as notas autorizadas ou canceladas, assim, para o campo Status da Nota Fiscal, apenas são aceitas as opções Listar notas autorizadas ou Listar notas canceladas.

 

Tela 148 – Apenas são permitidas notas autorizadas ou canceladas

 

Após escolher os filtros para as notas desejadas, clique no botão Procurar. As notas serão exibidas na tabela.

No campo Últimas Transações é possível definir o número máximo de documentos apresentados por procura.

 

Tela 149 – Notas encontradas são exibidas na tabela

 

Observação: O botão Limpar apaga as informações da procura e de todos os campos.

 

5.5.1- Armazenamento

Para armazenamento de XML, utiliza-se a aba Exportar para disco rígido.

 

Ao utilizar os filtros e encontrar as notas desejadas, deve-se informar o caminho da pasta local onde serão gerados os arquivos. Para gravar o XML, configure o primeiro campo, Caminho do XML. Para gerar os arquivos DANFE, configure o segundo campo, Caminho do DANFE.

 

Tela 150 – Para armazenar os arquivos XML utiliza-se a aba Exportar para disco rígido

 

Observação: As opções do Nome do arquivo definem como serão gravados os arquivos XML e DANFE: por Chave NF-e, por Nº NFe + Série ou por Nome PN.

 

5.5.2 – Envio

O envio do XML e do DANFE pode ser feito para diferentes e-mails cadastrados no sistema. Na aba Enviar para destinatário de email, é possível escolher para quais endereços enviar uma cópia.

 

Tela 151 – Configurações para envio do XML e DANFE por e-mail

 

É possível configurar um Assunto e uma mensagem padrão, que será enviada a todos os endereços de e-mail cadastrados e selecionados.

 

A opção Email Parceiro utiliza o endereço do campo E-mail, disponível na aba Geral do Cadastro de parceiros de negócio.

 

Tela 152 – Campo considerado para o e-mail do parceiro

 

Já a opção Email Contato utiliza o endereço do campo E-mail, disponível na aba Pessoas de contato do Cadastro de parceiros de negócio.

 

Tela 153 – Campo considerado para e-mail em pessoas de contato

 

Se a opção Email Transportadora for configurada, a nota também será enviada para o endereço cadastrado no campo E-mail, disponível na aba Geral do Cadastro de parceiros de negócio que for classificado como "transportadora".

 

Tela 154 – Campo considerado para e-mail da transportadora

 

Observação: o sistema entende como "Transportadora", o parceiro de negócio indicado no documento de marketing, na aba Imposto.

 

Se a opção Email NFe Aut. for configurada será realizado o envio dos arquivos XML e DANFE para os e-mails exibidos  na coluna Email NFe Aut..  Essa coluna, por sua vez, apresenta os e-mails informados no campo de usuário Email envio NFe aut. do documento de marketing.

 

Tela 155 – Opção para realizar o envio dos arquivos XML e DANFE para os emails cadastrados no campo de usuário Email envio NFe aut. do documento de marketing

 

Os quatro campos são carregados automaticamente para o módulo de Envio/Armazenamento de XML, porém, é possível modificá-los manualmente, se for necessário.

 

Tela 156 – E-mails carregados dos cadastrados de PN e do campo Email envio NFe aut. do documento de marketing

 

Observação: Os e-mails informados nesta tela não alterarão os cadastros de parceiros de negócios.

 

Para fazer o envio dos arquivos XML e DANFEs é necessário configurar a mensagem padrão e o assunto, depois, selecionar as notas, conferir os e-mails para envio e depois clicar no botão Atualizar.

 

Tela 157 – Configure a mensagem, selecione as notas, depois, clique em Atualizar

 

Observação: A funcionalidade de envio dos arquivos XML e DANFEs depende da correta configuração de SMTP, descritos no tópico 4.3.

 

Ainda existem duas opções que ficam a escolha do usuário:

  • Enviar Chave de Acesso no assunto: copia o número da chave de acesso no assunto da mensagem no e-mail;
  • Enviar DANFE em PDF: anexa o DANFE em PDF no e-mail.

 

Para verificar os envios de e-mails, basta filtrar por meio do campo Status do Envio Email a opção desejada:

 

Tela 158 – Opções de consulta para o Status do Envio Email

 

Após selecionar a opção Email Enviado, na coluna Histórico Email Enviado é demonstrado o log com as informações sobre o envio de e-mails. Para verificar basta clicar na seta amarela:

 

Tela 159 – Acesso ao Histórico de Logs de envio de email

 

E será exibido o Histórico do LOG do Envio de Email:

 

Tela 160 – Tela de Log com os detalhes dos e-mails

 

Selecionando a opção Email Não Enviado será possível verificar as notas sem envio de e-mail. Para enviar os e-mails será necessário selecionar a nota e na aba Enviar para destinatário de e-mail clicar em Atualizar.

 

Tela 161 – Procedimento para enviar os emails não enviados

 

O botão Atualizar será alterado para OK e os e-mails serão enviados:

 

Tela 162 – Mensagens com a confirmação de que a operação foi completada com êxito

 

5.6 – Inutilização de Numeração

A inutilização de numeração pode ser realizada de duas maneiras. Para documentos inseridos no SAP Business One, deve-se utilizar a aba Numeração utilizada. Já para os documentos não inseridos no SAP Business One, deve-se utilizar a aba Numeração não utilizada.

 

Tela 163 – Abas da janela de inutilização de numeração

 

5.6.1 – Aba Numeração Utilizada

Utilize os filtros no cabeçalho da janela para encontrar as notas a serem inutilizadas. É possível filtrar por Tipo de Documento, Data do Documento, Id do Documento ou Parceiros de Negócio. Depois clique no botão Procurar.

Se a empresa tiver filiais, não esqueça de escolher a Filial no campo correspondente.

 

Tela 164 – Selecione os filtros e procure pelas notas a serem inutilizadas

 

Com as notas exibidas na tela, é possível escolher mais de uma para fazer a inutilização. Basta marcar as caixas de seleção, depois clicar no botão Inutilizar NFe – SEFAZ, que é habilitado ao selecionar o primeiro documento.

 

Tela 165 – Selecione os documentos, depois, clique em Inutilizar NFe – SEFAZ

 

Observação: É necessário incluir uma Justificativa para inutilizar as notas.

 

Ao inutilizar as numerações, os documentos ficam com o status atualizado.

 

Tela 166 – Status do documento atualizado

 

Observação: Documentos autorizados e/ou cancelados não podem ter a numeração inutilizada.

 

A inutilização refere-se à comunicação com a SEFAZ e atualização do status do documento para a escrituração nas obrigações fiscais do Triple One. Portanto, o estorno do documento no SAP Business One para o cancelamento da operação e contabilização é de responsabilidade do usuário e deve ser feito normalmente.

 

5.6.2 – Aba Numeração Não Utilizada

Para documentos que não foram inseridos no SAP Business One, na aba Numeração não utilizada, se a empresa tiver filiais, escolha a Filial no campo correspondente, depois, informe a faixa de numeração a ser inutilizada, nos campos Número Inicial NF e Número Final NF, a Data de Escrituração, a Série (se houver), informe a Justificativa e clique no botão Inutilizar NFe – SEFAZ.

 

Tela 167 – Escolha a numeração a ser inutilizada e clique em Inutilizar NFe – SEFAZ

 

5.6.3 – Consultar Inutilizadas

A aba Consultar Inutilizadas serve apenas para conferir as numerações que foram inutilizadas.

Utilize os filtros no cabeçalho da janela para encontrar as notas, depois clique no botão Procurar. Se a empresa tiver filiais não se esqueça de escolher a Filial no campo correspondente.

No campo Últimas Transações é possível definir o número máximo de documentos apresentados por consulta.

 

Tela 168 – Utilize os filtros para encontrar as notas inutilizadas

 

Ao clicar no botão Procurar, as notas correspondentes aos filtros selecionados serão exibidas na tabela. Então, ao clicar na seta amarela de cada documento, é possível verificar o documento de marketing.

 

Tela 169 – Janela com documentos de numeração inutilizada

 

5.7 – Eventos

Neste módulo é possível elaborar e enviar somente a carta de correção.

 

Tela 170 – Janela inicial para utilização de eventos

 

5.7.1 – Carta de Correção Eletrônica

A carta de correção foi instituída para permitir a correção de informações que não impactam e nem causam alteração relacionada ao emitente, destinatário ou aos valores do documento.

Para emitir a carta de correção, o usuário deve selecionar o Tipo do documento ou o Número do documento, depois, clicar no botão Consultar status da NFe, para verificar o status, pois não são aceitas cartas de correção para documentos não enviados, rejeitados, inutilizados ou cancelados.

O status da nota será retornado no campo Resultado da Consulta, junto com as informações de Protocolo e Digest Value.

 

Tela 171 – Consulta de status para envio da carta de correção

 

As informações a serem corrigidas devem ser inseridas no campo Correções, na aba Carta de Correção. Para o envio, basta clicar no botão Enviar Carta de Correção.

 

Tela 172 – Campo para inserção das informações da carta de correção

 

Observação: É necessário preencher o campo de Correções com o mínimo de 15 caracteres.

 

Se a data e hora da máquina, na qual o SAP Business One está instalado, forem diferentes da data e hora da SEFAZ, então o evento será rejeitado. Portanto, é necessário verificar a configuração da máquina local, ou fazer a modificação manualmente, no campo Data e hora do evento.

 

É possível configurar as opções para exportação do XML e do DANFE da nota, mais o XML da carta de correção, ao clicar no botão Exportar XML. Já o botão Imprimir Carta de correção envia a carta para a impressora padrão configurada na máquina local.

 

Tela 173 – Botões para imprimir a carta de correção e exportar o XML e o DANFE para pasta local

 

Quando a empresa emitir mais de uma carta de correção para a mesma nota, somente a última é considerada válida pela SEFAZ. Portanto, a última carta de correção deve ser cumulativa, ou seja, deve conter todas as correções das cartas anteriores.

 

É possível fazer o envio da Carta de Correção diretamente pelo documento de marketing. Apenas para notas processadas, na aba NF-e Federal, é exibido o botão Carta de Correção.

 

Tela 174 – Botão Carta de Correção habilitado no documento de marketing

 

A tabela SKL25CCE – Armazenamento Carta Correção armazena as informações de todas as Cartas de Correção emitidas pelo addon.

 

Tela 175 – Acesso à tabela Armazenamento Carta Correção

 

Tela 176 – Tabela Armazenamento Carta Correção

 

Observação: Os registros da Carta de Correção não substituem as informações já gravadas no SAP Business One pelos documentos de marketing.

 

5.7.2 – Eventos Processados

É possível consultar os eventos na aba Eventos Processados.

 

Tela 177 – Consulta dos eventos processados

 

5.8 – Prorrogação de Susp. do ICMS

Existe a possibilidade de solicitação da prorrogação da suspensão do ICMS em determinadas operações. No entanto, para sua utilização, é necessário confirmar se o Estado onde a empresa está localizada aderiu a este procedimento de prorrogação.

Todos os pedidos de prorrogação da suspensão do ICMS são gerenciados na janela Prorrogação de Susp. do ICMS. Ao acessar o módulo, a janela Prorrogação da Suspensão de ICMS é exibida.

 

Tela 178 – Janela para gerenciamento de pedidos de prorrogação da suspensão do ICMS

 

No cabeçalho da janela, os campos são filtros para localizar os documentos inseridos no SAP Business One. Somente são apresentados os documentos autorizados pela SEFAZ.

 

Tela 179 – Os campos no cabeçalho são utilizados apenas como filtros

 

Na aba Status da Prorrogação é possível consultar o status dos pedidos de prorrogação ou de cancelamento realizados. Os botões Expandir e Agrupar permitem alterar a visualização das informações na tela.

 

Tela 180 – Aba Status da Prorrogação permite visualizar os pedidos de prorrogação ou de cancelamento

 

Nesta janela ainda é possível verificar os documentos ao clicar na seta amarela correspondente, na coluna Doc. SAP.

 

Tela 181 – É possível verificar o documento correspondente ao pedido de prorrogação

 

Observação: O botão Resposta FISCO pode ser utilizado para consultar o status dos pedidos de prorrogação. Não é necessário selecionar as linhas da tabela para realizar essa consulta. É possível selecionar a consulta dos últimos três meses ou a partir da última consulta.

 

Tela 182 – Botão para consultar o status dos pedidos de prorrogação

 

O status dos pedidos é atualizado na coluna Status Prorrogação.

 

Tela 183 – Ao consultar, os status são atualizados na tabela

 

Na aba Prorrogação deve ser realizado o pedido de prorrogação da suspensão do ICMS. Ao selecionar uma das opções Prorrogação de 1º prazo ou Prorrogação de 2º prazo, no campo Ação, a coluna Qtde. a prorrogar é habilitada.

 

Tela 184 – Ao escolher a opção na caixa de Ação, a coluna de quantidade a prorrogar é habilitada

 

Basta selecionar os itens de cada documento, na caixa de seleção correspondente, indicar a quantidade do item e clicar no botão Solicitar Prorrogação.

 

Tela 185 – Indique quais documentos e a quantidade dos itens para solicitar a prorrogação

 

Observação: É possível verificar quais itens pertencem ao mesmo documento, pelo número do documento exibido na coluna Doc. SAP.

 

Se for inserida uma quantidade de itens maior do que consta no documento, o Triple One exibe uma mensagem de alerta. Assim, o usuário pode corrigir a quantidade antes de solicitar a prorrogação.

 

Tela 186 – O sistema valida a quantidade de itens

 

Na aba Cancelamento de Prorrogação é possível solicitar o cancelamento de um pedido de prorrogação realizado anteriormente. Ao selecionar uma das opções Cancelamento de 1º prazo ou Cancelamento de 2º prazo, no campo Ação, as caixas de seleção são habilitadas. Então, basta selecionar os itens e clicar no botão Solicitar Cancelamento.

 

Tela 187 – Selecione os pedidos e clique no botão Solicitar Cancelamento

 

5.9 – Painel

O módulo Painel da NF-e foi criado para auxiliar o usuário na conferência das notas e seus respectivos status.

 

Ao acessar o módulo, a janela Painel NF-e é exibida. É possível conferir a quantidade de notas por status. Ao clicar nas setas amarelas correspondentes, também é possível verificar todas as notas daquele status.

 

Tela 188 – Janela Painel de NF-e

 

Tela 189 – Exemplo de notas com o status "aguardando envio"

 

Ao clicar nas setas amarelas, na coluna Doc.Num., ainda é possível verificar documento por documento.

 

5.10 – Configuração de Envio Automático

O serviço de envio automático realiza de forma automática: o envio e o retorno das notas fiscais, do cancelamento, da inutilização e a retransmissão em caso de rejeição. O serviço de envio automático não realiza o envio de Carta de Correção.

 

Primeiramente antes de configurar o serviço de envio e retorno automático das notas fiscais é necessário habilitar este serviço da NF-e.

