PROFIS – Procedimentos Fiscais

Versão 1.28 – (26/03/2020)

1 – APRESENTAÇÃO

Esse manual apresenta as funcionalidades do módulo PROFIS – Procedimentos Fiscais do addon Triple One, desenvolvido para o SAP Business One.

Além de informações importantes para o usuário, este manual ainda contém dicas e orientações para geração e validação dos arquivos digitais, livros fiscais e outras obrigações.

 

2 – INFORMAÇÕES INICIAIS

As informações que aparecem nas telas deste manual, utilizadas para preencher os campos do sistema, servem apenas para exemplificação e não devem ser consideradas como orientação sobre o conteúdo a ser preenchido ou sobre as regras fiscais vigentes. Sendo assim, cada usuário é responsável por toda informação a ser inserida no seu próprio sistema. Todos os exemplos foram elaborados na configuração padrão do SAP Business One.

Para facilitar a interpretação deste manual, utilizamos a cor azul para identificar o nome de qualquer campo de preenchimento, nome de tela ou dado do sistema e a cor verde foi utilizada para indicar os caminhos de menus a serem seguidos.

Os módulos Comunicação/Energia Elétrica, GIA – Paraná, GIA – Rio Grande do Sul, GIA – Rio de Janeiro, CAT/52, Livro Eletrônico do DF, DAPI-MG, GIA-ST, DES – Belo Horizonte – MG, Relatório de Movimento Fiscal, Produtor Rural e Controle de ICMS do Ativo – CIAP possuem manuais próprios disponíveis no portal de atendimento da SkillConsulting.

_

A reprodução deste manual, ou de parte dele, é proibida.

 

3 – FUNCIONALIDADES DO MÓDULO PROFIS

O PROFIS – Procedimentos Fiscais é encontrado sob o menu principal do próprio Triple One. Ao acioná-lo, são exibidos os módulos: Apuração, Arquivos digitais, Relatórios, Livros Fiscais, Termo de Abertura/Encerramento, Produtor Rural e Controle de ICMS do Ativo – CIAP.

 

PROFIS – Procedimentos Fiscais

 

 

4 – CONFIGURAÇÕES

 

4.1 – LOCAL PARA ARMAZENAMENTO DOS ARQUIVOS

A pasta de ampliações é a pasta que armazena os arquivos gerados pelo Triple One. É importante escolher uma pasta diferente da pasta do próprio Triple One, para que os arquivos não sejam perdidos quando ocorrer atualizações no add-on.

A escolha desta pasta é feita na janela de Configurações gerais, disponível no seguinte caminho de menu:

 

Administração > Inicialização do sistema > Configurações gerais

 

Selecione a aba Caminho e indique a pasta onde devem ser gravados os arquivos gerados no campo Pasta de ampliações:

 

Configuração da Pasta de ampliações

 

4.2 – TABELA DE REGRAS FISCAIS

Algumas operações de entrada e de saída têm regras diferenciadas para a escrituração dos documentos nos livros fiscais. Por isso, foi criada uma tabela que permite a realização das configurações necessárias para a escrituração.

Essa tabela está disponível no seguinte caminho de menu:

 

Ferramentas > Janelas definidas pelo usuário > SKILL_004_PROFIS

 

Caminho de acesso para configuração da Tabela de Regras Fiscais

 

Exibição da janela para configuração das regras fiscais

 

As regras fiscais podem ser definidas por uma das variáveis abaixo ou pela combinação entre elas:

  • Código da Filial;
  • Tipo de imposto (ICMS, IPI, ICMS-ST ou Todos);
  • Estado;
  • CFOP;
  • Utilização.

 

Após a definição das variáveis acima, as regras sobre como os documentos precisam ser escriturados devem ser informadas nas colunas:

  • Exibir Valor Contábil?
  • Exibir CFOP?
  • Exibir Base de Cálculo? (nessa opção será ou não exibida a base do imposto selecionado em Tipo de Imposto)
  • Exibir Alíquota?
  • Exibir Valor Tributado?
  • Exibir Valor Isento?
  • Exibir Valor Outros?
  • Remover Registro? (se nessa opção for selecionado SIM, o documento com as regras definidas de acordo com as variáveis não é escriturado).

 

É possível ainda definir o período inicial e final de vigência nos campos Vigência de e Vigência até e informar um comentário no campo Observações sobre a regra inserida.

As informações inseridas no campo Observações não são escrituradas nos livros fiscais, trata-se apenas de um campo para comentários e explicações relacionados à regra definida na tabela.

 

4.3 – CONFIGURAÇÕES ADICIONAIS

Outras configurações necessárias para a correta escrituração dos livros fiscais e geração dos arquivos digitais ficam na janela de Configurações Adicionais, disponível no seguinte caminho de menu:

 

Triple One > Configurações > Configurações Adicionais

 

Acesso à janela de configurações adicionais

 

4.3.1 – ABA GERAL

Ao acessar o menu Configurações Adicionais, acesse a aba Geral.

 

Configurações adicionais

 

Nesta aba as informações abaixo são essenciais para a correta escrituração dos documentos fiscais:

  • Realiza operações com produtos sujeitos à substituição tributária?: indique se a empresa é contribuinte substituto do ICMS-ST. Com a opção marcada, o Triple One gera os livros P1, P1A, P2, P2A e P9 com as informações relativas à substituição tributária e a sigla "ST" é adicionada no título dos livros.
  • Emissor de Cupom Fiscal?: informe se a empresa emite cupom fiscal por meio do Equipamento Emissor de Cupom Fiscal.
  • Escrituração do Mapa Resumo: Esta configuração é utilizada para atribuir o número do campo da Redução Z para o campo Mapa Resumo na importação de arquivo da CAT 52.
  • Utilizar solução customizada para escrituração do cupom fiscal: informe se a empresa optou por utilizar a solução customizada do Triple One para escrituração dos cupons fiscais ao invés de inserir cupom a cupom no SAP Business One. As informações devem ser inseridas nas tabelas, como é visto no Tópico 10.
  • Utilizar Solução Customizada para Escrituração do CF-e SAT: Ao marcar esta configuração, o Triple One considerará apenas as tabelas de SAT CF-e para a apuração e geração das obrigações acessórias e livros fiscais. As informações devem ser inseridas nas tabelas, como é visto no Tópico 11.4.
  • Escriturar NFC-e nos livros analiticamente: informe se a empresa optou por escriturar as Notas Fiscais Eletrônicas de Venda ao Consumidor de forma analítica no livro de saída. Se a opção não for marcada, as notas serão escrituradas de forma agrupada, considerando a data, a UF e o CFOP para a consolidação dos valores.
  • Escriturar CF-e SAT nos livros analiticamente: informe se a empresa optou por escriturar os Cupons Fiscais Eletrônicos de forma analítica no livro de saída. Se a opção não for marcada, os cupons eletrônicos serão escriturados de forma agrupada, considerando a data, a UF e o CFOP para a consolidação dos valores.
  • Escriturar nos livros fiscais notas mod. 55 autorizadas pela Prefeitura: selecione a opção para a escrituração dos valores na coluna Isentas ou Outras. Esse parâmetro é exclusivo para a escrituração de documentos modelo 55 com itens de serviço autorizados pela prefeitura.