 

Para habilitar esta funcionalidade deve-se primeiro definir em qual máquina que o serviço de envio automático será instalado, pois este deve ser instalado em uma única máquina, que deve ter o certificado digital instalado. O serviço de envio automático para ser instalado necessita que o Modo de Validação, disponível nas Configurações da NF-e, do certificado digital, esteja configurado com o valor Em base de dados.

 

Tela 190 – Campo Modo de Validação configurado como Em base de dados

 

Ao realizar estas configurações acesse o diretório de instalação do Triple One geralmente localizado em …SAPSAP Business OneAddOnsSkillTriple One 9, localize o arquivo InstalarServicoEnvioNFe.bat. Execute este arquivo como administrador para que o serviço seja instalado.

 

Tela 191 – Clique com o botão direito do mouse para habilitar a função de executar o arquivo como administrador

 

Observação: Este arquivo só irá existir nos clients de Triple One que estejam na PL 106 ou superior da versão 1.21.13.20 do Triple One.

 

Ao final deste procedimento, a mensagem que a instalação foi concluída com sucesso, deve ser apresentada.

 

Tela 192 – Mensagem de conclusão com a informação de que a instalação foi completada

 

O serviço é instalado com o nome Skill T1 Envio Automatico NFe. Para realizar a configuração do serviço, localize este arquivo nos Serviços do Windows, e efetue um Logon como usuário da máquina ou servidor no qual o certificado digital está instalado. Ao realizar este procedimento, deverá ser apresentada, na coluna Log On As, a conta que foi configurada.

 

Tela 193 – Procedimento necessário para realizar o logon

 

Tela 194 – Informação na coluna Log On As

 

Em seguida, acesse o módulo Configuração de envio automático do Triple One, disponível no seguinte caminho de menu:

Triple One > NF-e – Nota Fiscal Eletrônica Federal > Configuração de envio automático

 

Tela 195 – Acesso à janela de configuração do serviço de envio automático

 

Ao acessar o módulo, a janela de configuração é exibida. Marque a opção de Habilitar envio automático de NF-e e selecione a Filial a ser configurada. Depois, no campo Considerar documentos a partir de, escolha a data inicial que será considerada pelo serviço e, no campo Intervalo de consulta de notas para envio (em minutos), informe o intervalo de tempo para que o serviço de envio automático seja executado.

A opção Deseja enviar e-mail automaticamente com XML e DANFE para NF-e autorizada? pode ser utilizada para que um e-mail também seja enviado automaticamente pelo serviço.

 

Tela 196 – Escolha a filial, a data inicial e o intervalo de execução do serviço

 

No quadro de Sequência de nota fiscal, são exibidas as sequências já criadas no sistema, selecione as sequências que deseja considerar no serviço de envio automático e, no quadro de Tipo de documento, escolhas os tipos de documentos de Saída e Entrada.

 

Tela 197 – Escolhas as sequências de notas e os tipos de documentos

 

Preencha os Dados para Conexão, tanto do Banco de Dados quanto do SAP, e clique no botão Atualizar para salvar as informações.

 

Tela 198 – Preencha os dados para conexão e clique em Atualizar

 

Por fim, clique no botão Gerar Arquivo de Configuração. O sistema exibe uma janela para escolher a pasta em que o arquivo de configuração será gravado.

 

Observação: Como o serviço utiliza outros arquivos do add-on, selecione a pasta do Triple One para que o arquivo seja gravado nela.

 

Tela 199 – O add-on cria a pasta já com o arquivo de configuração

 

Dentro da pasta ConfigXML, localizada no diretório de instalação do Triple One, será salvo o arquivo ConfigService.xml e uma nova pasta denominada EnvioAutoLog, que irá armazenar o log de mensagens do envio automático. Na pasta EnvioAutoLog serão criados dois arquivos, sendo que um gravará as informações das notas enviadas, e o outro, gravará as informações das notas retornadas. O padrão de nome destes arquivos é:

 

  • Arquivo de log das notas enviadas: aaaammdd.txt
  • Arquivo de log das notas retornadas: aaaammddret.txt

 

Tela 200 – Pastas localizadas dentro da pasta ConfigXML

 

Tela 201 – Exemplo de arquivo de log com as notas enviadas

 

Tela 202 – Exemplo de Arquivo de log com as notas retornadas

 

Observação: o arquivo Skill.ServiceSendAuto.exe NÃO deve ser executado.

 

Para iniciar o serviço de envio, localize o arquivo Skill T1 Envio Automatico, clique com o botão direito do mouse em cima do arquivo, e inicie a operação.

 

Tela 203 – Ao clicar com o botão direito, clique no Start para iniciar a operação

 

A coluna Status demonstra que o serviço foi iniciado.

 

Tela 204 – É possível observar que a operação foi iniciada pela mensagem exibida na coluna Status

 

Após a configuração do ambiente, insira um documento de marketing no SAP B1 e selecione o Atualizar Registro para visualizar as alterações de status da NF-e.

 

Tela 205 – Exemplo de documento de marketing com o Status alterado após o envio automático

 

Observação: Quando ocorrem rejeições ou outros erros que impedem o envio/autorização da NF-e, mesmo que o usuário realize o ajuste do documento de marketing, o Triple One só reenviará o documento de forma automática se o campo de usuário [EnvioAuto] – Retransmitir NFe, do documento de marketing, estiver preenchido com Sim.

 

Tela 206 – Campo de usuário para reenvio automático da NFe

 

5.10.1 – Desinstalação do Serviço de Envio Automático

Caso necessite realizar a desinstalação do serviço de envio automático, acesse o diretório de instalação do Triple One em …SAPSAP Business OneAddOnsSkillTriple One 9, localize o arquivo DesinstalarServicoEnvioNFe.bat e execute este arquivo como administrador para que o serviço seja desinstalado. Ao final deste procedimento, deverá ser apresentada a mensagem de que a desinstalação foi realizada com sucesso.

 

Tela 207 – Arquivo a selecionar com o botão direito do mouse para realizar a desinstalação

 

Tela 208 – Mensagem apresentada ao desinstalar o serviço de envio automático

 

5.11 – Local Coleta (Retirada)

O menu Local de Coleta (Retirada) possibilita a inclusão, visualização, alteração e exclusão dos endereços de retirada para que possam ser vinculados às notas fiscais do SAP Business One.

 

Tela 209 – Menu Local de Coleta (retirada)

 

Após o cadastro do endereço no módulo Local de Coleta (Retirada), é possível inserir o ID do cadastro no campo de usuário de mesmo nome, do documento de marketing, para que sejam gerados no XML os dados do endereço de coleta.

 

Tela 210 – Campo definido pelo usuário Local de Coleta (retirada) no documento de marketing

 

6 – EMISSÃO

Para a emissão da Nota Fiscal, o Triple One segue os padrões do SAP Business One. Sendo assim, além dos dados da empresa, dos parceiros de negócio e dos itens estarem corretamente cadastrados, também é necessário preencher os seguintes campos do documento de marketing:

  • CFOP;
  • CST para ICMS;
  • CST para IPI;
  • CST para PIS;
  • CST para COFINS;
  • Código de Imposto;
  • Incoterms (tipo de frete);
  • Placa e UF do Veículo de transporte;
  • Dados da Transportadora;
  • Despesas Adicionais;
  • Modelo de Nota Fiscal (Apenas NF-e, modelo 55).

 

O campo Incoterms, referente ao tipo de frete, deve ser preenchido com os códigos determinados no layout da NF-e.

           

6.1 – Informações Gerais Para Emissão

Este tópico detalha alguns campos necessários para o preenchimento do documento de marketing.

 

6.1.1 – Indicador de Operação Com Consumidor Final

Foi criado no documento de marketing, em Campos definidos pelo usuário, o campo Consumidor Final, que vem com preenchimento padrão NÃO. Se a operação realizada pelo cliente for com consumidor final, deve-se configurar o campo para SIM. O preenchimento desse campo é obrigatório para a emissão da NF-e.

 

Tela 211 – Campo para informar se a operação foi feita com consumidor final

 

6.1.2 – Indicador de Presença do Comprador

É necessário informar o indicador de presença do comprador no estabelecimento no momento da operação. Para isso, foi criado no documento de marketing, em Campos definidos pelo usuário, o campo Indicador de Presença que traz o preenchimento padrão 9 – Outras operações não presenciais. O usuário deverá selecionar a opção adequada para cada operação realizada.

 

Tela 212 – Configuração do indicador de presença do comprador

 

6.1.3 – Finalidade de Emissão

Para indicar a finalidade de emissão de cada NF-e, é necessário configurar o campo Finalidade da NF-e/NFC-e, em Campos definidos pelo usuário, habilitado pelo menu Visão do próprio SAP Business One.

 

Tela 213 – A finalidade de emissão é definida no campo de usuário

 

Se o campo Finalidade NF-e/NFC-e não for informado, o Triple One obedecerá à regra configurada na janela de Utilização – Configuração, disponível no seguinte caminho de menu:

Administração > Configuração > Finanças > Imposto > Nota Fiscal > Utilização

 

Na janela de configuração da utilização, é necessário informar uma Finalidade da NF-e para cada Utilização.

 

Tela 214 – Configuração da relação entre Utilização da NF-e com a Finalidade

 

Portanto, ao lançar o documento de marketing, o Triple One verifica o preenchimento do campo Uso Principal do documento de marketing e a finalidade que foi atribuída a essa utilização. Caso o Uso Principal não esteja preenchido, o sistema verifica a Utilização selecionada na linha do item.

 

Tela 215 – Finalidade da NF-e será atribuída de acordo com a regra de utilização configurada

 

A finalidade de emissão da NF-e é um preenchimento efetuado por nota, portanto, cada nota só pode e deve conter apenas uma finalidade. O Triple One dará prioridade para o campo Finalidade da NF-e/NFC-e, nos Campos definidos pelo usuário. Assim, somente quando este campo não for preenchido é que será considerada a informação da Utilização.

 

Observação: Para as notas fiscais de devolução de mercadoria, obrigatoriamente, deve ser informado um documento fiscal referenciado, que pode ser outra NF-e, uma Nota Fiscal Modelo 1, Nota Fiscal de Produtor Rural, entre outros tipos de documentos. Para esta finalidade de emissão, somente serão aceitas as notas fiscais emitidas com Código Fiscal de Operação (CFOP) relativos à devolução de mercadorias. Em contrapartida, para as demais finalidades de emissão, não serão aceitos CFOPs relativos à devolução de mercadorias.

 

6.1.4 – Indicador do Local de Destino da Operação

O indicador do local de destino da operação é preenchido automaticamente pelo Triple One de acordo com o CFOP indicado no documento de marketing. O sistema verifica o primeiro número do CFOP utilizado na primeira linha do documento de marketing e correlaciona da seguinte forma:

  • CFOP iniciado por 1 ou 5 = 1 – operação interna;
  • CFOP iniciado por 2 ou 6 = 2 – operação interestadual;
  • CFOP iniciado por 3 ou 7 = 3 – operação com exterior.

 

Exemplos:

 

Tela 216 – CFOP iniciado pelo dígito 5 = <idDest>1

 

Tela 217 – CFOP iniciado pelo dígito 6 = <idDest>2

 

Tela 218 – CFOP iniciado pelo dígito 7 = <idDest>3

 

6.1.5 – Campo Data e Hora de Saída/Entrada no XML e no DANFE

É possível informar a data e hora de saída/entrada no XML e no DANFE. Para isso, é necessário que o campo Formato da hora esteja definido como 24H. Este campo fica na aba Exibir, da janela de Configurações gerais do SAP Business One, disponível pelo seguinte caminho de menu:

Administração > Inicialização do Sistema > Configurações Gerais

 

Tela 219 – Campo de configuração do formato de hora do SAP Business One

 

No momento da inserção do documento de marketing no SAP, os campos de usuário, Data de Entrada/Saída e Hora de Entrada/Saída também devem ser preenchidos nos formatos DD/MM/AAA e HH:MM.

 

Tela 220 – Campos para informar data e hora de entrada/saída

 

As informações de data e hora de saída/entrada devem ser inseridas antes do envio do documento para a SEFAZ. Dessa forma, no XML, a tag <dhSaiEnt> é gerada com as informações preenchidas.

 

Observação: Ao utilizar a funcionalidade de duplicar um documento de marketing no SAP Business One, é padrão do sistema copiar do documento de origem o preenchimento dos campos de usuário. Assim, as informações de data e hora de saída/entrada do documento original também serão duplicadas. Por este motivo, recomendamos uma atenção especial ao utilizar a funcionalidade, alterando esta data do campo Data Entrada/Saída para evitar o envio de informações indevidas no XML e rejeição da Nota Fiscal.

 

Se os campos não forem preenchidos e, a opção Atualizar Data e Hora de saída no envio para SEFAZ, das Configurações da NF-e, estiver selecionada, o sistema preenche os campos automaticamente conforme descrito no  Tópico  4.1.3.

Ao gerar o XML, as informações dos campos Data de Entrada/Saída e Hora de Entrada/Saída serão levadas para a tag <dhSaiEnt>.

 

Observação: Se a opção Gerenciar horário de trabalho da empresa das Configurações Gerais do SAP estiver selecionada, a tag <dhSaiEnt> apresentará o horário preenchido no campo Hora de Entrada/Saída de acordo com o fuso horário configurado na aba Fuso Horário, das Configurações Gerais do SAP.

 

Tela 221 – Configuração Gerenciar horário de trabalho da empresa

 

Tela 222 – Aba de configuração do Fuso Horário, no SAP

 

6.1.6 – Número do Pedido de Compra e Item do Pedido de Compra

Os campos Número do Pedido de Compra e Item Ped. de Compra, foram criados, nas linhas do documento de marketing, para o preenchimento das tags <xPed> (Número do Pedido de Compra) e <nItemPed> (Item do Pedido de Compra).

 

Tela 223 – Campo para preenchimento do Número do Pedido de Compra

 

Tela 224 – Campo para preenchimento do Item do Pedido de Compra

 

6.1.7 – Numeração dos Volumes Transportados

Para o preenchimento da tag <nVol>, pode ser preenchido o campo de usuário Número Expedição no documento de marketing. Este campo é alfanumérico e aceita até 60 caracteres.

 

Tela 225 – Preencha as informações para numeração de volumes transportados

 

Observação: Se o campo de usuário informado acima não estiver preenchido, o Triple One considerará o campo Nº unidade expedição do próprio SAP Business One.

 

Tela 226 – Campo considerado pelo sistema se o campo de usuário não for preenchido

 

6.1.8 – Margem de Valor Agregado – Campo IVA-ST (tag <pMVAST>)

Para informar a Margem de Valor Agregado (MVA), é possível utilizar o campo IVA-ST, do documento de marketing do SAP Business One, para ser mapeado na fórmula de imposto. Essa informação será levada para a tag <pMVAST>, do grupo de <ICMS>.