 

4.4 – INFORMAÇÕES GERAIS

 

4.4.1 – NOTA FISCAL AVULSA ELETRÔNICA

Para a escrituração de documentos com o modelo NFAe – Nota Fiscal Avulsa eletrônica, como o modelo não é nativo do SAP Business One, é necessário criá-lo. Para a escrituração, o Triple considerará a NFAe como modelo 01 para as obrigações acessórias.

Contudo, caso o Estado onde está localizada a empresa determine que esse modelo é equivalente ao 55 ou ao 1B, o usuário deverá selecionar o respectivo modelo nativo do SAP (NF-e 55 ou modelo 1B).

 

Para criar o modelo NFAe, acesse o seguinte caminho de menu:

 

Administração > Configuração > Finanças > Imposto > Nota Fiscal > Modelo da nota fiscal

 

Acesso à janela de configuração de modelos de nota fiscal

 

Na janela que é exibida, na coluna Nome, crie o modelo NFAe. E, na coluna Código digite NFAe também. Como Descrição, pode-se informar Nota Fiscal Avulsa Eletrônica por Processamento de Dados.

 

O modelo NFAe deve ser criado no SAP Business One

 

Ainda para a devida escrituração, o campo Código de Situação do Doc. deve ser preenchido com a opção 08 – Documento Fiscal emitido com base em Regime Especial ou Norma Específica.

 

Código de situação do documento para a escrituração de NFAe

 

5 – APURAÇÃO

O módulo de Apuração é o responsável por exibir, calcular, alterar e remover as informações referentes à apuração dos impostos: ICMS, ICMS-ST e IPI. Dentro dele, estão as funcionalidades de Saldos e apuração, Informações complementares e Saldo credor inicial.

 

Funcionalidades dentro do menu Apuração

 

5.1 – SALDOS E APURAÇÃO

A apuração do ICMS, ICMS-ST e IPI é feita com base nos documentos de marketing e nas informações inseridas em Informações Complementares.

 

Ao acionar a funcionalidade de Saldos e apuração, a janela com o formulário de Apuração de Impostos é exibida. Em caso de base multifilial é possível solicitar a apuração de todas as filiais por meio da seleção do campo Apurar todas as filiais?.

Em seguida, o usuário deve escolher o Período Contábil a ser calculado e o tipo de período: Mensal, Quinzenal ou Decendial para cada tributo que será apurado.

 

Apuração de ICMS, ICMS-ST e IPI

 

Após selecionar o período de apuração e clicar no botão Calcular apuração, o sistema exibe uma mensagem que alerta sobre o tempo do processo. Clique em OK e aguarde o término da apuração.

Após o processo, os valores calculados de ICMS, ICMS/ST e IPI podem ser consultados selecionando as abas correspondentes da janela. O cálculo da apuração dos impostos pode ainda ser conferido após a geração dos livros fiscais de apuração.

 

Observação: Os valores referentes ao FCP – ICMS e FCP – ICMS-ST são somados aos valores de ICMS e ICMS-ST, respectivamente, e serão carregados para as colunas de Débitos e Créditos.

 

Na aba de ICMS-ST, ainda é possível conferir os valores por UF clicando na seta amarela correspondente de cada período.

 

Conferência dos valores por UF para apuração do ICMS-ST

 

Ao clicar na seta amarela, outra janela é exibida e permite a seleção da UF para visualizar os valores.

 

Janela para conferência de valores de ICMS-ST por UF

 

Se houver necessidade de apurar novamente um período, basta clicar no botão Excluir apuração e, em seguida, Calcular apuração novamente. Lembramos que qualquer manutenção/inclusão de documentos de marketing ou no módulo de Informações Complementares torna obrigatória a geração de uma nova apuração.

 

Observação: Os períodos com o status Bloqueado no SAP Business One não podem ser excluídos. Nesses casos, o sistema apresentará uma mensagem.

 

5.1.1 – APURAÇÃO CONSOLIDADA ENTRE FILIAIS

Para realizar a apuração consolidada entre filiais, é necessário configurar os campos Principal ou Sócia Ostensiva e Código da Filial Principal/SO, disponíveis na configuração de Filiais no seguinte caminho de menu:

 

Administração > Configuração > Finanças > Filiais

 

Acesso à configuração de filiais

 

Na coluna Principal ou Sócia Ostensiva, é necessário indicar com Sim, a empresa principal a ser feita a apuração. E na coluna Código da Filial Principal/SO, é necessário indicar o número da linha na tabela da filial principal para qual as outras filiais serão consolidadas.

 

Exemplo de configuração para consolidação de filiais na apuração

 

Neste exemplo, as filiais das linhas 2, 7, 8 e 9 serão consolidadas com a filial principal da linha 1. E as filiais das linhas 5 e 6, serão consolidadas com a filial principal da linha 4. Na hora de realizar a apuração basta selecionar ou a Filial 1 ou a 4.

 

5.2 – INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES

Na janela de Informações Complementares, baseado no Período selecionado, é possível inserir, editar ou remover informações referentes a operações de Débito de imposto, Débito Especial, Crédito de imposto, Deduções ou Guias de recolhimento para o ICMS, o ICMS-ST e o IPI.