 

Tela 227 – Exemplo de preenchimento do campo IVA-ST para a tag <pMVAST>

 

Tela 228 – Exemplo de fórmula utilizando o campo IVA-ST

 

6.1.9 – Grupo Veículo e Reboque em Operação Interestadual

Foi incluída uma verificação para não criar as tags <placa> e <UF> do grupo Veículo e do grupo Reboque em operação interestadual.

 

6.1.10 – Grupo Campo de Uso Livre do Contribuinte

Para realizar o preenchimento das informações do Grupo Campo de uso livre do Contribuinte e informá-las no XML, acesse a tela Campos de Uso Livre do Contribuinte no documento de marketing clicando com o botão direito do mouse.

 

Tela 229 – Acesso à tela Campos de Uso Livre do Contribuinte

 

Tela 230 – Tela para preenchimento das informações do Grupo Campo de uso livre do Contribuinte da NF-e

 

Para a inserção de novas informações clique no botão Inserir Linha. São permitidas até 10 linhas. As colunas Campo e Texto são de uso livre do contribuinte para o preenchimento dos dados que devem ser informados no XML da NF-e. O campo Ordem é opcional e tem a função de ordenar as linhas no XML.

 

Tela 231 – Exemplo de preenchimento para o grupo campos de uso livre do contribuinte

 

Tela 232 – Exemplo de preenchimento do grupo campos de uso livre do contribuinte no XML

 

Para remover uma linha é necessário selecioná-la, e clicar em Remover Linha, após este procedimento clique no botão Atualizar para que seja efetuada a gravação.

 

Tela 233 – Método para a remoção de uma linha de informação

 

As informações também podem ser preenchidas por meio da tabela: SKILL_OBSCONT_NFE – Obs. Uso Livre Contr. – NF-e, nas Janelas definas pelo usuário, disponível no seguinte caminho de menu:

Ferramentas > Janelas definidas pelos usuários > SKILL_OBSCONT_NFE – Obs. Uso Livre Contr. – NF-e

 

Tela 234 – Acesso à tabela de preenchimento das informações do Grupo Campo de uso livre do Contribuinte

 

Tela 235 – Tabela SKILL_OBSCONT_NFE – Obs. Uso Livre Contr. – NF-e

 

Os campos Code e Name devem ser preenchidos somente com números e devem ser sequenciais.

 

Observação: Para que estas informações sejam exibidas no DANFE é necessário realizar a customização, arrastando o campo para o RPT.

 

6.1.11 – Informações de Pagamento

A tag <indPag> é opcional, na geração do XML, portanto só irá aparecer caso o documento de marketing seja configurado com 0 – Pagamento à Vista ou 1 – Pagamento à Prazo. Quando o documento de marketing for configurado com 90 – Sem Pagamento no campo Forma de Pagamento e com a opção Gratuito selecionada na linha do item, a tag <indPag> não aparecerá no XML.

 

O Grupo de Informações de Pagamento, antes exigido apenas para a NFC-e, passa também a ser exigido para a NF-e. Dessa forma, para a NF-e, essa informação pode ser inserida no campo de usuário Forma de Pagamento do documento de marketing.

 

Tela 236 – Campo para inserção da informação sobre a forma de pagamento

 

Se o campo acima não estiver preenchido para os documentos emitidos pelos módulos que geram financeiro (exemplo: Nota Fiscal de Saída, Dev. Nota Fiscal de Saída, Nota Fiscal de Entrada, Dev. Nota Fiscal de Entrada) será verificado o campo Forma de pagamento da aba Contabilidade do documento de Marketing.

 

Tela 237 – Campo Forma de pagamento nativo do SAP B1

 

Nesse caso, a tag <tPag> será preenchida da seguinte forma:

  • Opções para contas a receber: Boleto = 15-Boleto Bancário e Transferência = 99-Outros.
  • Opções para contas a pagar: Boleto = 15-Boleto Bancário, Transferência = 99-Outros e Cheque = 02-Cheque.

 

Para os documentos emitidos pelos módulos que NÃO geram financeiro (exemplo: Entrega, Recebimento de Mercadoria), automaticamente, a tag <tPag> será preenchida conforme configuração adotada, (caso não haja preenchimento no campo a tag será preenchida com o valor 90 = Sem Pagamento) e o valor a ser apresentado na tag <vPag> será 0,00.

 

Se existirem itens que geram financeiro na nota fiscal e, ao mesmo tempo, item gratuito, ou desconto no cabeçalho (para versão do SAP B1 acima da 9.2), a tag <vPag> é preenchida com o valor efetivo a receber ou a pagar vinculado à forma de pagamento selecionada e, com os demais valores (item gratuito ou desconto) vinculados à forma 90=Sem Pagamento. Os valores dos tributos retidos serão apresentados na tag <vPag> com o <indPag> = 99 (Outros).

 

Para notas com finalidade de Ajuste ou Devolução, o campo deve ser preenchido com o código 90=Sem Pagamento.

 

Observação: O Add-On não atende ao grupo de cartões, o que inclui a tag <tband>, referente à bandeira da operadora de cartão de crédito, e também não atende, as informações sobre o valor de Troco, caso haja recebimento em dinheiro.

 

O modo de preenchimento do Grupo Forma de Pagamento para a NFC-e não sofreu alteração. Foram apenas incluídas novas opções.

 

6.1.12 – Informações de Cobrança

Ao enviar uma Nota Fiscal, na qual o cenário foi configurado com item contendo a opção Gratuito e possuindo ICMS Desonerado, o grupo <cobr> não será gerado, contudo caso seja configurado com Item Gratuito e Item Pago o grupo <cobr> é aberto contemplando os valores do item pago, descontando a desoneração de todos os itens, quando houver.

 

6.1.13 – Documento Referenciado

Para referenciar um documento, clique com o botão direito no documento de marketing que deverá conter a informação e acesse a funcionalidade Documentos Referenciados.

 

Tela 238 – Funcionalidade para acessar a janela de documentos referenciados

 

A janela de Documento Referenciado será exibida. Selecione a aba correspondente ao documento e selecione o Tipo do Documento a ser referenciado. Depois, clique com o botão direito na primeira linha da tabela e selecione Inserir Linha.

 

Tela 239 – Clique com o botão direito na primeira linha da tabela para inserir uma nova linha

 

Em seguida, clique na coluna Documento e selecione o documento que será referenciado, caso ele esteja inserido no SAP Business One ou, insira as informações.

 

Tela 240 – Adicione o documento a ser referenciado

 

6.1.14 – Código Benefício Fiscal

No campo Código Benefício Fiscal disponível na tela do documento de marketing, pode-se inserir manualmente o código de ajuste do benefício fiscal. Este mesmo campo encontra-se também disponível na tela das Inf.Adic.Itens, onde pode-se alterar ou corrigir as informações cadastradas, mesmo após a adição no documento de marketing. Se este campo estiver preenchido, a tag <cBenef> será criada no XML da NF-e.

 

Tela 241 – Campo Cód. Benefício Fiscal disponível na tela do documento de marketing

 

Tela 242 – Campo Cód. Benefício Fiscal disponível na tela Informações Adicionais dos Itens

 

6.1.15 – Responsável Técnico – Software House

As informações do Responsável Técnico são geradas automaticamente no Grupo ZD do XML. Será apresentado no XML o CNPJ, nome da pessoa a ser contatada, e-mail e telefone da SkillConsulting, software house responsável pela emissão da NF-e.

 

6.1.16 – Local da Retirada e Local da Entrega

Para informar o local da retirada, no grupo F, o endereço deve ser informado no campo Local de coleta, além de preencher os, respectivos, campos das tags <xNome>, <CEP>, <cPais>, <xPais>, <fone>, <email> e <IE>, no Cadastro do PN.

 

Tela 243 – Campo Local de coleta

 

Para informar o local da entrega, no grupo G, o endereço deve ser informado no campo Local de entrega, além de preencher os, respectivos, campos das tags <xNome>, <CEP>, <cPais>, <xPais>, <fone>, <email> e <IE>, no Cadastro do PN.

 

Tela 244 – Campo Local de entrega

 

Por meio dos botões … (Opções) as telas Endereço de Entrega – Dados do Recebedor e Endereço de Retirada – Dados do Expedidor são habilitadas. Nestas telas é possível  pesquisar o PN, e selecioná-lo. O campo Endereço será habilitado para selecionar o endereço desejado e já cadastrado. Após a seleção, os demais campos serão preenchidos de forma automática, podendo ser alterados manualmente. Se não houver a seleção de PN, o usuário poderá inserir as informações diretamente na tela. Em ambos os cenários as informações serão gravadas no banco de dados do SAP Business One e, consequentemente, geradas no XML do documento relacionado.

 

Tela 245 – Telas para informar o endereço tanto de Entrega quanto de Retirada

 

Observação: Caso o campo Inscrição Estadual estiver em branco, ou possuir a informação ISENTO, a tag <IE> não será exibida nos grupos de entrega ou retirada do XML.

 

6.1.17 – Modalidade da Base Cálculo do ICMS e ICMS-ST

Para informar a modalidade da base de cálculo do ICMS e/ou do ICMS-ST é necessário configurar o valor de retorno [T1] Modalidade Base Calculo no parâmetro do imposto. O valor será exibido de acordo com a fórmula do imposto elaborada.

 

Para acessar o parâmetro do imposto, siga o seguinte caminho de menu:

Administração > Configuração > Finanças > Imposto > Configurar regra de imposto > Parâmetro de Imposto

 

Tela 246 – Acesso ao menu Parâmetro do imposto

 

Tela 247 – Valor de retorno [T1] Modalidade Base Calculo

 

Para o tipo de imposto ICMS, a tag <modBC> do XML aceita os valores:

  • 0=Margem Valor Agregado (%)
  • 1=Pauta (Valor)
  • 2=Preço Tabelado Máx. (valor)
  • 3=Valor da operação. (v2.0)

 

Já para o tipo ICMS-ST, a tag <modBCST> do XML aceita os valores:

  • 0=Preço tabelado ou máximo sugerido;
  • 1=Lista Negativa (valor);
  • 2=Lista Positiva (valor);
  • 3=Lista Neutra (valor);
  • 4=Margem Valor Agregado (%);
  • 5=Pauta (valor);
  • 6=Valor da Operação

 

Para ilustrar melhor, abaixo segue um exemplo de configuração de fórmula de imposto para a modalidade de base de cálculo do ICMS-ST com as seguintes condições:

  • se o Lucro for maior que 0, a tag <modBCST> será preenchida com o valor 4;
  • se o Lucro for igual a 0, a tag <modBCST> será preenchida com o valor 3.

 

Tela 248 – Exemplo de fórmula de imposto para o preenchimento da modalidade de base de cálculo do ICMS-ST

 

Para o cenário de Lucro maior que zero, no atributo do imposto, o campo Margem de Lucro foi preenchido com 30.

 

Tela 249 – Exemplo de preenchimento do campo Margem de Lucro

 

Dessa forma, o valor 4 é atribuído para a modalidade de [T1] Modalidade Base Calculo:

 

Tela 250 – Exemplo de preenchimento do campo [T1] Modalidade Base de Calculo com base no código de imposto

 

Tela 251 – Exemplo de XML com a tag <modBCST> preenchida de acordo com o campo [T1] Modalidade Base de Calculo

 

6.2 – Emissão Normal

Com todas as informações corretamente preenchidas, basta adicionar a nota na base do SAP Business One.

 

Tela 252 – Adicione a nota no SAP Business One

 

Ao adicionar a nota, a aba NFe Federal é habilitada.

 

Tela 253 – Aba NFe Federal é habilitada para notas inseridas no SAP

 

Então, para emitir a nota clique em Enviar NF-e – SEFAZ.

 

Tela 254 – Clique em Enviar NFe – SEFAZ para emitir a nota

 

Depois de enviar a nota para a SEFAZ, o botão Retornar NFe – SEFAZ será habilitado. Ao clicar nele, a mensagem do processamento efetuado pela SEFAZ será exibida no documento de marketing. A validação da NF-e poderá resultar em:

 

  • Rejeição – A NF-e foi descartada e não foi armazenada no banco de dados da SEFAZ. Pode ser corrigida e transmitida novamente. Não é permitida a circulação da mercadoria;
  • Autorização de uso – A NF-e foi aceita e será armazenada no Banco de Dados da SEFAZ;
  • Denegação de uso – A NF-e será armazenada no Banco de Dados da SEFAZ com esse status, nos casos de irregularidade fiscal do emitente ou do destinatário. Não é permitida a correção da NF-e e a circulação da mercadoria.

 

Observação: a NF-e também pode ser enviada em lote conforme Tópico 5.3, ou ainda, de forma automática, a partir da inserção do documento no SAP Business One de acordo com a configuração descrita no Tópico 5.10.

 

6.3 – Cancelamento

O cancelamento da NF-e pode ser feito apenas para notas autorizadas desde que a mercadoria ainda não tenha saído do estabelecimento.

 Para isso, clique com o botão direito do mouse no documento de marketing que precisa ser cancelado e, em seguida, na opção Cancelar.

 

Tela 255 – Botão para cancelar o documento de marketing no SAP

 

O SAP gera um documento de cancelamento e realiza os lançamentos de estorno da operação e ajuste no estoque.

 

No entanto, para realizar o envio do cancelamento para a SEFAZ, é necessário incluir a Justificativa no documento original.

 

Tela 256 – Campo para inserção da justificativa para o cancelamento

 

Observação: a justificativa deve conter pelo menos 15 caracteres para que o botão Cancelar NF-e seja habilitado.

 

Após o preenchimento da Justificativa e atualização do documento, o botão Cancelar NF-e é habilitado para o envio do cancelamento junto à SEFAZ.

 

Tela 257 – Botão para cancelar a NF-e junto à SEFAZ

 

Observação: o cancelamento do documento na SEFAZ só é realizado após o envio e confirmação obtida da própria Secretaria de Fazenda.

 

Uma outra forma de realizar o cancelamento é utilizar o botão Copiar para do documento a ser cancelado. Essa opção era utilizada antes da disponibilização do botão Cancelar.

 

Copie a nota a ser cancelada, clicando no botão Copiar para, que fica na parte inferior do documento de marketing a ser cancelado.

 

Tela 258 – Botão para copiar o documento

 

Na aba Imposto, no campo Nº NF, deve-se escolher a opção Cancelad e depois confirmar o documento.

 

Tela 259 – Opção Cancelad para indicar o cancelamento de nota

 

Observação: o modelo Cancelad a ser utilizado deve ser o nativo do SAP Business One.

 

Em seguida, o documento original deve ser atualizado com a inserção da Justificativa.

 

Tela 260 – Campo para inserção da justificativa para o cancelamento

 

Após o preenchimento da Justificativa e atualização do documento, o botão Cancelar NF-e é habilitado para o envio do cancelamento junto à SEFAZ.

 

Tela 261 – Botão Habilitado para o cancelamento da NF-e

 

Observação: recomendamos a utilização do botão Cancelar para realizar o cancelamento de notas.