 

Janela de Informações complementares

 

Observação: O campo Saldo credor período anterior carrega a informação do saldo credor de período anterior, caso exista. Para o ICMS-ST, é habilitada a consulta do saldo por UF.

 

Operações disponíveis em Informações complementares

 

Para isso, basta inserir as informações na tela e clicar no botão Atualizar.

 

Exemplo de preenchimento de informações complementares para apuração do ICMS

 

No caso de inserção de informações relacionadas às Guias de Recolhimento, para alterar ou inserir o Tipo da guia, é preciso selecionar a opção Guias de recolhimento no campo Operação.

Selecione a opção de Definir novo para adicionar opções.

 

Janela para inserir ou alterar o tipo da Guia de recolhimento

 

Observação: Preencha o Código da Filial para habilitar a opção para a filial desejada. O campo Code pode ser preenchido com numeração sequencial.

 

Exemplo de preenchimento GNRE

 

Repare a exibição das informações no Livro de Apuração do ICMS:

 

Livro de Apuração do ICMS com as informações da Guia de Recolhimento

 

O campo Código do Ajuste é utilizado nos registros de apuração da EFD Fiscal. O preenchimento dele alimenta os campos com o mesmo nome dos registros E100/E200/E500 – Apuração ICMS/ICMS-ST/IPI da EFD Fiscal. É possível utilizar o botão Novo para criar uma lista personalizada com os códigos utilizados pelo usuário.

 

Ao acessar o botão, uma janela é exibida para inserção das informações.

 

Janela para configuração da lista de Códigos de Ajuste

 

Observação: Os códigos inseridos devem seguir a tabela 5.1.1 dos respectivos Estados.

 

A partir da PL 51, da versão 1.21.13.20, o Triple One valida o campo Operação apenas com o 3º e o 4º dígito do código de ajuste informado, quando utilizada a opção Débitos Especiais. Assim, se for utilizado um código de ajuste com a combinação válida, então os campos Operação e Tipo serão preenchidos automaticamente. O Triple One faz a validação dos seguintes códigos.

 

Tabela de validação com código de ajuste

 

Já a parte inferior da janela é destinada às informações complementares das obrigações Estaduais. Para todos os estados, com exceção de São Paulo e Santa Catarina, o padrão de exibição dos códigos, no campo Cód. Sub. Item será sempre os códigos da GIA de São Paulo, porém, o preenchimento da parte inferior desta janela não é necessário, pois ficaria sem efeito. Caso seja contribuinte de São Paulo, deve-se primeiramente selecionar algum código presente no campo Cód. Sub. Item, para depois, complementar com as demais informações. Caso seja contribuinte de Santa Catarina, o add-on exibirá a tela com informações pertinentes à DIME/SC.

 

Descrição do subitem é exibida na janela, junto a cada código

 

No campo IE, é possível informar a Inscrição Estadual de cada filial no caso de transferência de crédito de ICMS.

 

Campo para informar a Inscrição Estadual

 

O formulário de Informações complementares ainda apresenta um campo para inserção de Observações. As informações inseridas nesse campo serão exibidas apenas no campo "Observações" do Livro Fiscal de Apuração gerado.

 

Exemplo de inserção de observações para o Livro de Apuração do ICMS

 

Repare no Livro Fiscal, que o campo de OBSERVAÇÕES contém as descrições inseridas na janela de Informações complementares de apuração de impostos.

 

Livro de Apuração do ICMS com a exibição das observações

 

Observação: As informações referentes às observações e guias de recolhimento devem ser inseridas na aba de cada tributo (ICMS, ICMS-ST e IPI) para a escrituração no livro correspondente. Para as informações de IPI, ainda é necessário completar as informações de Código de Ajuste, Número do Processo e Indicador de Origem, na janela do Bloco E, para a geração da EFD – Fiscal.

 

Só é possível inserir dados em Informações complementares para períodos não apurados. Caso o período selecionado já tenha sido apurado, o sistema apresentará uma mensagem e bloqueará a operação.

 

5.3 – SALDO CREDOR INICIAL

No módulo Saldo Credor Inicial devem ser inseridos os saldos iniciais quando a empresa começar a utilizar o Triple One. Esse saldo será considerado automaticamente para o primeiro período apurado dentro do sistema no módulo Saldos e Apuração.

 

Tela para inserção dos saldos iniciais da empresa

_

Observação: Após inserir os saldos, não é possível alterá-los.

 

6 – LIVROS FISCAIS

No módulo Livros Fiscais estão disponíveis as funcionalidades para gerar os livros municipais, estaduais e federais.

 

Geração dos Livros Fiscais

 

Para todos os livros disponíveis, no campo Página inicial do relatório, o usuário pode informar o número da primeira página do livro que será gerado. Por exemplo, se já houver um livro com dez páginas, o usuário pode informar o número 11 no campo Página inicial do relatório para dar continuidade na sequência.

 

Exemplo para informar o número da primeira página do livro a ser gerada

 

Observação: O preenchimento deste campo é obrigatório e o Triple One carrega o número 2 como padrão.

 

Para os livros P1, P1A, P2 e P2A, foi criada uma opção para limitar as observações escrituradas. Após marcar a caixa de seleção, basta informar a quantidade de caracteres que serão permitidos na coluna observação do livro.

 

Opção para limitar as observações dos livros

 

Observação: Ao utilizar a opção Limitar observações até, a informação "SEM VALOR FISCAL" é adicionada no livro. Para ocultar todas as observações do livro, selecione a opção e inclua o valor 0 (zero) como quantidade de caracteres.

 

A informação "SEM VALOR FISCAL" é adicionada no livro

 

Como regra geral, o Triple One considera a data de lançamento para a escrituração dos documentos de entrada dos Livros P1, P8 e P9. No entanto, existe a possibilidade de indicar a Data Escrituração no campo de usuário do documento de marketing.

 

Campo para indicar a data de escrituração caso seja diferente da data de lançamento

 

Se este campo estiver preenchido, é essa data que será considerada para a escrituração do documento. Caso contrário será considerada a Data de lançamento do documento de marketing.