 

6.4 – Estorno

O estorno de NF-e é um procedimento permitido por alguns Estados quando a operação não é realizada, isto é, quando não há a circulação da mercadoria e o prazo para cancelamento do documento já tenha expirado.

A emissão de NF-e de estorno deve ser realizada com as seguintes características:

  • finalidade de emissão da NF-e (campo FinNFe) = "3 – NF-e de ajuste";
  • descrição da Natureza da Operação (campo natOp) = "999 – Estorno de NF-e não cancelada no prazo legal";
  • referenciar a chave de acesso da NF-e que está sendo estornada (campo refNFe); 
  • dados de produtos/serviços e valores equivalentes aos da NF-e estornada;
  • códigos de CFOP inversos aos constantes na NF-e estornada;
  • informar a justificativa do estorno nas Informações Adicionais de Interesse do Fisco (campo infAdFisco).

 

Para emitir uma nota de estorno pelo Triple One, é necessário adicionar um novo documento no SAP Business One e, depois, referenciar a primeira nota original, autorizada anteriormente, conforme instruções no Tópico 6.1.13. Além disso, os campos Finalidade da NF-e/NFC-e e Inf. Adic. Fisco devem ser preenchidos.

 

Tela 262 – Campo para informar a Finalidade como Ajuste

 

Tela 263 – Campo Inf. Adic. Fisco, obrigatório para NF-e de estorno

 

O envio do documento deve ser realizado normalmente para a SEFAZ.

 

Observação: lembramos que nem todos os Estados aceitam esse tipo de documento. Para os que aceitam podem existir outras regras de emissão que devem ser verificadas.

 

6.5 – Emissão em Contingência

Quando ocorrer problemas técnicos e a empresa não conseguir emitir notas em Operação Normal, é necessário utilizar um modo de contingência. O Triple One atende a três tipos de contingência:

 

  • Contingência SVC-AN / SVC-RS: Esta modalidade de contingência permite o envio da NF-e para a SEFAZ Virtual de Contingência e a impressão do DANFE em papel comum. A SEFAZ de origem deve acionar a SVC para ativar o serviço de recepção e autorização para os contribuintes. Após cessarem os problemas técnicos que impediam o uso do ambiente de autorização normal, não é preciso enviar a NF-e para a SEFAZ de origem, pois todos os documentos recebidos pela SVC serão distribuídos para as SEFAZ envolvidas na operação.
  • Contingência Eletrônica EPEC: O EPEC permite à empresa solicitar o registro do "Evento Prévio de Emissão em Contingência" com um leiaute de informações reduzidas da NF-e. Esse registro prévio permite a impressão do DANFE em papel comum. Posteriormente, quando o ambiente normal for restabelecido, o documento fiscal obrigatoriamente deve ser transmitido com a totalidade das informações.
  • Contingência Eletrônica – FS-DA: Este modelo de contingência é a alternativa mais simples quando existir problemas na transmissão da NF-e para a SEFAZ de origem, como por exemplo, um problema de acesso à Internet. É baseada na impressão do DANFE em formulário de segurança FS-DA. Assim que cessarem os problemas técnicos, obrigatoriamente a NF-e deve ser transmitida para a SEFAZ.

 

Para configurar o modo de operação da NF-e é necessário acessar a aba Web Services, na janela de Configurações NF-e Federal, disponível pelo seguinte caminho de menu:

Triple One > NFe – Nota Fiscal Eletrônica Federal > Configurações

 

Tela 264 – Janela para seleção do modo de operação

 

Observação: Não há hierarquia entre as alternativas de contingência, assim, a empresa pode optar por qualquer tipo disponível.

 

Vale lembrar que não é necessário preencher os links de web services ao trocar o modo de operação ou o estado em que a empresa opera, pois o Triple One é configurado para modificá-los automaticamente.

 

Tela 265 – Links se alteram automaticamente ao mudar o modo de operação ou a UF

 

Quando o modo de contingência é selecionado, o sistema assume como data e hora da contingência as informações do equipamento no qual o SAP Business One está instalado. Essas informações podem ser visualizadas no campo Hora da Contingência.

 

Tela 266 – A data e a hora da Contingência são carregadas automaticamente pelo Triple One

 

Depois de escolher qualquer modo de contingência, é obrigatório descrever o motivo da contingência no campo Justificativa e, em seguida, clicar no botão Atualizar.

 

Observação: A justificativa deve conter pelo menos 15 caracteres, caso contrário, o sistema exibe um alerta e não permite a troca do Modo de Operação.

 

Tela 267 – É necessário preencher a justificativa com pelo menos 15 caracteres

 

É possível conferir o modo de operação no campo Operação, do documento de marketing.

 

Tela 268 – Campo Operação ajuda a conferir se o modo de operação está em contingência

 

6.5.1 – Utilização – Contingência SVC AN / RS

Se a empresa optar pelo envio no modo de contingência SVC, é possível enviar a nota para a SEFAZ seguindo o mesmo processo de envio de uma nota em modo de operação normal.

 

Tela 269 – No modo de contingência SVC o botão de envio para a SEFAZ fica habilitado

 

Observação: Como a NF-e é enviada para o ambiente virtual de contingência, não é necessário enviar a nota para o ambiente normal após cessarem os problemas técnicos.

 

Observação: O menu Consultar Nota Fiscal em cenário configurado com a opção Contingência SVC-NA/SVC-RS não está disponível. Para esse caso, será apresentada uma mensagem de alerta do sistema.

 

Tela 270 – Mensagem apresentada ao tentar acessar o módulo Consultar Nota Fiscal em Modo de Contingência SVC

 

6.5.2 – Utilização – Contingência EPEC

Após a seleção do modo EPEC e a adição do documento de marketing, na aba NF-e Federal, é habilitado o botão Gerar EPEC:

 

Tela 271 – No modo de contingência EPEC, o botão Gerar EPEC é habilitado

 

Após clicar em Gerar EPEC, uma confirmação é solicitada e o envio é habilitado:

 

Tela 272 – Solicitação de confirmação do modo de contingência

 

Tela 273 – Habilitação do envio em contingência EPEC

 

Após o envio, o DANFE é habilitado para a impressão com a expressão: "DANFE impresso em contingência – EPEC regularmente recebido pela Receita Federal do Brasil":

 

Tela 274 – Habilitação para a impressão do DANFE

 

Quando os problemas técnicos cessarem, a NF-e deve ser transmitida na íntegra para a SEFAZ de origem. Portanto, o modo de operação deve ser alterado para Normal e a NF-e deve ser transmitida por meio do botão Enviar NF-e SEFAZ no documento de marketing.

 

Tela 275 – Alteração do modo de operação para Normal

 

Tela 276 – Habilitação do botão para envio do documento completo em ambiente normal

 

6.5.3 – Utilização – Contingência FS-DA

No Triple One, após o lançamento da nota em contingência FS-DA, é habilitado o botão Gerar FS-DA no documento de marketing.

 

Tela 277 – Botão é habilitado após o lançamento da nota

 

Ao clicar em Gerar FS-DA, as informações de Status da NFe e a Chave de Acesso são disponibilizados. Depois, basta clicar em Imprimir DANFE.

 

O documento é gerado com a mensagem "DANFE em contingência em decorrência de problemas técnicos".

 

Depois que os problemas técnicos forem resolvidos, é necessário reconfigurar o Triple One para o modo de operação normal e enviar imediatamente a NF-e para autorização da SEFAZ.

 

6.6 – Exportar XML e DANFE a Partir do Documento

O Triple One permite a exportação do XML e do DANFE, tanto para uma pasta local quanto diretamente para um endereço de e-mail.

Para isso, após a adição do documento de marketing no Business One, é necessário acessar a aba NF-e Federal e clicar no botão Exportar XML.

 

Tela 278 – Botão para exportar o XML e o DANFE

 

Ao clicar no botão, a janela de exportação do XML é exibida na aba Exportar para disco rígido, onde é possível exportar o XML e o DANFE para uma pasta local do computador. Basta configurar os caminhos das pastas desejadas ao clicar nos campos.

 

Tela 279 – Janela de exportação de arquivo XML e do DANFE

 

Já na aba Enviar para destinatário de email, é possível enviar o XML e o DANFE diretamente para um e-mail configurado no caminho Para.

 

Tela 280 – Janela para configuração de envio de XML e DANFE por e-mail

 

O caminho para gravação do arquivo XML temporário é configurado automaticamente pelo Triple One. Já o caminho para o DANFE, também pode ser preenchido automaticamente, porém, depende da configuração Enviar DANFE em PDF por e-mail em:

Triple One > NF-e Nota Fiscal Eletrônica Federal > Configurações > aba Danfe.

 

Tela 281 – Configuração para envio de DANFE em PDF por e-mail

 

Se configurado como Sim, então o caminho do DANFE, na exportação do XML e do DANFE, será configurado automaticamente também.

 

6.6.1 – Modelo Simplificado e Sem Assinatura Digital

Nessa opção, o arquivo XML que foi gerado pelo TRIPLE ONE, será exportado sem a assinatura do certificado digital antes da autorização do XML enviado à SEFAZ.

A empresa pode enviar o arquivo do XML para seu cliente antes do envio à SEFAZ, evitando assim que essa NF-e seja cancelada posteriormente se houver algum problema na emissão.

 

Tela 282 – Opção de exportação de XML sem Assinatura Digital

 

6.6.2 – MODELO DE DISTRIBUIÇÃO

O modelo de distribuição possui todos os dados do modelo simplificado, acrescido da informação da Autorização de Uso. Esses campos são enviados pela SEFAZ após o processamento do XML.

 

6.7 – Data de Escrituração – Operações de entrada

Como regra geral, o Triple One considera a data de lançamento para a escrituração dos documentos. No entanto, apenas para as notas de entrada, existe a possibilidade de indicar a Data Escrituração no campo de usuário do documento de marketing.

 

Tela 283 – Campo para indicar a data de escrituração caso seja diferente da data de lançamento

 

6.8 – Inutilização Individual Pelo Documento

Para realizar a inutilização pelo documento, é necessário realizar o cancelamento do documento clicando com o botão direito do mouse. Após o cancelamento é necessário preencher o campo Justificativa do documento original e em seguida em Atualizar. O botão Inutilizar NF-e SEFAZ será habilitado.

 

Tela 284 – Para realizar o Cancelamento é necessário clicar com o botão direito do mouse

 

Tela 285 – Ao preencher a Justificativa, clique no botão Atualizar para habilitar o botão Inutilizar NF-e SEFAZ

 

Tela 286 – Clique no botão Inutilizar NFe – SEFAZ para enviar a inutilização do documento para a SEFAZ

 

7 – OPERAÇÕES ESPECÍFICAS

 

7.1 – Medicamentos

Para notas fiscais de medicamentos, o XML é gerado com um grupo específico de tags. Para configurar essas informações, primeiro é necessário acessar os módulos de NCM e Preço Máximo, disponíveis no seguinte caminho de menu:

Triple One > Configurações > Medicamento

 

Tela 287 – Módulos para cadastros das informações utilizadas em notas de medicamentos

 

No módulo NCM, é necessário cadastrar os Códigos de Nomenclatura Comum do Mercosul, utilizados para medicamentos.

 

Tela 288 – Janela para cadastro de NCMs de medicamentos

 

Depois, no módulo de Preço Máximo, deve-se cadastrar o preço máximo de cada item por Estado.

 

Tela 289 – Janela de cadastro de preço máximo para cada item por UF

 

Para cadastrar os preços é necessário selecionar o Item, clicar com o botão direito na tabela e, depois, em Inserir Linha. As duas colunas serão habilitadas. A coluna UF com uma lista dos estados e a de Preço Máximo com valor zerado para ser modificado.

 

Tela 290 – Clique com o botão direito na tabela, depois, em Inserir Linha

 

Observação: O cadastro, tanto dos códigos quanto do preço máximo, é de responsabilidade do usuário.

 

A aba Medicamento é habilitada na janela de Dados do cadastro do item, ao selecionar um item cujo código do NCM foi cadastrado anteriormente em:

Triple One > Configurações > Medicamento > NCM

 

Tela 291 – Aba Medicamento habilitada no cadastro do item

 

Nessa aba, é possível verificar o Preço Máximo cadastrado por UF e, informar o Tipo de Referência da Base de Cálculo ICMS e o Tipo do Produto.

 

Tela 292 – Informações a serem configuradas na aba Medicamento

 

Observação: As informações da aba Medicamento também são consideradas na geração do arquivo EFD – Fiscal.

 

Os medicamentos são obrigatoriamente controlados por lotes. Dessa forma, no cadastro do item, o campo Administrar item por deve estar configurado como Lote.

 

Tela 293 – Configuração para administrar item por Lote

 

Na emissão da nota fiscal um lote deve ser selecionado. São consideradas as informações de número do Lote e a Data de vencimento gravadas em Detalhes de lote, disponível no seguinte caminho de menu:

Estoque > Administração de itens > Lotes > Detalhes de lote

 

Tela 294 – Detalhes de Lote

 

7.1.1 – Código de Produto da Anvisa

Foi criado o campo de usuário Código de Produto da ANVISA no cadastro do item para medicamentos e matérias-primas farmacêuticas. A informação inserida nesse campo é carregada para a tag <cProdANVISA>.

 

Tela 295 – Campo para inserção do Código de Produto da ANVISA

 

7.1.2 – Motivo de Isenção da ANVISA

Se a empresa informa o grupo de Detalhamento Específico de Medicamento e de matérias-primas farmacêuticas e possui isenção da ANVISA, deve preencher o campo de usuário Motivo de Isenção da ANVISA, no Cadastro do Item com o número da decisão que o isenta.

 

Tela 296 – Campo de Usuário Motivo de Isenção da ANVISA

 

Observação: se a empresa possuir isenção da ANVISA, o campo Código de Produto da ANVISA deve ser preenchido com a palavra ISENTO.

 

7.2 – Veículos

Para a geração das informações adicionais, exigidas nas operações de veículos, primeiro, o sistema verifica se o CNAE cadastrado para a empresa, de acordo com as orientações do tópico 3.4.1, inicia com 4511 ou 4512. Caso não seja, o sistema verifica se a opção Realiza operações com veículos automotores na tela de Configurações Adicionais do Triple One está selecionada.

 

Tela 297 – Opção Realiza operações com veículos automotores

 

Além disso, no cadastro do item, o campo Administrar item por deve estar configurado como Nº de série.

 

Tela 298 – Configuração para a administração do item por Número de série

 

Com esta configuração, no documento de marketing de entrada, após preencher as informações e definir uma quantidade, a tabela Nºs de série criados é habilitada na janela Nºs de série – definição, disponível ao clicar com o botão direito no campo Quantidade.

 

Tela 299 – Acesso à janela de cadastro de informações de veículos

 

Ao acessar a janela, preencha as informações da tabela Nºs de série criados, e clique em Atualizar.

 

Tela 300 – Preencha as informações e clique em Atualizar

 

Observação: o preenchimento destas informações é essencial para a geração do registro C175 da EFD-Fiscal.