 

Observação: como regra geral, são escriturados apenas os documentos com modelos fiscais e com itens classificados como Material no Cadastro do Item. No entanto, notas lançadas com modelo 21 e 22 e com itens classificados como Serviço também serão escrituradas nos Livros Fiscais.

 

6.1 – LIVROS FISCAIS MUNICIPAIS

Os Livros Fiscais Municipais estão disponíveis apenas para as empresas localizadas no município de São Paulo.

Ao selecionar a funcionalidade Livros Fiscais, basta clicar na primeira aba, a Municipais, depois, escolher o Período Contábil a ser gerado e selecionar o modelo do livro.

 

Janela para geração dos livros fiscais municipais modelos 51 e 56 de São Paulo

 

No livro Modelo 51 são escrituradas as notas fiscais emitidas com as séries "A", "E", "C" e "D" e que tenham o ISS configurado no código do imposto.

 

Já no livro Modelo 56 são escrituradas as notas fiscais de entrada modelo NFFS, NFSS ou RPA, com as séries "A", "E", "C" e "D" e que tenham o ISS configurado no código do imposto.

 

Para a escrituração do imposto retido deve se utilizar o código tipo ISSF na configuração do imposto.

 

Utilizar o código ISSF

 

Observação: Tanto para as notas de saída como para as notas de entrada, o item utilizado deve estar classificado como tipo "Serviço" no SAP Business One.

 

Classificação do item como Serviço em: Estoque > Dados do Cadastro do Item

 

6.2 – LIVROS FISCAIS ESTADUAIS

Para a emissão dos livros fiscais estaduais em bases multifiliais, é necessário selecionar a empresa:

 

Seleção da empresa para a emissão dos livros

 

Observação: É possível selecionar mais de uma empresa para a impressão das informações consolidadas.

 

Os valores referentes ao FCP – ICMS e FCP – ICMS-ST, são somados aos valores de ICMS e ICMS-ST, respectivamente, para a escrituração nos livros fiscais.

 

Observação: Documentos de Entrada e de Saída com modelo interno do SAP igual a 57 e/ou 59 e nomes diferentes de CF-e SAT ou SAT CF-e, não serão escriturados nos Livros P1 e P2.

 

6.2.1 – LIVRO FISCAL DE ENTRADA – MODELOS P1/P1A (ST)

De acordo com o previsto na legislação, existem dois modelos para a emissão dos livros de entrada:

  • Modelo P1 – para contribuinte sujeito, simultaneamente, à legislação do Imposto sobre Produtos Industrializados e do ICMS;
  • Modelo P1A – para contribuinte sujeito apenas à legislação do ICMS.

 

Para gerar o livro basta selecionar o Período Contábil ou a Faixa de Datas, o modelo e depois clicar no botão Gerar.

 

Seleção de período e modelo para emissão do livro de entrada

 

Observação: Para contribuintes do ICMS-ST é necessário configurar o Triple One como descrito no tópico 4.3.1 deste manual para a correta emissão dos livros.

 

Exemplo do livro fiscal modelo P1A (ST)

 

6.2.2 – LIVRO FISCAL DE SAÍDA – MODELOS P2/P2A (ST)

Para o livro de saídas também existem dois modelos:

  • Modelo P2 – para contribuinte sujeito, simultaneamente, à legislação do Imposto sobre Produtos Industrializados e do ICMS;
  • Modelo P2A – para contribuinte sujeito apenas à legislação do ICMS.

 

Para gerar o livro basta selecionar o Período Contábil ou a Faixa de Datas, o modelo e depois clicar no botão Gerar.

 

Seleção de período e modelo para emissão do livro de saída

 

Observação: Assim como para o livro de entrada, para contribuintes do ICMS-ST é necessário configurar o Triple One como descrito no tópico 4.3.1 deste manual para a correta emissão dos livros.

 

Para sequência dos documentos na impressão dos livros P2 e P2A, o sistema considera, primeiro, a data do campo Data do documento do documento de marketing e, depois, a numeração da nota.

 

Notas ordenadas por data do documento e depois por numeração

 

O sistema está preparado para a escrituração de documentos com o modelo NFAe – Nota Fiscal Avulsa eletrônica por processamento de dados do Paraná. Para isso, como o modelo, não é nativo do SAP Business One, é necessário criá-lo.

 

Observação: O valor de ICMS-ST, bem como a base de cálculo, apresentados na coluna Observações do livro consideram os valores inseridos no Código de Imposto e nos campos Valor base do ST retido e Valor do ICMS-ST retido das Inf. Adic. Itens do documento de marketing.

 

Observação: Notas com modelo 21 e/ou 22 emitidas no mesmo dia, possuindo CFOP e Estado iguais, serão agrupadas na geração dos livros P2 e P2A.

 

Observação: Será descontado do valor contábil do Livro P2, somente, o ICMS Desonerado padrão SAP ou com PercDeso preenchido.

 

Para que os Livros P2 ou P2A sejam gerados com as informações de CF-e SAT agrupadas é necessário selecionar apenas a opção Utilizar Solução Customizada para Escrituração do CF-e SAT da aba Geral, da tela de Configurações Adicionais do Triple One. A opção Escriturar CF-e SAT nos livros analiticamente não deve ser selecionada. Já para a escrituração analítica dos documentos ambas as opções devem estar selecionadas.

 

Configuração para escriturar documentos com modelo CF-e SAT a partir da solução customizada

 

Observação: a escrituração por meio da solução customizada está no Tópico 11.4.

 

6.2.3 – LIVRO DE APURAÇÃO DO ICMS – MODELO P9

Na aba Estaduais, quando selecionada a opção Modelo P9 – ICMS, são habilitados os campos Origem, Tipo e CFOP Zerado.

 

Opções para gerar o Livro Modelo P9

 

No campo Origem podem ser selecionadas as opções 0 – Triple One para a geração do livro a partir da utilização do Triple One e 1 – Períodos Anteriores para períodos anteriores à utilização do Triple One.

 

Opções para o campo Origem

 

Já no campo Tipo, é possível selecionar se o livro conterá as informações de todas as operações com Substituição Tributária realizadas pela empresa no período selecionado, se conterá as informações detalhadas por UF ou apenas do Estado de origem da empresa.