 

Além disso, para a correta emissão de notas de venda, na janela Detalhes de nº de série, também é necessário preencher as informações para os números de série criados na operação de entrada. Essa janela é acessível pelo seguinte caminho de menu:

Estoque > Administração de itens > Número de série do item > Detalhes de nº de série

 

Tela 301 – Acesso à janela de Detalhes de nº de série

 

Tela 302 – Informações de detalhes do número de série

 

Observação: Os campos próprios do add-on, nomeados com o prefixo SKILL, devem ser utilizados apenas para as operações com veículos.

 

7.2.1 – Veículos – Venda Direta ao Consumidor – Convênio Confaz 51/2000

Para o cenário especifico de venda direta ao consumidor previsto no Convênio Confaz 51/2000, também são necessários os seguintes passos:

 

A) A concessionária deve estar cadastrada como parceiro de negócio e o endereço de entrega deve estar cadastrado com o código atribuído a ela. Segue um exemplo abaixo:

 

Tela 303 – Cadastro da concessionária como PN

 

B) No cadastro do adquirente do veículo, deverá ser inserido o código da concessionária cadastrada.

 

Tela 304 – Utilize o código da concessionária cadastrada

 

C) Na emissão da NF-e, o código do parceiro de negócio da concessionária deve ser indicado no campo de usuário Local de entrega NF-e:

 

Tela 305 – No campo Local de entrega NFe, Utilize o código da concessionária cadastrada anteriormente

 

7.2.2 – Abertura Grupo ICMSPart

Para realizar a abertura do grupo ICMSPart no XML da NF-e, também é necessário realizar a configuração dos campos Código de imposto e CST para ICMS do documento de marketing, e dos campos de usuário Consumidor Final, Indicador de Presença e Finalidade da NF-e/NFC-e.

 

Tela 306 – Exemplo de preenchimento para realizar a abertura do grupo ICMSPart

 

Após realizar o preenchimento dos campos, deve-se acessar as abas Imposto e NF-e Federal, onde será preciso configurar os campos Código de Estado e Local da Entrega, das respectivas abas, para que corresponda com as informações cadastrada no cadastro do PN.

 

Tela 307 – Preenchimento do campo Código do estado, da aba Imposto

 

Tela 308 – Preenchimento do campo Local de entrega, da aba NF-e Federal

 

Tela 309 – Informações do cadastro do PN

 

Tendo feito o cadastro das informações, será necessário acessar a tela Detalhes de nº de série e realizar o preenchimento dos campos Nº de série e Skill – Tipo de Operação, onde este último deverá ser preenchido com a opção 1.

 

Tela 310 – Campos cadastrados com as informações necessárias para a geração do grupo ICMSPart

 

Ao gerar o XML da NF-e, nota-se que o grupo ICMSPart é apresentado.

 

Tela 311 – Grupo ICMSPart

 

Observação: Lembramos que o CNAE da empresa deve iniciar com 4511 ou 4512, ou a opção Realiza operações com veículos automotores na tela de Configurações Adicionais do Triple One deve estar selecionada para a abertura do grupo <ICMSPart> no XML da NF-e.

 

7.3 – Combustível

Para inserir as informações exigidas para as operações com combustível na NF-e, é necessário acessar o documento de marketing, já inserido no SAP Business One, e clicar no botão Inf. Adic. Itens, depois, clicar na aba Combustível.

 

Tela 312 – Acesso à janela para inserção das informações referentes às operações com combustível

 

Para finalizar, preencha as informações dos itens e clique em Atualizar.

 

Observação: Os campos Código ANP e Descrição ANP são preenchidos automaticamente se o campo Combustível da aba Dados de Compra do Cadastro do Item estiver preenchido. Se o campo Código ANP for alterado manualmente, o campo Descrição ANP será atualizado de forma automática, ao clicar na tecla TAB.

 

Tela 313 – Classificação do código ANP no Cadastro do Item

 

Caso a empresa possua operações com combustíveis que exijam o preenchimento do Grupo de Repasse do ICMS-ST, deve-se preencher as devidas informações na aba Geral das Informações Adicionais dos Itens.

 

Tela 314 – Campos a serem preenchidos para informar à Alíquota suportada pelo Consumidor Final e o Valor do ICMS próprio do Substituto

 

Tela 315 – Campos as serem preenchidos para informar os dados referentes ao Fundo de Combate à Pobreza (FCP) retido anteriormente por ST

 

Tela 316 – Campos as serem preenchidos para informar os dados referentes ao ICMS Efetivo

 

7.4 – Papel Imune Nacional (RECOPI)

A informação do número do RECOPI – Registro e Controle das operações com Papel Imune é obrigatória nas operações com papel imune. Para informá-lo, foi criado o campo No. RECOPI no documento de marketing.

 

Tela 317 – Número do RECOPI é informado no documento de marketing

 

7.5 – Código NVE

O código NVE – Nomenclatura de Valor Aduaneiro e Estatística é opcional e pode ser preenchido no documento de marketing apenas para os itens que tiverem essa informação:

 

Tela 318 – Codificação NVE pode ser informado por item

 

Observação: mais detalhes sobre a definição e codificação da NVE podem ser obtidos no Anexo X.03 da Nota Técnica 05/2013.

 

7.6 – Nota Fiscal Complementar

Para a emissão de nota complementar de imposto, uma das utilizações abaixo deve ser selecionada:

  • Complemento de ICMS;
  • Complemento de IPI;
  • Complemento ICMS-ST;
  • Nota Complementar (utilizada para mais de um imposto).

 

Além disso, a configuração Só imposto deve estar marcada e a finalidade de emissão deve ser 2 – Complementar.

 

Tela 319 – Configurações para a emissão de nota de complemento de imposto

 

Dessa forma, apenas os valores dos impostos, calculados de acordo com o código de imposto selecionado, serão informados na NF-e.

 

Tela 320 – Exemplo XML de complemento de imposto

 

A utilização que contenha a expressão Complement só deve ser utilizada para o complemento de impostos. Portanto, para qualquer outro tipo de complemento (exemplo: preço, despesas), não deve ser utilizada a expressão Complement na configuração da Utilização.

 

Para informar a utilização de notas complementares, é possível utilizar tanto o campo de usuário configurado de acordo com o tópico 4.4.7, como o Uso Principal quanto a coluna de Utilização do documento de marketing. O add-on dará prioridade de acordo com a sequência: campo configurado, Uso Principal e Utilização. No entanto, para a correta escrituração nas obrigações acessórias, sugerimos que não haja divergência de informação entre esses campos.

 

Observação: para as notas complementares, seja de imposto, preço ou despesa é obrigatório indicar quais são as notas fiscais de origem, ou seja, as notas que estão sendo complementadas. Para isso, é necessário referenciar o documento de origem conforme Tópico 6.1.13.

 

7.7 – Importação

Nas operações de importação algumas informações são obrigatórias:

  • Número do ato concessório de Drawback. Referente à tag <nDraw>;
  • Valor do Adicional ao Frete para Renovação da Marinha Mercante (AFRMM), no caso de importação por via de transporte marítima Referente à tag <vAFRMM>;
  • CNPJ do adquirente ou encomendante, exceto para importação por conta própria. Referente à tag <CNPJ>;
  • UF do adquirente ou encomendante, exceto para importação por conta própria. Referente à tag <UFTerceiro>.

 

Para atender a essas exigências, é necessário preencher as informações na tabela de Dados da DI no documento de marketing.

 

Tela 321 – Acesso à tabela para inserção das informações de importação

 

Tela 322 – Com a tabela aberta, basta informar os dados nas linhas correspondentes aos itens

 

Observações:

  • A tabela Dados da DI só é habilitada quando o CFOP iniciar com 3 e a nota fiscal for de emissão própria;
  • O valor da AFRMM só deve ser preenchido quando a Via Transporte for Marítima;
  • Se os dados da declaração de importação forem os mesmos para todos os itens, por meio do botão Preenchimento Automático, as informações podem ser repetidas para todas as linhas;
  • As informações referentes às adições devem ser inseridas através do botão Adições;
  • O campo de usuário para informar o número do ato concessório de Drawback já existia no Triple One, entretanto, a informação era destinada apenas à escrituração no SPED, uma vez que o XML da NF-e ainda não dispunha de uma tag específica para este preenchimento.

 

Segue um exemplo de como as informações preenchidas na tabela são geradas no XML da NF-e:

 

Tela 323 – Dados inseridos na tabela de DI

 

Tela 324 – Tags preenchidas com as informações inseridas no Triple One

 

Para os dados da DI ou os dados referentes às adições, existe a possibilidade de importar as informações a partir de arquivo modelo no formato Excel ou CSV. Na janela Dados da Declaração de Importação, o usuário pode clicar nos botões Modelo CSV ou Modelo Excel, para escolher o tipo de arquivo:

 

Tela 325 – Clique no botão Modelo Excel para a exibição da planilha em formato Excel

 

Tela 326 – Clique no botão Modelo CSV para a exibição da planilha em formato CSV

 

Para a planilha de adições, os itens dos documentos de marketing são automaticamente transportados para a planilha modelo, cabendo ao usuário apenas o preenchimento das colunas Num_Adicao, Sequencia e Desconto. As demais informações, DI, #, Codigo_do_Item e LineNum, não devem ser modificadas, pois causarão erro na importação.

 

Tela 327 – Planilha Modelo de Importação de Adições

 

Observação: Os números de adições de cada produto constam na própria DI – Declaração de Importação. O campo Num_Adicao corresponde ao número sequencial da adição dentro da declaração de importação. Já o campo Sequencia corresponde ao número sequencial do item (mercadoria) dentro da adição.

 

A planilha preenchida é salva na Pasta de Ampliações, configurada em Configurações Gerais do SAP Business One.

Em seguida, clique na seta do botão Importar Adições para importar o arquivo salvo:

 

Tela 328 – Clique em Importar Adições para escolher o arquivo modelo com extensão em Excel

 

Tela 329 – Clique em Importar Adições para escolher o arquivo modelo com extensão em CSV

 

Então, basta selecionar a planilha correspondente, os dados serão importados na janela de Dados da Declaração de Importação.

 

Observação: Para esse processo de arquivo com formato em Excel, é necessário ter o programa instalado e na mesma versão (32 ou 64 bits) do Triple One.

 

7.7.1 – Data de Escrituração

Como regra geral, o Triple One considera a data de lançamento para a escrituração dos documentos. No entanto, existe a possibilidade de indicar a Data Escrituração no campo de usuário do documento de marketing.

 

Tela 330 – Campo para indicar a data de escrituração caso seja diferente da data de lançamento

 

Observação: Se este campo estiver preenchido, é essa data que será considerada para a escrituração do documento. Caso contrário, será considerada a Data de lançamento do documento de marketing.

 

7.7.2 – COFINS Majorada na Importação

No caso de tributação na importação pela alíquota majorada da COFINS, o código de imposto deve ser configurado com a inclusão da alíquota majorada. Para isso, é necessário criar uma categoria de imposto especificamente como COFINS_MAJORADO.

 

A) Acesse a janela de configuração de categoria de imposto, disponível no seguinte caminho de menu:

Administração > Configuração > Finanças > Imposto > Categoria de imposto

 

Tela 331 – Acesso à janela de configuração da categoria de imposto

 

B) Com a janela aberta, basta clicar na última linha, inserir a categoria COFINS_MAJORADO e clicar no botão Atualizar.

 

Tela 332 – Criação da categoria COFINS-MAJORADO

 

C) Na configuração de Tipos de imposto, a categoria criada anteriormente deve ser vinculada.

Administração > Configuração > Finanças > Imposto > Tipos de imposto

 

Tela 333 – Vínculo da categoria de imposto com o nome do tipo de imposto

 

D) Depois, na janela de Combinação de impostos, deve-se utilizar o Tipo de imposto COFINS_MAJORADO e o Tipo de imposto COFINS.

Administração > Configuração > Finanças > Imposto > Configurar regra de imposto > Combinação de impostos

 

Tela 334 – Combinação de imposto com os tipos referentes à COFINS

 

E) Complete as informações e clique em Atualizar.

 

F) Para finalizar, na configuração do Código de imposto, basta utilizar a combinação criada.

 

Tela 335 – Utilização da combinação de imposto criada

 

7.8 – Exportação

Para as exportações, algumas informações também são obrigatórias para a correta geração do XML. Todas as informações devem ser preenchidas na tabela Dados da Exportação, no documento de marketing.

 

Tela 336 – Acesso à tabela para inserção das informações de exportação

 

Tela 337 – Com a tabela aberta, basta informar os dados nas linhas correspondentes aos itens

 

Observações:

  • No campo Local de Despacho, deve ser informado o recinto alfandegado ou o local onde foi efetivado o despacho para a exportação, conforme padronização da RFB;
  • Nas exportações indiretas devem ser informados: o número do registro de exportação, a chave de acesso da NF-e recebida para exportação e a quantidade do item realmente exportado. É possível referenciar mais de um documento por item. É possível ainda referenciar documentos inseridos no SAP e documentos que não estão na base de dados.

 

Tela 338 – Tela para referenciar notas nas exportações indiretas

 

Também é possível importar dados a partir de arquivo XLS. Ao clicar no botão Salvar Modelo, o sistema pede a indicação de uma pasta local na qual será gerado o arquivo XLS.

 

Tela 339 – Botões para uso da funcionalidade de importar dados de arquivo XLS

 

O arquivo gerado tem três abas. Na aba Dados_exportação, devem ser inseridas as informações de Código do Item, Nr. Drawback e Nr. Registro de Exportação. Na aba Ref_SAP são inseridas as informações de notas referenciadas já adicionadas no SAP e na aba Ref_Externa, devem ser inseridas as informações de notas referenciadas que não estão inseridas na base.

 

Tela 340 – O arquivo contém 3 abas para preencher os dados de exportação e de notas referenciadas

 

Para preenchimento de notas referenciadas, nas abas Ref_SAP e Ref_Externa, é necessário preencher a primeira coluna (#) para fazer a associação entre as linhas com a primeira aba.

 

Tela 341 – Exemplo de inserção de notas referenciadas externas para os dados de exportação das linhas 1 e 3

 

Observação: Os nomes das abas e das colunas não devem ser renomeados.

 

 Acrescente as informações e salve o arquivo. Depois, basta clicar no botão Importar Dados. O sistema pedirá para indicar o arquivo a ser importado.

 

7.9 – Nota Conjugada (Material e Serviço) ou Apenas Serviço

A emissão de NF-e para itens do tipo serviço deve ser realizada da mesma forma que para itens do tipo material. No entanto, para as particularidades, os tópicos abaixo devem ser observados:

 

  • Valor de dedução para redução da Base de Cálculo (tag <vDeducao>)

Para informar o valor da dedução no XML, é necessário efetuar o destaque do valor da dedução na opção Valor da dedução, criado pelo Triple One.

Observe que, na tela do Parâmetro do imposto, o valor de retorno com nome Valor da dedução aparece para configuração.

A janela para configuração da regra de imposto fica no seguinte caminho de menu:

Administração > Finanças > Imposto > Configurar regra de imposto

 

Tela 342 – Valor da dedução fica disponível para configuração

 

Após a configuração do imposto utilizando este valor de retorno, o valor que for gravado neste campo será carregado para o XML:

 

Tela 343 – Valor da dedução, definido no Valor do Imposto, é carregado ao XML

 

Veja como o XML é gerado:

 

Tela 344 – Exemplo de XML com a tag <vDeducao>

 

  • Valor outras retenções (tag: <vOutro>)

 

Nessa tag é apresentado o total dos tributos retidos para o item, exceto o ISS.

 

Tela 345 – Exemplo dos valores que são considerados na tag <vOutro>

 

Veja como o XML é gerado:

 

Tela 346 – Exemplo de XML gerado com a tag <vOutro>

 

Observação: Se existir despesas adicionais para o item de serviço, o valor também será carregado na tag <vOutro>. Para isso, é necessário que o código de imposto da despesa adicional contenha o imposto ISS.

 

Para as notas emitidas por empresas localizadas no Distrito Federal, no caso de retenção de tributos, as informações de retenções serão automaticamente levadas para o campo Informações Complementares do DANFE.

           

  • Valor retenção ISS (tag: <vISSRet>)

 

Nessa tag é apresentado o valor do ISS retido para o item:

 

Tela 347 – Ainda no mesmo exemplo, o valor retido de ISS

 

Veja como o XML é gerado:

 

Tela 348 – Exemplo de XML gerado com a tag <vISSRet>

 

  • Indicador da exigibilidade do ISS (tag: <indISS>)

 

Deve ser selecionado no documento de marketing, em Campos definidos pelo usuário.

 

Tela 349 – Opção de configuração do indicador de exigibilidade do ISS

 

Veja como o XML é gerado:

 

Tela 350 – Exemplo de XML gerado com a tag <indISS>

 

  • Código do serviço prestado dentro do município (tag: <cServico>)

 

Essa tag será preenchida com o conteúdo do campo Código Municipal do Serviço, disponível em Campos definidos pelo usuário, na janela de cadastro do item.

 

Tela 351 – Veja o campo para informação do Código Municipal de Serviço

 

Veja como o XML é gerado:

 

Tela 352 – Exemplo de XML com a tag <cServico>

 

  • Código do Município de incidência do imposto (tag: <cMun>)

 

Essa tag é preenchida com o código IBGE do município selecionado no campo Código do município, que fica na aba Imposto do Documento de marketing.

 

Tela 353 – Código do município aponta para o código do IBGE

 

Veja como o XML é gerado:

 

Tela 354 – Exemplo de XML com a tag <cMun>

 

  • Código do País onde o serviço foi prestado (tag: <cPais>)

 

Essa tag é preenchida com o código do país cadastrado para o Parceiro de Negócio de acordo com a tabela do BACEN somente para prestação de serviço para o exterior.

 

  • Número do processo judicial ou administrativo de suspensão da exigibilidade (tag: <nProcesso>).

 

Essa informação deve ser preenchida no campo Número do Processo Judicial, criado no documento de marketing.

 

Tela 355 – Campo para a inserção de Número do Processo Judicial

 

Veja como o XML é gerado:

 

Tela 356 – Exemplo de XML gerado com atag <nProcesso>

 

Observação: Informar somente quando declarada a suspensão da exigibilidade do ISS conforme item D deste tópico.

 

  • Indicador de incentivo Fiscal (tag: <indIncentivo>)

 

Essa informação deve ser preenchida no campo Incentivo Fiscal, criado no documento de marketing.

 

Tela 357 – Campo para informação de Incentivo Fiscal

 

Veja como o XML é gerado:

 

Tela 358 – Exemplo de XML com a tag <indIncentivo>

 

  • Data da prestação do serviço (tag: <dCompet>)

 

Essa tag é preenchida com a informação gravada no campo Data da aquisição/prestação, disponível em Campos definidos pelo usuário, do documento de marketing.

 

Tela 359 – Campo para inserção da Data da aquisição/prestação

 

Veja como o XML é gerado:

 

Tela 360 – Exemplo de XML com a tag <dCompet>

 

  • Código do Regime Especial de Tributação (tag: <cRegTrib>)

 

Essa tag é preenchida com a informação gravada no campo Regime Especial de Tributação, na janela de Configurações Adicionais, na aba Geral. Disponível no seguinte caminho de menu:

Triple One > Configurações > Configurações Adicionais

 

Tela 361 – Campo para a configuração da informação de Regime Especial de Tributação

 

Veja como o XML é gerado:

 

Tela 362 – Exemplo de XML com a tag <cRegTrib>

           

7.10 – Operações Com Redução de Base de Cálculo

Nas operações com redução de base de cálculo, para o preenchimento da tag pRedBC e a correta emissão da NF-e, é necessário utilizar o atributo de configuração Redução do ICMS e o valor de retorno Isentas, em seguida crie um tipo de imposto que deve ser atrelado a categoria ICMS e vinculado ao parâmetro criado ao imposto:

 

Tela 363 – Exemplo de parâmetro de imposto com o atributo Redução do ICMS

 

Tela 364 – Atributo para o código de imposto

 

Ao configurar os atributos do tipo de imposto, o percentual da redução deverá ser informado no campo Reduçao do ICMS. Além disso, o campo Base Isenta também será configurado com o mesmo percentual. No exemplo abaixo, a base isenta e a redução do ICMS estão sendo configurados com 80%:

 

Tela 365 – Exemplo de configuração dos atributos do tipo de imposto

 

Ao inserir o documento de marketing no SAP Business One, clique na seta amarela da coluna Valor do Imposto (MC) e visualize o valor destacado na coluna Isentas referente ao tipo de imposto criado para o ICMS com base reduzida, pois este valor será escriturado como base reduzida nas obrigações.

 

Tela 366 – Exemplo de imposto criado para o ICMS com base reduzida

 

7.11 – Operações Com Diferimento

Para notas com diferimento, existem tags opcionais para demonstrar o valor do ICMS que seria devido na operação, o percentual e o valor do ICMS diferido. Para atender a geração dessas tags, sugerimos algumas opções para a configuração do código de imposto no SAP Business One.

 

A) Valores de retorno criados pelo Triple One.

Na instalação do Triple One são criados na tela de Parâmetro do Imposto, três valores de retorno:

  • Diferença de Base de Cálculo;
  • Valor do diferimento;
  • Imposto Apoio.

 

Esses valores de retorno deverão ser incluídos no parâmetro do imposto que será configurado para a operação de diferimento de ICMS.

 

Tela 367 – Configuração dos valores de retorno para a operação de diferimento de ICMS

 

B) Configuração do Tipo de imposto.

É necessário criar um novo tipo de imposto, utilizando um nome a critério do cliente, obrigatoriamente configurado com a categoria "ICMS", padrão do SAP Business One. Para esse tipo de imposto, deve ser atribuído o parâmetro que contempla os três valores de retorno criados pelo Triple One.

 

Tela 368 – Configuração do tipo de imposto

 

C) Atributos de Tipo de impostos

Também é necessário criar os cenários de diferimento utilizando a configuração de atributos de impostos do SAP Business One.  Abaixo, segue um exemplo utilizando a alíquota de 18% e diferimento de 33,33% de ICMS.

 

Tela 369 – Exemplo de configuração do ICMSDif com alíquota de 18% e diferimento de 33,33%

 

D) Fórmula do imposto

A fórmula de imposto deve ser criada para atender o retorno de todos os parâmetros do ICMS com diferimento. Veja abaixo os três novos parâmetros adicionados na fórmula como variáveis de saída (retorno) para o SAP Business One.

 

Tela 370 – Exemplo de fórmula de imposto

 

Observação: Vale lembrar que os valores de retorno indicados neste manual devem constar da fórmula do imposto. Cada consultoria deve implementar a fórmula que melhor atenda aos cenários específicos de cada cliente.

 

E) Combinação de impostos

É necessário ainda criar uma nova combinação de impostos, relacionando o Tipo de Imposto com a nova fórmula.

 

Tela 371 – Janela para configuração de combinação de imposto

 

F) Código de imposto

Para finalizar, deve-se criar um novo código de imposto, relacionando a nova combinação de imposto.

 

Tela 372 – Janela para criação do novo código de imposto

 

Após inserir o documento de marketing, serão gravados no SAP Business One, na coluna Valor Imposto (MC), os valores que o Triple One utilizará para compor o XML da NF-e.

 

Tela 373 – Campo valor do imposto (MC) é preenchido conforme a distribuição do valor de imposto

 

Sendo assim, os campos destacados na distribuição do valor do imposto irão alimentar as seguintes tags do grupo do CST 51 no XML:

 

 

Veja como o XML é gerado:

 

Tela 374 – Exemplo de XML com o detalhamento da distribuição do imposto

 

Observação: Caso uma das tags <pRedBC>, <vBC>, <pICMS>, <vICMS> ou <pDif> tenha valor maior que zero, então, o XML será gerado com todas as tags. Caso contrário, apenas as tags <orig> e <CST> serão carregadas no XML.

 

7.12 – Operações com Desoneração do ICMS

 

7.12.1 – Configuração Imposto Desonerado – SAP Business One

A partir da versão 9.2 PL 04 do SAP Business One, para a emissão de nota com desoneração de ICMS, as seguintes configurações devem ser observadas na criação do código de imposto:

 

  • utilização da categoria de imposto ICMS:

 

Tela 375 – Categoria de imposto = ICMS

 

  • Seleção da opção Imposto desonerado, nativo do SAP, na configuração dos atributos do ICMS:

 

Tela 376 – Configuração para códigos ICMS em cenários com desoneração de imposto

 

  • Exemplo de cálculo do ICMS na fórmula do imposto utilizando a base isenta ou outras:

 

Tela 377 – Exemplo de ICMS calculado utilizando a base Isentas

 

Observação: Lembramos que o cálculo do valor da base Outras ou Isentas deverá ser validado com a equipe fiscal/contábil da empresa, pois será escriturado nas obrigações acessórias.

 

Dessa forma, o imposto calculado pelo Código de Imposto criado já é abatido do total da nota e considerado como desconto referente à desoneração na tag <vICMSDeson> do XML.

 

Tela 378 – Exemplo de documento no qual o valor do ICMS já é abatido do total da nota

 

Tela 379 – Exemplo de XML com ICMS desonerado

 

No documento de marketing, o campo Motivo desoneração deve ser preenchido com uma das opções apresentadas.

 

Tela 380 – Campo Motivo desoneração deve ser preenchido

 

Observação: se o motivo da desoneração for igual a 7-Suframa, obrigatoriamente a inscrição do destinatário na Suframa deve estar preenchida no campo correspondente SUFRAMA, disponível na janela de Identif.fiscais:

 

Tela 381 – Campo para informar a inscrição na Suframa

 

Observação: as configurações de atributos e parâmetros de imposto informadas no tópico 7.12.3 não devem ser realizadas, caso o usuário opte pela utilização da configuração do campo Imposto Desonerado do SAP Business One conforme demonstrado acima.

 

Observação: A tag <ISUF> será gerada sempre que o campo SUFRAMA estiver preenchido na tela de Cadastro de Parceiro de Negócios, independentemente dos valores apresentados nas tags de ICMS desonerado ou motivo da desoneração na nota.

 

7.12.2 – ICMS Desonerado – Sem abatimento do Total da Nota

Para realizar a emissão de uma NF-e, sem o abatimento do ICMS Desonerado no valor total da Nota, as seguintes configurações devem ser realizadas:

 

  • No Parâmetro de Imposto, deverá ser incluído o valor de retorno Valor de ICMS Desonerado (ValDes).

 

Tela 382 – Valor de Retorno: Valor de ICMS Desonerado

 

Observação: Não deve ser incluído o atributo Percentual de desoneração (PerDes) no parâmetro.

 

Caso seja utilizado um CST para ICMS que permita a indicação de um percentual de redução, para que este percentual seja destacado em tag específica no XML da NF-e, deverá ser incluído, no Parâmetro de Imposto relacionado ao ICMS, o atributo Redução do ICMS (ReduICMS).

 

Tela 383 – Parâmetro Redução do ICMS

 

  • Não selecionar a opção Imposto Desonerado Nativa do SAP.

 

Tela 384 – Campo Imposto desonerado não deve ser selecionado

 

Após a realização das configurações dos parâmetros do imposto, crie apenas um tipo de imposto para o ICMS, configurando o percentual de Base de Cálculo e o percentual da base Isenta. É importante que no caso de redução, o percentual configurado para a base Isenta seja o mesmo informado no atributo Redução do ICMS.

 

Tela 385 – Exemplo de configuração do percentual de bases

 

Ao criar a Fórmula de Imposto é necessário que os Valores de Retorno Valor de ICMS Desonerado (ValDes) e TaxAmt (Imposto) recebam o valor do ICMS desonerado e do ICMS tributado, respectivamente.

 

Tela 386 – Exemplo de fórmula de imposto

 

Por fim, no documento de marketing, é necessário preencher o campo Motivo desoneração na linha do item.

           

Tela 387 – Campo Motivo desoneração no documento de marketing

 

7.12.3 – Configuração de Código de Imposto – Triple One

Em versões anteriores à 9.2 PL 4 do SAP B1 para informar o valor do ICMS desonerado foi criado no Triple One o valor de retorno ValDes, que será utilizado para o preenchimento da tag <vICMSDeson>.

 

Tela 388 – Valor de retorno para o ICMS desonerado

 

Além disso, é obrigatório configurar o parâmetro do imposto com o atributo Percentual de Desoneração.

 

Tela 389 – Parâmetro de imposto configurado com o Percentual de Desoneração e com o Valor de ICMS Desonerado

 

Tela 390 – Exemplo de definição da distribuição do valor de imposto

 

Na emissão da nota fiscal, o percentual correspondente ao desconto referente ao ICMS Desonerado deve ser inserido no campo % do desconto, na linha do item. Além disso, o motivo da desoneração também deve ser inserido no documento de marketing no campo Motivo Desoneração, na linha do mesmo item.

 

No exemplo, a desoneração do ICMS equivale a 7% e foi selecionado o motivo SUFRAMA.

 

Tela 391 – No exemplo foi informado 7% no valor do desconto

 

Observe que no XML, o valor do produto aparece bruto, ou seja, sem o valor do desconto referente à desoneração e, o ICMS desonerado aparece em tag própria:

 

Tela 392 – XML do exemplo configurado anteriormente com o valor de 7% de desconto

 

No grupo de totais do XML, observe que o valor total da nota (930,00) corresponde ao valor do produto subtraído do valor do ICMS desonerado:

 

Tela 393 – O valor final da nota, com o valor subtraído é detalhado no grupo <total> no XML

 

Caso exista no mesmo documento, ICMS desonerado e desconto concedido na linha do mesmo item, ou seja, desconto sem destaque na nota, deve-se efetuar o cálculo considerando o desconto sobre desconto no código de imposto.