 

Opções para o campo Tipo

 

Observação: O campo Tipo só é habilitado quando a opção Realiza operações com produtos sujeitos a Substituição Tributária, for marcada em Configurações Adicionais do Triple One.

 

Se o usuário desejar gerar os CFOPs zerados, no livro, é necessário configurar o campo CFOP Zerado, que vem com a opção Ocultar, por padrão.

 

Opção para ocultar ou apresentar os CFOPs zerados

 

Observação: esta funcionalidade irá exibir CFOPs que tenham resultado zerado, mas que tenham sido utilizados de alguma forma no período (nota cancelada, nota que sofreu alteração pela tabela de regras fiscais).

 

6.2.4 – REGISTRO DE INVENTÁRIO – MODELO P7

Antes de gerar o Livro Fiscal Modelo P7, é necessário selecionar os depósitos que fazem parte do estoque da empresa na janela Configurações Adicionais, acessível pelo caminho:

 

Triple One > Configurações > Configurações adicionais.

 

Quando a tela abrir, selecione a aba Inventário:

 

Escolha dos depósitos é feita na aba Inventário

 

Observação: Essa seleção também determina os depósitos para a geração do Bloco H para a EFD ICMS/IPI.

 

Na aba Estaduais, quando selecionada a opção Modelo P7 – Inventário, é habilitado o campo Faixa de Datas.

 

Campo de Faixa de datas é habilitado

 

Observação: O registro é gerado com o saldo do estoque existente na data informada nos campos De e Até. Orientamos que seja inserida a mesma data nos dois campos.

 

Os dados exibidos no Modelo P7 – Inventário são representados como uma cópia fiel do relatório de verificação de estoque gerado pelo SAP Business One. Portanto, a correta configuração do ambiente é de extrema importância para a exibição das informações. Lembramos que estoque negativo não é permitido pela legislação e, portanto, o Triple One não realiza nenhuma tratativa para esse cenário.

 

6.2.5 – REGISTRO DE CONTROLE DA PRODUÇÃO E DO ESTOQUE – MODELO P3

No livro fiscal Modelo P3 – Produção e Estoque são informadas as movimentações de itens classificados como Item de estoque no Cadastro de Item do SAP Business One.

 

Classificação do item como de estoque

 

Essas movimentações têm como origem o documento de marketing, desde que emitido com um modelo fiscal válido e as operações das seguintes rotinas de transações do estoque do SAP Business One: Entrada de mercadoria, Saída de mercadorias e Transferência do estoque, acessíveis pelo seguinte caminho de menu:

 

Estoque > Transações de estoque

 

Entrada, saída de mercadorias e transferência do estoque são informados no modelo P3

 

Para estas operações de Transações do estoque, é possível identificar quais operações serão registradas no livro P3. Esta opção pode ser configurada no campo Desconsiderar valores/Op. P3?, disponível em Campos definidos pelo usuário, no menu Visão do próprio SAP Business One.

 

Opção para desconsiderar valores na escrituração do Livro P3

 

Observação: Ao configurar o campo Desconsiderar valores Op. P3? com o valor Sim, as Transações de Estoque não serão exibidas no Livro, caso configure com o valor Não, as Transações serão exibidas na geração do Livro.

 

De acordo com a legislação, na coluna "CÓD" do livro Modelo P3, será atribuído o código 1, 2 ou 3, de acordo com os seguintes critérios:

 

  • Código 1 – Será atribuído ao item que estiver classificado com o Tipo de Material: Produtos acabados, Mercadorias em processo, Matéria-prima, Embalagem, Subproduto, Produto Intermediário ou Outros insumos e ao mesmo tempo estiver vinculado a um depósito configurado com o Código do proprietário como Propried.it.sociedade.

 

  • Código 2 – Será atribuído ao item que estiver classificado com o Tipo de Material: Produtos acabados, Mercadorias em processo, Matéria-prima, Embalagem, Subproduto, Produto Intermediário ou Outros insumos e ao mesmo tempo estiver vinculado a um depósito configurado com o Código do proprietário como Depósito de terceiros.

 

  • Código 3 – Será atribuído ao item que estiver classificado com o Tipo de Material: Produtos acabados, Mercadorias em processo, Matéria-prima, Embalagem, Subproduto, Produto Intermediário ou Outros insumos e ao mesmo tempo estiver vinculado a um depósito configurado com o Código do proprietário como Item de terceiros em minha propriedade.

 

  • Também será atribuído o Código 3 ao item que, na rotina de Dados do cadastro do item possuir o Tipo de material classificado Mercadoria para Revenda ou Outras, independente da configuração do depósito.

 

Seleção do código do proprietário em Administração > Configuração > Estoque > Depósitos

 

Configuração do Tipo de material no SAP Business One versão 9.1.

 

Para a geração do livro, o usuário deve acessar a aba Estaduais do módulo Livros Fiscais, clicar na opção Modelo P3 – Produção e Estoque e selecionar a data para a emissão do relatório em Faixa de Datas.

 

Geração do livro fiscal modelo P3

 

Observação: Para geração do Livro P3 é importante informar o período da movimentação do estoque. Diferente do P7 é necessário informar a faixa de data. O livro será gerado com as informações dos depósitos selecionados na aba Inventário em Configurações Adicionais do Triple One.

 

6.3 – LIVROS FISCAIS FEDERAIS

Para geração dos Livros Fiscais Federais, é necessário acessar a aba Federais, depois, informar o Período Contábil e marcar o livro fiscal Modelo P8 – IPI.

 

Aba Federais para geração do livro fiscal Modelo P8

 

Se o usuário desejar gerar os CFOPs zerados no livro, é necessário configurar o campo CFOP Zerado, que vem com a opção Ocultar, por padrão.

 

Opção para ocultar ou apresentar os CFOPs zerados

 

Observação: esta funcionalidade irá exibir CFOPs que tenham resultado zerado, mas que tenham sido utilizados de alguma forma no período (nota cancelada, nota que sofreu alteração pela tabela de regras fiscais).

 

7 – ARQUIVOS DIGITAIS

O Triple One disponibiliza a função de geração de arquivos digitais no módulo Arquivos Digitais.