 

No exemplo, se for concedido o desconto de 20% na linha do item e a operação possuir 7% de desoneração do ICMS, o desconto efetivo será de 25,6%:

 

(1-(1-20%)*(1-7%))*100 = 25,60%

 

Observe o exemplo abaixo:

 

Tela 394 – Porcentagem do desconto de 20% já calculado sobre os 7% de desoneração

 

Na emissão do XML, o sistema apresenta o valor já liquido do produto e o ICMS desonerado calculado sobre esse valor:

 

Tela 395 – Exemplo do XML gerado com o valor da desoneração

 

Tela 396 – Exemplo de XML com o valor final já calculado da nota

 

Se a empresa possuir ainda o desconto comercial, inserido no rodapé do documento de marketing, o código do imposto precisa refletir essa situação, ou seja, deve-se considerar esse desconto na base de cálculo do ICMS desonerado para que as tags do XML sejam preenchidas corretamente. Veja no exemplo abaixo como ficam os valores no SAP e no XML:

 

Tela 397 – Exemplo de 10% de desconto comercial, adicionado aos 7% de desoneração

 

Tela 398 – Exemplo de XML considerando o desconto comercial de 10% e desoneração de 7%

 

Tela 399 – Exemplo de XML com valor final da nota calculada com os dois tipos de desconto

 

Observação: O valor do ICMS Desonerado será automaticamente impresso no campo Informações Complementares do DANFE.

 

Quando o motivo da desoneração for igual a 7-Suframa, obrigatoriamente a inscrição do destinatário na Suframa deve estar preenchida no campo correspondente SUFRAMA, disponível na janela de Identif.fiscais:

 

Tela 400 – Campo para informar a inscrição na Suframa

 

Observação: as configurações de atributos e parâmetros de imposto informadas neste tópico não devem ser realizadas, caso o usuário opte pela utilização da configuração do campo Imposto Desonerado do SAP Business One conforme Tópico 7.12.1.

 

7.12.4 – Operações com Desoneração Parcial

Em operações com desoneração parcial do ICMS, ou seja, parte da base tributada e parte desonerada, devem ser criadas duas linhas para o ICMS no código do imposto.

Uma das linhas deve utilizar a configuração de Imposto Desonerado conforme orientações do Tópico 7.12.1. A outra linha deve ser configurada com Base Tributada.

Segue um exemplo:

 

Tela 401 – Exemplo de desoneração parcial

 

Observe como os valores são apresentados no XML:

 

Tela 402 – Exemplo de XML com desoneração parcial

 

7.13 – Operações Interestaduais Com Não Contribuinte do ICMS (Diferencial de Alíquota – DIFAL)

Para as empresas que têm operações interestaduais com não contribuintes do ICMS, os códigos de impostos precisam ser criados considerando as orientações seguintes:

 

A) Foram criados atributos de entrada: AliqDest e IntPart.

 

Tela 403 – Atributos criados para atender empresas com operações interestaduais com não contribuintes

 

O percentual de partilha deverá ser informado no atributo IntPart, de acordo com as regras fiscais estabelecidas. A fórmula do imposto deve considerar esses atributos.

 

B) Devem ser criadas novas categorias de imposto: FCP, ICMSDest e ICMSRemet.

 

Tela 404 – Categorias de imposto criadas para atender empresas com operações interestaduais com não contribuintes

 

Para cada categoria nova, devem ser criados os Parâmetros de Imposto de acordo com a necessidade de cada cálculo. O código de imposto deve ser elaborado considerando essas novas categorias de impostos, conforme exemplo a seguir:

 

Tela 405 – Exemplo de configuração de parâmetros de imposto

 

Observação: o FCP – Fundo de Combate à Pobreza criado é o do Estado de Destino.

 

C) Os valores serão automaticamente carregados para as tags respectivas, obedecendo à seguinte tabela:

 

Tela 406 – Tabela de tags criadas na NT 03/2015 e suas descrições

 

Observação: Em operações com não contribuintes (indIEDest = 9 ou idDest = 2), a tag <IEST>, referente à Inscrição Estadual de Contribuinte Substituto, somente será gerada quando houver retenção do ICMS ST para UF de destino. A IE do ST deve estar cadastrada no campo Inscrição Estadual, da aba Contribuinte Substituto, nas Configurações Adicionais.

 

D) No DANFE, as informações também serão carregadas automaticamente para o campo Informações Complementares, conforme determinado pela Nota Técnica 03/2015.

 

E) Para as empresas que optam por informar o valor total dos tributos (tag <vTotTrib>), de acordo com os impostos calculados no documento de marketing, esses novos valores de ICMS também serão somados automaticamente.

 

Para facilitar a compreensão, demonstramos a seguir exemplos de fórmulas de imposto para o cálculo dos valores das tags vICMSUFDest, vICMSUFRemet e vFCPUFDest.

 

  • ICMS do destinatário – vICMSUFDest:

 

Tela 407 – Exemplo de fórmula para o ICMS do Destinatário

 

Tela 408 – Exemplo das informações de vICMSUFDest no XML

 

  • ICMS do remetente – vICMSUFRemet:

 

Tela 409 – Exemplo de fórmula para o ICMS do Remetente

 

Tela 410 – Exemplo das informações de vICMSUFRemet no XML

 

  • FCP (Fundo de Combate à Pobreza) do Estado de destino – vFCPUFDest:

 

A base de cálculo do FCP da UF de destino passou a ser exigida e, para esse cenário, é necessário utilizar o parâmetro BaseAmt.

 

Tela 411 – Tabela de relacionamento entre as tags e os parâmetros de imposto do SAP B1 – FCP Difal

 

Tela 412 – Exemplo de configuração de imposto – FCP

 

Tela 413 – Exemplo de preenchimento das tags – FCP UF Destino

 

Observação: Lembramos que as fórmulas demonstradas acima não passam de exemplos elaborados apenas para elucidar as alterações no cálculo do ICMS. A manutenção nos códigos de impostos, bem como, a criação das fórmulas dos impostos são de responsabilidade das consultorias e devem obrigatoriamente ser validadas com o responsável fiscal da empresa.

 

7.14 – FCP – Fundo de Combate à Pobreza

Foram incluídas tags específicas no leiaute da NF-e para informar os valores de FCP.  Para atender essa nova exigência, foram criadas as categorias de imposto FCP-ICMS e FCP-ST, referentes ao percentual adicional do Fundo de Combate à Pobreza. As informações da parametrização do imposto passam a preencher as tags <vBCFCP>, <pFCP>, <vFCP>, <vBCFCPST>, <pFCPST> e <vFCPST>, dependendo do tipo e do grupo do imposto. Portanto, para a correta emissão da nota, as configurações dos códigos de imposto devem considerar os exemplos abaixo:

 

7.14.1 – FCP-ICMS (CSTs: 00, 10, 20, 51, 70, 90)

 

Tela 414 – Tabela de relacionamento entre as tags e os parâmetros de imposto do SAP B1 – FCP ICMS

 

Tela 415 – Exemplo de configuração de imposto – FCP ICMS

 

Tela 416 – Exemplo de preenchimento das tags – FCP ICMS

 

7.14.2 – FCP-ST – FCP Substituição Tributária (CSTs: 10, 30, 70, 90 / CSOSN: 201, 202, 203, 900)

 

Tela 417 – Tabela de relacionamento entre as tags e os parâmetros de imposto do SAP B1 – FCP ICMS

 

Tela 418 – Exemplo de configuração de imposto – FCP ICMS-ST

 

Tela 419 – Exemplo de preenchimento das tags – FCP ICMS-ST

 

7.14.3 – FCP – Operação Interestadual para Consumidor Final (Difal)

 

Tela 420 – Tabela de relacionamento entre as tags e os parâmetros de imposto do SAP B1 – FCP Difal

 

Tela 421 – Exemplo de configuração de imposto – FCP

 

Tela 422 – Exemplo de preenchimento das tags – FCP UF Destino

 

Observação: os exemplos de fórmulas servem apenas para demonstração dos cenários. A configuração dos códigos de imposto, bem como, a validação dos valores que devem constar no XML da nota fiscal devem ser validados pelo cliente. Sugerimos que essa validação seja realizada antes da entrada em produção.

 

7.14.4 – FCP-ST Retido Anteriormente (CSTs: 60 / CSOSN: 500)

Para inserir as informações do FCP-ST retido anteriormente, foram criados os campos Alq. Suportada Consumidor Final, BC FCP-ST Retido, Alíquota FCP-ST Retido e Valor FCP-ST Retido, na aba Geral, da janela de Informações Adicionais dos Itens. As informações desses campos são carregadas para as tags <pST>, <vBCFCPSTRet>, <pFCPSTRet> e <vFCPRet>.

 

Tela 423 – Campos para inserção de informações do FCP-ST retido anteriormente

 

Para que os campos acima sejam habilitados, além de utilizar o CST 500 no documento de marketing, na aba Configurações Adicionais do triple One, o campo Código de Regime  tributário (CRT) precisa estar configurado corretamente como Simples Nacional e o campo Cód. Operação Simples Nac. (CSOSN) deve estar configurado com a opção 500 – ICMS cobr. anteriormente por ST subst. ou antecip.:

 

Tela 424 – Configurações Simples Nacional

 

Os campos Valor da BC do ICMS-ST da UF de Destino e Valor do ICMS-ST da UF Destino também serão habilitados se o documento de marketing tiver algum item configurado com CST .60. No entanto, os valores preenchidos nesses campos geram as tags vBCSTDest e vICMSSTDest somente se o código ANP do item (tag cProdANP) constar na lista de códigos obrigados.

 

Tela 425 – Campos para preenchimento dos valores de base e ICMS ST da UF de destino

 

7.15 – Informações Sobre o ICMS Efetivo (CSTs: 60 / CSOSN: 500)

Foram incluídos os campos % Red. BC. Efetiva, Valor BC. Efetiva, Aliq. ICMS Efetiva e Valor ICMS Efetiva, na aba Geral, da tela Informações Adicionais do Item. Estes campos só serão habilitados ao configurar o documento de marketing com CST 60 ou o CSOSN 500.

 

Tela 426 – Exemplo de Configuração para habilitar os campos

 

Tela 427 – Novos campos inseridos para a NF-e 4.0

 

Observação: As informações destes campos serão levadas para as tags <pRedBCEfet>, <vBCEfet>, <pICMSEfet> e <vICMSEfet>. Como são tags opcionais, serão geradas no XML somente quando os campos possuírem valor maior que 0 (zero).

 

7.16 – Informações Sobre o Valor do ICMS Próprio do Substituto em Operação Anterior (CST 60 / CSON 500)

 Para informar o Valor do ICMS Próprio do Substituto cobrado em operação anterior, o documento de marketing deve possuir o CST de ICMS igual a 60 ou 500 (CSOSN) para habilitar o campo Valor do ICMS Próprio do Substituto, da aba Geral, da tela Informações Adicionais do Item.

 

Tela 428 – Campo Valor ICMS Próprio Substituto

 

7.17 – Automatização do Preenchimentos dos Valores Referentes ao ICMS-ST Quando for Indicado o CST 60 ou CSOSN 500

Têm-se a possibilidade de realizar o preenchimento, de forma automática, dos campos referentes aos valores de ICMS-ST, ao adicionar um documento de marketing, com o Código do Item configurado com CST 60 ou CSOSN 500.

 

Para que isto ocorra as Functions fSKILL_NFE_vBCSTRet, fSKILL_NFE_vICMSSTRet, fSKILL_NFE_pST e fSKILL_NFE_vICMSSubstituto devem ser configuradas com os seguintes parâmetros Serial, DocEntry, ItemCode e LineNum. Estas functions referem-se aos campos Valor base do ST retido, Valor do ICMS-ST retido, Alq. Suportado Consumidor Final e Valor ICMS Próprio Substituto, respectivamente, da tela: Informações Adicionais dos Itens.

           

Tela 429 – Functions a serem configuradas

 

Tela 430 – Ao configurar as Functions os campos acima serão preenchidos automaticamente

 

Observação: Lembramos que o preenchimento dos parâmetros das functions devem seguir necessariamente a seguinte ordem: Serial, DocEntry, ItemCode e LineNum. Os campos de valores devem ser preenchidos com até duas casas decimais e o campo referente à alíquota pode ser preenchido com até quatro casas decimais.

 

Tendo realizado esta operação, ao acessar a tela das Informações Adicionais dos Itens os valores estarão preenchidos, e ao gerar o XML estes serão apresentados nas tags <vBCSTRet>, <vICMSSTRet> , <pST> e <vICMSSubstituto>.

 

Observação: Lembramos que os cálculos a serem realizados nas Functions devem ser realizados pelos Consultores.

 

7.18 – Operações com IPI

 

7.18.1 – Código de Enquadramento do IPI (cEnq)

O código de enquadramento do IPI é obrigatório para itens sujeitos ao IPI. Para isso, foi criado o campo Cód. de Enquadramento do IPI no documento de marketing.

 

Tela 431 – Campo para informar o código de enquadramento do IPI no documento de marketing

 

Observação: Caso a informação não tenha sido inserida no documento de marketing ou se inserida, estiver errada, é possível ainda utilizar o campo Cód. de Enquadramento do IPI das Inf. Adic. Itens, habilitado após inserir o documento de marketing no SAP Business One.

 

Tela 432 – Campo para informar o código de enquadramento do IPI nas Informações Adicionais

 

Para facilitar o preenchimento das informações é possível utilizar a funcionalidade do módulo Determinação do Enquadramento IPI descrito no Tópico 5.2 Enquadramento do IPI.

 

Tela 433 – Exemplo de Determinação do Enquadramento de IPI

 

O Triple One segue a ordem de prioridade exibida na janela, ou seja, primeiro, são lidas e cruzadas as informações de CST IPI com o Código do Item, depois com o CFOP e, por último, com o NCM.

 

Após configurar as determinações, basta utilizar o botão Preencher Enq. IPI que é habilitado no documento de marketing.

 

Tela 434 – O botão é habilitado após a seleção do modelo como NF-e (55)

 

Também é possível preencher as informações de enquadramento com base na determinação cadastrada após o documento ser inserido. Basta acessar a janela de Informações Adicionais dos Itens, através do botão Inf. Adic. Itens e clicar no botão Preencher Enq. de IPI.

 

Tela 435 – Para preencher os CENQ após inserir os documentos no SAP Business One

 

7.18.2 – IPI nas Operações de Devolução

Nas operações de devolução, o valor do IPI deve ser informado em grupo próprio. Este novo grupo somente pode ser informado para NF-e de devolução de mercadoria, ou seja, quando a finalidade da nota for igual a 4.

 

Para esse cenário devem ser informados:

 

  • Percentual da mercadoria devolvida (tag: <pDevol>)

 

A informação correspondente a tag <pDevol>, deve ser informada no campo Percentual da merc. devolvida do documento de marketing.