 

Arquivos Digitais

 

Observação: Os módulos abaixo possuem manuais próprios e, portanto, não são detalhados neste manual.

 

  • Comunicação/Energia Elétrica;
  • GIA – Paraná;
  • CAT 52;
  • GIA – Rio Grande do Sul;
  • GIA – Rio de Janeiro;
  • Livro Eletrônico do DF;
  • DAPI – MG;
  • GIA-ST;
  • DES – Belo Horizonte – MG.

 

7.1 – DMA – DECLARAÇÃO E APURAÇÃO MENSAL DO ICMS (BAHIA)

A DMA é uma obrigação exclusiva para o estado da Bahia. A geração deste arquivo é feito na janela DMA – Gerador de arquivo digital, disponível no caminho de menu:

 

Triple One > PROFIS – Procedimentos Fiscais > Arquivos digitais > DMA

 

Janela para geração da DMA

 

No formulário da DMA, é necessário selecionar o Período Contábil, informar se há alguma condição especifica no quadro Opções e preencher a data de Encerramento do Balanço.

 

A maioria das informações da DMA são obtidas automaticamente por meio dos documentos de marketing do SAP Business One e das apurações realizadas no Triple One. No entanto, existem informações que precisam ser complementadas antes da geração do arquivo nas abas dos registros indicados abaixo:

 

  • Tipo 15: informar o valor do diferencial de alíquota apurado no período

 

Tipo 15 – Diferencial de alíquota

 

  • Tipo 16: informar o valor do diferimento recolhido no período e o valor do imposto recolhido – conta corrente.

 

Tipo 16 – Valor do diferimento e do imposto recolhido (conta corrente)

 

  • Tipo 18: informar os valores relacionados ao crédito fiscal acumulado na exportação de mercadoria.

 

Saldo Anterior na Exportação: valor do saldo anterior do crédito fiscal na exportação.

Crédito na Exportação Direta: valor do crédito fiscal na exportação direta gerado no mês.

Crédito na Exportação Indireta: valor do crédito fiscal na exportação indireta gerado no mês.

Pagamento do ICMS: valor para pagamento do ICMS normal dos créditos utilizados no mês.

Crédito de Transferência: valor de transferência para outros estabelecimentos dos créditos utilizados no mês.

Transferência para Terceiros: valor transferido para terceiros de créditos utilizados no mês.

 

Tipo 18 – valores relacionados ao crédito fiscal acumulado na exportação de mercadoria.

           

  • Tipo 19: informar os valores do crédito fiscal acumulado na exportação de mercadorias e em operações com diferimento, isenção, redução de base de cálculo e outros motivos.

 

Crédito da Exportação para Importação: valor do crédito fiscal acumulado na exportação utilizado no mês na importação de mercadorias do exterior.

Crédito da Exportação Denúncia: valor do crédito fiscal acumulado na exportação utilizado no mês decorrente de denúncia espontânea.

Crédito da Exportação Autuação: valor do crédito fiscal na exportação decorrente de autuação fiscal.

Crédito Acumulado: valor do saldo anterior do crédito fiscal acumulado em virtude de diferimento, isenção, outros motivos.

Crédito Diferimento: valor do crédito gerado no mês decorrente do diferimento.

Crédito Isenção: valor do crédito gerado no mês decorrente de isenção.

Crédito Redução: valor do crédito gerado no mês decorrente de redução da base de cálculo.

 

Tipo 19 – valores do crédito fiscal acumulado na exportação de mercadorias e em operações com diferimento, isenção, redução de base de cálculo e outros motivos.

 

  • Tipo 20: informar valores do crédito fiscal acumulado em virtude de diferimento, isenção, redução de base de cálculo e outros motivos (continuação do registro tipo 19).

 

Crédito Outros Motivos: valor do crédito gerado no mês de outros motivos.

Crédito para ICMS: valor do crédito utilizado no mês para pagamento do ICMS normal.

Crédito na Importação: valor do crédito utilizado no mês na importação de mercadorias do exterior, em virtude de diferimento, isenção, redução de base de cálculo e outros motivos.

Crédito por Denúncia: valor do crédito utilizado no mês decorrente de denúncia espontânea, em virtude de diferimento, isenção, redução de base de cálculo e outros motivos.

Crédito por Autuação: valor do crédito utilizado no mês decorrente de autuação fiscal em virtude de diferimento, isenção, redução de base de cálculo e outros motivos.

Crédito Transferido: valor do crédito utilizado no mês transferido, em virtude de diferimento, isenção, redução de base de cálculo e outros motivos.

 

Configuração dos campos na aba Tipo 20

 

Depois de inserir todos os valores, basta clicar no botão Atualizar. O Triple One registrará as informações e gerará o arquivo na Pasta de ampliações, configurada no Tópico 4.1 deste manual.

 

Observação: Os valores referentes ao FCP – ICMS e FCP – ICMS-ST, são somados aos valores de ICMS e ICMS-ST, respectivamente, para a geração dos registros: 08, 09, 14, 15, 16, 17 e 18.

 

7.2 – DMS – DECLARAÇÃO MENSAL DE SERVIÇO (SALVADOR/BA)

A DMS – Declaração Mensal de Serviço é uma obrigação acessória exclusiva da cidade de Salvador (BA) e, consiste no registro e envio mensal para a prefeitura de informações econômicas e fiscais, decorrentes de serviços prestados e/ou tomados.

Para gerar o arquivo dessa obrigação é necessário acessar o módulo disponível no seguinte caminho de menu:

 

Triple One > PROFIS – Procedimentos Fiscais > Arquivos Digitais > DMS

 

Acesso ao módulo DMS

 

Para os documentos de entrada (serviços tomados) é necessário informar se o prestador do serviço é optante pelo Simples Nacional. Essa informação deve ser preenchida no documento de marketing em Campos definidos pelo usuário. Por padrão, o campo é preenchido com Não.

 

Opção para informar se o prestador do serviço é optante pelo simples nacional

 

7.3 – DES – DECLARAÇÃO ELETRÔNICA DE SERVIÇOS (SÃO PAULO/SP)

A DES – Declaração Eletrônica de Serviços é exclusiva para a prefeitura de São Paulo para a geração de um arquivo eletrônico com as informações dos serviços prestados e/ou tomados.

 

Caminho para a janela de geração da DES

 

Observação: para a composição do arquivo são considerados os documentos que contenham itens do tipo Serviço.

 

A DES foi extinta pela Lei 15.406 de 9 de Julho de 2011 e permanece no menu do Triple One para a geração de períodos antigos e retificações necessárias.

           

7.4 – GIA – SÃO PAULO (GUIA DE INFORMAÇÃO A APURAÇÃO)

A geração da GIA de São Paulo é bastante simples. Primeiro, acesse o módulo GIA – Gerador do arquivo digital, que fica no seguinte caminho de menu:

 

Triple One > PROFIS – Procedimentos Fiscais > Arquivos Digitais > GIA – São Paulo

 

Com a janela aberta, se a empresa tiver base multifilial, escolha a filial, depois, selecione o Período Contábil a ser considerado e, por fim, clique no botão Atualizar.

Se o arquivo da GIA já foi transmitido, é possível gerar um novo arquivo. Para isso, basta selecionar a opção Documento Fiscal já Transmitido.

 

Janela de geração da GIA – São Paulo

 

Observação: As informações geradas no arquivo possuem como origem os documentos de marketing do SAP Business One e as apurações realizadas no Triple One. Dessa forma, os valores referentes ao FCP – ICMS e FCP – ICMS-ST, são somados aos valores de ICMS e ICMS-ST, respectivamente, para a escrituração no arquivo.

 

A partir da PL65, da versão 1.21.13.20 do Triple One, para geração do registro 20 da GIA com base nos dados da janela dos registros C197 e D197, disponível por meio da opção de Observações Iniciais e Finais do documento de marketing, é necessário inserir as Informações complementares – GIA.

 

Informações para a GIA com base nos registros C197/D197

 

Observação: Ao utilizar Cód. Sub. Item que termine em XXX.99, é necessário preencher o campo de Fundamentação Legal.

 

Observação: como regra geral, são escriturados apenas os documentos com modelos fiscais e com itens classificados como Material no Cadastro do Item. No entanto, notas lançadas com modelo 21 e 22 e com itens classificados como Serviço também serão escrituradas nos Livros Fiscais.

 

7.4.1 – OPERAÇÕES DE FRETE INTERESTADUAIS COM FORNECEDOR LOCALIZADO NO MESMO ESTADO

Em operações de frete interestaduais, realizadas com fornecedor localizado no mesmo Estado do contratante, ou seja, São Paulo, os campos Código do Estado e Código do Município da aba Imposto devem ser alterados manualmente para indicar o estado e município de destino da operação. Essa alteração é necessária, pois esses campos carregam automaticamente os dados do Cadastro do Parceiro de Negócio.

 

Código do Estado e do Município da aba Imposto

 

Observação: se o CFOP utilizado na operação iniciar com 2, ou seja, indicar operação interestadual, e os campos estiverem preenchidos com o Estado de São Paulo e, consequentemente, um município desse estado, o aplicativo da GIA apresentará um erro no momento de importar o arquivo.

 

7.4.2 – INFORMAÇÕES GERADAS PARA O REGISTRO 30 – DIPAM – B

As informações escrituradas no registro 30 – DIPAM-B da GIA de São Paulo seguem as seguintes regras de acordo com o CFOP da operação:

  • para a modalidade de transporte (CódDipam 2.3) são considerados os seguintes CFOPs 5351 a 5399, 6351 a 6399  e 7351 a 7399;
  • para a modalidade de comunicação (CódDipam 2.4) são considerados os seguintes CFOPs 5301 a 5349, 6301 a 6349 e 7301 a 7349;
  • para a modalidade de energia (CódDipam 2.5) são considerados os seguintes CFOPs 5153, 6153, 5251 a 5299, 6251 a 6299 e 7251 a 7299.

 

7.5 – GNRE – GUIA NACIONAL DE RECOLHIMENTO DE TRIBUTOS ESTADUAIS

A janela para informar GNRE – Guia Nacional de Recolhimento de Tributos Estaduais é acessível pelo seguinte caminho de menu:

 

Triple One > PROFIS – Procedimentos Fiscais > Arquivos Digitais > GNRE

 

Depois de acionar o módulo, a janela da GNRE será exibida. Clique no botão Novo para adicionar as informações necessárias.

 

Janela para geração da GNRE

 

Para eliminar qualquer linha inserida na grade do formulário, basta clicar com o botão direito na linha e selecionar a opção Eliminar linha. Para alterar alguma informação já inserida, basta clicar na seta amarela correspondente a linha a ser alterada. O formulário Registro GNRE aparecerá novamente e permitirá a alteração das informações. Após o preenchimento, clique no botão Atualizar para salvar as alterações.

 

Observação: O preenchimento de todos os campos é obrigatório, caso contrário, o Triple One não permitirá a inserção das informações.

 

As informações da GNRE são consideradas na geração do arquivo do Sintegra.

 

7.6 – IN86 – INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº86

A Instrução Normativa SRF nº 86, DOU de 23/10/2001 abrange todas as pessoas jurídicas que se utilizam de sistemas de processamento eletrônico de dados para registrar negócios e atividades econômicas ou financeiras, escriturar livros ou elaborar documentos de natureza contábil ou fiscal, e obriga-as a manter, à disposição da Secretaria da Receita Federal (SRF), os respectivos arquivos digitais e sistemas, pelo prazo decadencial previsto na legislação tributária.

 

O Triple One está preparado para gerar os seguintes arquivos contábeis da IN86:

  • Arquivo – Lançamentos Diário Geral – ADE Cofis 15/2001;
  • Arquivo – Saldos Mensais Diário Geral – ADE Cofis 15/2001;
  • Arquivo – Plano de Contas Diário Geral – ADE Cofis 15/2001;
  • Arquivo – Centro de Custo/Despesa – ADE Cofis 15/2001.

 

O módulo para geração da IN68 – Gerador de arquivo digital é acessível pelo seguinte caminho de menu:

 

Triple One > PROFIS – Procedimentos Fiscais > Arquivos digitais > IN86

 

Com a janela aberta, basta selecionar a Filial, depois, o período contábil e o Centro de Custo.