 

Tela 436 – Campo para informação do percentual de mercadoria devolvida

 

Observação: O valor máximo deste percentual é 100%, no caso de devolução total da mercadoria.

 

  • Valor do IPI devolvido (tag: <vIPIDevol>)

 

A tag referente ao valor do IPI devolvido será preenchida com o valor do IPI gravado no documento de marketing, para cada linha de item.

 

Tela 437 – O valor do IPI carregado para o XML é configurado no campo Valor do Imposto

 

Observação: Para este cenário, o valor do IPI será destacado somente na tag <vIPIDevol>, não havendo dessa forma, destaque de IPI na tag própria (vIPI).

 

Observe o exemplo abaixo:

 

Tela 438 – Exemplo de emissão de nota de devolução com IPI de R$ 200,00 e percentual de devolução igual a 50%

 

Veja como é gerado o XML:

 

Tela 439 – Exemplo de XML gerado com o destaque das informações referentes à devolução do IPI nas respectivas tags

 

Se o campo Percentual merc. devolvida não estiver preenchido, o valor do IPI será informado na tag própria <vIPI>:

 

Tela 440 – Valor do IPI igual a R$5,00 e campo Percentual de merc. devolvida sem informação

 

Veja como o XML é gerado:

 

Tela 441 – Valor do imposto vai para a tag <vIPI>

 

7.19 – Operações Com PIS e COFINS

 

7.19.1 – PIS e COFINS Não Inclusos no Preço

Em operações nas quais o PIS e a COFINS não estão inclusos no preço e precisam compor o total da nota, sendo informados na tag referente às outras despesas acessórias, o campo Soma Pis e Cofins da Utilização deve estar configurado como SIM.

 

Tela 442 – Configuração para somar o PIS e a Cofins no total da nota como despesa acessória

 

7.19.2 – Exclusão da Base de Cálculo do PIS e da COFINS

Para eventuais exclusões da base de cálculo do PIS e da COFINS, com obrigatoriedade de escrituração por documento, deve ser utilizado o atributo de retorno abaixo na linha do PIS e da COFINS:

  • Cód. valor retorno: SkExcPC
  • Descrição: Exclusão da base de PIS/COFINS
  • Tipo de dados: Valores
  • Exibir na janela valor IVA/imposto sobre compra: Sim

 

Tela 443 – Configuração valor de retorno para exclusão de valores da base do PIS e da COFINS

 

Tela 444 – Exemplo de código de imposto com o valor de retorno de exclusão da base de PIS e COFINS

 

Na fórmula do imposto, indicar como será preenchido o valor de retorno.

 

Tela 445 – Exemplo de fórmula de imposto com o atributo de retorno SkExcPC para o PIS

 

Observação: A configuração deste parâmetro de imposto impacta na geração dos arquivos da EFD Contribuições, nos Registros A170, C170, C175, D601 e D605.

 

7.20 – Simples Nacional

 

7.20.1 – Código de Situação da Operação no Simples Nacional – (CSOSN)

Se a empresa for configurada como 1 – Simples Nacional no campo Código do Regime Tributário (CRT) (como visto no Tópico 3.4.1), o CSOSN deve ser informado no campo CST para ICMS, no documento de marketing. No entanto, os códigos devem ser cadastrados em Códigos CST, com a Categoria do imposto como ICMS, antes da emissão da nota.

A janela para cadastro dos códigos de CST fica disponível no seguinte caminho de menu:

Administração > Configuração > Finanças > Imposto > Nota Fiscal > Códigos CST         

 

Tela 446 – Acesso à janela para cadastro de Códigos CST

 

Observação: Os códigos devem ser cadastrados com o primeiro dígito separado por "ponto", no formato "N.NN".

 

Depois de cadastrar os códigos, é possível escolhê-los para preenchimento no campo CST para ICMS na linha do item, no documento de marketing. A informação inserida nesse campo é carregada para a tag <CSOSN> do XML da NF-e.

 

Tela 447 – Exemplo de preenchimento com o CSOSN 300 – Imune

 

7.20.2 – Simples Nacional – CSOSN 101

Para emitir uma NF-e com CSOSN 101 (Simples Nacional) é necessário parametrizar as tags pCredSN e vCredICMSSN. Na aba das Configurações Adicionais o campo Código de Regime Tributário (CRT) precisa estar configurado corretamente.

Triple One > Configurações > Configurações Adicionais > Aba Configurações Adicionais

 

Tela 448 – Preenchimento do campo Código de Regime Tributário (CRT)

 

Na base de dados do SAP Business One é necessário criar um Parâmetro de Imposto com os seguintes atributos:

           

  • Tipo: Atributo e Valor de retorno;
  • Descrição: Alíquota cálculo do crédito-SN e Valor crédito do ICMS-SN;
  • Cód. Atributo/Val. Retorno: PercCrSN e ValCrSN;
  • Tag do XML: pCredSN e vCredICMSSN.

 

O Tipo de imposto deverá ser criado utilizando a categoria ICMS e o Parâmetro de Imposto com os atributos descritos. No campo Atributo do Tipo de imposto criado, configurar o campo Alíquota cálculo do crédito-SN. O preenchimento deste campo será utilizado para preencher a tag pCredSN.

 

Tela 449 – Parâmetro de Imposto configurado seguindo os atributos

 

 

Tela 450 – Exemplo com as configurações necessárias para a geração de crédito do Simples nacional

 

A fórmula do imposto deve ser criada para realizar o cálculo para a variável ValCrSN, de acordo com a necessidade de cálculo específica de cada.

 

Tela 451 – Fórmula de Imposto com a variável para cálculo do crédito de ICMS – Simples Nacional

 

A Combinação de Impostos deve ser criada utilizando o Tipo de Imposto parametrizado, para que se possa ser habilitado o Código de Imposto.

 

Tela 452 – Campos para realizar as configurações de impostos – Simples Nacional

 

Ao gerar o documento de marketing, certifique de que há um destaque no valor de retorno Valor crédito do ICMS-SN; caso isso não ocorra, a tag vCredICMSSN não aparecerá no XML, e no campo CST para ICMS o CSOSN 1.01 deve ser informado.

 

Tela 453 – Documento de marketing com as configurações

 

No XML dessa NF-e, será possível identificar o preenchimento das tags pCredSN e vCredICMSSN, conforme informação gravadas.

 

Tela 454 – XML com as tags pCredSN  e vCredICMSSN.

 

Observação: As informações destacadas nas tags pCredSN e vCredICMSSN não são exibidas nos campos de ICMS do DANFE.

 

Tela 455 – Exemplo de DANFE sem as informações

 

7.20.3 – Simples Nacional – Origem do Produto

O valor apresentado na tag <orig> do XML da NF-e é derivado do campo Fonte do Produto, da tela do Cadastro do Item.

 

Tela 456 – Campo Fonte do Produto – tag <orig>

 

7.21 – Produção em Escala Relevante

Nas operações com os produtos listados no Anexo XXVII do Convênio 52/2017 é obrigatório informar se a produção foi realizada em escala relevante. Se for informada a produção em escala NÃO relevante, também deverá ser indicado o CNPJ do fabricante. Para isso, foram criados os campos Ind. de Escala Relevante e Ind. Rel. CNPJ Fabricante no documento de marketing.

 

Tela 457 – Campos para informar a produção em escala relevante e o CNPJ do fabricante

 

Observação: Caso o documento já tenha sido inserido, também é possível inserir ou atualizar as informações na aba Geral, da janela de Informações Adicionais dos Itens, disponível no documento de marketing.

 

Tela 458 – Acesso à janela de Informações Adicionais dos Itens

 

Tela 459 – Campos para inserção de informação de escala relevante

 

7.22 – Operações de Venda Com Entrega Futura

Nas operações de entrega futura, se a nota tiver as combinações de CFOP e CST ou CSOSN conforme o quadro abaixo, não serão gerados os valores de tributos nas notas:

 

Tela 460 – Combinação de CFOP e CST nas operações de venda para entrega futura

 

7.23 – Crédito de ICMS sobre Ativo Permanente (CIAP)

Para emitir uma nota fiscal de crédito de ICMS sobre o ativo imobilizado é obrigatório utilizar o CFOP 1604.

O atributo Só imposto também deve estar marcado em todos os itens que compõe a nota.

Além disso, é necessário acessar a janela para Definir distribuição do valor de imposto de cada item e informar o valor do crédito na coluna Imposto. Essa janela é acessível através da seta amarela da coluna Valor do imposto (MC).

 

Tela 461 – Acesso à janela de definição distribuição de valor do imposto

 

Tela 462 – Valor do crédito deve ser preenchido na coluna Imposto

 

Repare no XML de exemplo o preenchimento das tags.

 

Tela 463 – Exemplo de informações no XML de nota de crédito de ICMS sobre ativo imobilizado

 

7.24 – Ressarcimento de ICMS-ST

Para emitir uma nota fiscal de ressarcimento de ICMS-ST, é obrigatório utilizar o CFOP 1603.

O atributo Só imposto também deve estar marcado em todos os itens que compõe a nota.

Além disso, é necessário acessar a janela para Definir distribuição do valor de imposto de cada item e informar o valor do crédito na coluna Imposto. Essa janela é acessível através da seta amarela da coluna Valor do imposto (MC).

 

Tela 464 – Acesso à janela de definição distribuição de valor do imposto

 

Tela 465 – Valor do crédito deve ser preenchido na coluna Imposto

 

Repare no XML de exemplo o preenchimento das tags.

 

Tela 466 – Exemplo de informações no XML de ressarcimento de ICMS

 

7.25 – Registro Nacional de Transportador de Carga – (RNTC)

Para geração da tag <RNTC>, é necessário preencher o campo de usuário RNTC do documento de marketing. Na aba Imposto, também é necessário preencher o campo Placa do veículo.

 

Tela 467 – Campo para preenchimento do RNTC

 

Observação: No DANFE, a informação sobre o RNTC é gerada no campo Código ANTT.

 

7.26 – Emissão de NF-e por Pessoa Física

Para a emissão de NF-e por pessoa física com inscrição estadual, como por exemplo, produtor rural, a base deve estar cadastrada com CPF (Detalhes da Empresa ou em base multifilial em Finanças>Filial).

 

Tela 468 – Campo CPF em Detalhes da Empresa para base única

 

Tela 469 – Campo CPF em Finanças > Filiais para base multifilial

 

Observação: ao emitir uma nota com CPF o campo Série passa por uma validação, caso o campo esteja preenchido com uma numeração diferente de 920 a 969, é apresentada uma mensagem de alerta pelo sistema.

 

7.27 – Operações de Venda a Órgão Público

Em operações de venda para órgãos públicos deve ser informada a Nota de Empenho no campo definido pelo usuário Nota de Empenho, do documento de marketing.

 

Tela 470 – Campo para informar a Nota de Empenho

 

7.28 – Transferência de Saldo Devedor ou Credor de ICMS em São Paulo

Para realizar a emissão da nota de transferência do saldo credor ou devedor do ICMS no Estado de São Paulo, o primeiro passo é a configuração da tabela de Regras Fiscais para o CFOP utilizado na operação. Deve ser indicado Sim somente na coluna Exibir CFOP? e a opção Não para as demais colunas. Abaixo, um exemplo de preenchimento utilizando o CFOP 5605 – Transferência de saldo devedor de ICMS de outro estabelecimento da mesma empresa.

 

Tela 471 – Exemplo de preenchimento da Tabela de Regras Fiscais para o CFOP 5605

 

A tabela de regras fiscais pode ser acessada em:

Ferramentas > Janelas definidas pelo usuário > Skill_004_Profis – SKIL:Regras fiscais

 

Tela 472 – Acesso à tabela de Regras Fiscais

 

Em seguida, deve ser emitida a nota fiscal de acordo com as regras estabelecidas na legislação:

  • Natureza da operação igual a Transferência de Saldo Devedor (ou Credor, se for o caso) – Art. 98 do RICMS/00 – SP;
  • CFOP 5.605 (Transferência de Saldo Devedor) ou CFOP 5.602 (Transferência de Saldo Credor);
  • Indicar como destinatário, o estabelecimento centralizador, com seus dados identificativos;
  • No campo "Informações Complementares", inserir a expressão: Transferência do Saldo (Devedor/Credor) no valor de R$ X,XX (valor por extenso)  – Apuração do Mês de …………………… (mês e o ano relativo ao período de apuração);
  • Informar o valor do saldo transferido, em algarismos e por extenso.

 

Como exemplo, inserimos um documento de marketing contendo o CFOP com a regra aplicada e inserindo as observações no campo Comentários Finais, acessível por meio da opção Observações iniciais e finais.

 

Tela 473 – Exemplo de nota fiscal de transferência de saldo devedor de ICMS – CFOP 5605

 

Tela 474 – Exemplo de preenchimento das informações complementares referentes à emissão da NF-e CFOP5605

 

No XML da nota fiscal, é possível observar que o grupo de total e informações complementares são gerados corretamente.

 

Tela 475 – Exemplo de XML referente à transferência de saldo devedor – CFOP 5605

 

Além da emissão da nota, para a correta escrituração, o valor do débito ou crédito do ICMS transferido deve ser inserido em Informações complementares do módulo Apuração do PROFIS.

 

Tela 476 – Acesso para o cadastro de informações complementares da apuração

 

Ao acionar o botão Novo, na tela que é aberta, informar os dados necessários da operação.

 

Tela 477 – Exemplo de informações complementares referentes à transferência de saldo devedor de ICMS

 

Observação: os procedimentos deste tópico são aplicados para o Estado de São Paulo. Para contribuintes dos demais estados, a legislação vigente da respectiva UF deve ser consultada.

 

7.29 – Devolução de Nota Fiscal de Entrada

Ao inserir a nota de entrada com código de imposto contendo ICMS-ST e FCP-ST (Base tributada e Base Outras), na operação de devolução dessa entrada, utilizando o vínculo nativo do SAP (Copiar Para ou Copiar De), as seguintes regras são aplicadas:

 

  • CST 10 ou 90: gera o ICMS e o ICMS-ST nas tags próprias;
  • CST 00: gera o ICMS na tag própria e os valores de ICMS-ST e FCP-ST são somados e informados na tag <vOutro> do grupo ICMSTot.

 

Observação: o CST 60 não habilita as tags para informar o ICMS próprio e nem o ICMS-ST.

 

7.30 – Retenção de ICMS no Transporte – Inf.Ret.Transportes

O botão Inf.Ret.Transportes, do documento de marketing, possibilita a inserção dos dados necessários para a geração das tags referentes ao grupo RETTRANSP. Para que este botão seja habilitado, é necessário configurar o campo Incoterms, da aba Imposto, com o valor 0.

 

Tela 478 – Botão Inf.Ret. Transporte

 

Após a inserção das informações, clique no botão Atualizar para que os dados sejam gravados e para que possam ser apresentados no XML.

 

Tela 479 – Insira as informações referentes à retenção de ICMS do transporte

Updated on 19 de outubro de 2020

Essa instrução foi útil?

Top
MODAL 01