Por fim, clique no botão Atualizar. O sistema processará a informação e, assim que terminar, exibirá uma mensagem de "operação realizada com sucesso" no rodapé.

 

Janela para geração do arquivo digital IN86

 

Exemplos de arquivos gerados:

  • Lançamentos Diário Geral – "IN86_LCTCONT_122007_122007.txt";
  • Saldos Mensais Diário Geral – "IN86_SALDO_122007_122007.txt";
  • Plano de Contas Diário Geral – "IN86_PLANCON_122007_122007.txt";
  • Centro de Custo/Despesa – "IN86_CENTCUST_122007_122007.txt".

 

Para validar os arquivos gerados, é necessário utilizar o software disponibilizado pela Receita Federal.

 

Observação: Antes de executar o programa da receita, altere a configuração de Data abreviada do Windows para dd/mm/aaaa. Essa configuração fica no menu Região e Idioma, no Painel de Controle.

 

No software do Sinco, selecione a opção ADE COFIS 15/2001 (IN SRF 86/01):

 

Escolha a opção ADE COFIS 15/2001

 

Depois, escolha a opção desejada:

 

Opções do ADE COFIS 15/2001

 

Clique em OK:

 

Confirme a opção

 

Em seguida, é necessário selecionar o arquivo gerado pelo Triple One, no diretório escolhido anteriormente e apertar Ok:

 

Localizar arquivo a ser validado

 

7.7 – MANAD – MANUAL NORMATIVO DE ARQUIVOS DIGITAIS – APLICADO À FISCALIZAÇÃO DA SECRETARIA DA RECEITA PREVIDENCIÁRIA – SRP

O módulo para geração do MANAD é acessível pelo seguinte caminho de menu:

 

Triple One > PROFIS – Procedimentos Fiscais > Arquivos digitais > MANAD

 

Janela para geração do MANAD

 

Com a janela aberta, basta selecionar a Filial, depois, o período contábil, o Centro de Custo e a Finalidade.

Por fim, clique no botão Atualizar. O sistema processará a informação e, assim que terminar, exibirá uma mensagem de "operação realizada com sucesso" no rodapé.

 

Os arquivos digitais, gerados pelo Triple One, devem ser previamente validados pela empresa, antes do envio para a Secretaria da Receita. Essa validação é feita com o SVA (Sistema Validador e Autenticador de Arquivos), disponível na página do Ministério da Previdência Social.

 

No SVA, será necessária a validação dos arquivos gerados de acordo com o leiaute estabelecido no Manual de Arquivos Digitais (MANAD). Após a seleção do tipo de arquivo, clique em Adic. Arquivo(s) ou Adic. Pastas e escolha o arquivo a ser gerado.

 

Seleção do tipo de Arquivo

 

Depois de escolher o arquivo gerado pelo Triple One, clique em Validar arquivo(s).

 

Botão para validação do MANAD

 

7.8 – REDF – REGISTRO ELETRÔNICO DE DOCUMENTO FISCAL (SÃO PAULO)

O módulo para geração do REDF – Registro Eletrônico de Documento Fiscal é acessível pelo seguinte caminho de menu:

 

Triple One > PROFIS – Procedimentos Fiscais > Arquivos digitais > REDF

 

Com a janela aberta, basta selecionar a Filial e o período contábil.

 

Janela para geração do REDF

 

Para gerar o arquivo clique no botão Atualizar. O sistema processará a informação e, assim que terminar, exibirá uma mensagem de "operação realizada com sucesso" no rodapé.

 

O arquivo será gerado apenas com notas nos modelos 1 e 1-A.

 

7.9 – SINTEGRA – SISTEMA DE INFORMAÇÕES SOBRE OPERAÇÕES INTERESTADUAIS COM MERCADORIAS E SERVIÇOS

Para gerar o Sintegra, acesse o seguinte caminho de menu:

 

Triple One > PROFIS – Procedimentos Fiscais > Arquivos Digitais > Sintegra

 

Caminho para acessar o módulo do Sintegra

 

Com a janela exibida, selecione a Filial e escolha o Período Contábil a ser considerado no Sintegra.

 

Seleção da filial e do Período Contábil para o Sintegra

 

Depois, indique a natureza das operações informadas. Se for a opção 1 ou 2, é necessário selecionar o estado no campo que é habilitado.

 

Ao selecionar a opção 1 ou 2, é necessário indicar o estado também

 

Já para a opção 3 – Totalidade das operações do informante é possível incluir o Registro de Inventário no arquivo.

 

Na opção 3 – totalidade das operações do informante é possível incluir o inventário

 

Se o inventário for selecionado, então as datas devem ser informadas nos campos Inventário realizado ou Inventário corrente. Pode-se preencher apenas um dos campos ou ambos. É gerado um registro 74 para cada campo preenchido. Nenhuma das datas pode ser maior que o Período Contábil.

 

Observação: As regras de preenchimento do registro 74 do Sintegra variam entre os estados, portanto, o usuário deve se atentar para o preenchimento correto de seu cenário no Triple One. Para as bases multifiliais, o sistema verifica as informações dos depósitos atribuídos para cada filial. Assim, para a geração do registro 74 do Sintegra, é importante se atentar à correta configuração dos depósitos. Essa configuração é feita na aba Inventário, em Configurações Adicionais do Triple One.

 

Se houver a necessidade de substituição total das informações prestadas anteriormente pelo contribuinte, selecione a opção Retificação Total. Depois, clique no botão Atualizar novamente.

 

De acordo com o Manual de Orientação do Convênio 57/95, na posição 87 do registro tipo 11, devem ser informados os dados da pessoa responsável para contato. Vale lembrar que, em alguns casos, este contato não é necessariamente o contador.

 

Informe o nome do Contato em Dados Complementares do Informante

 

Por conta disso, para esse campo, o Triple One carrega a informação que estiver preenchida na janela de Detalhes da empresa:

 

Gerente ativo é informado em Detalhes da empresa

 

Observação: Em bases multifiliais, os dados complementares do informante, que são carregados para o Sintegra, devem ser informados na aba Geral em Configurações Adicionais do Triple One.

 

Para a informação específica do contador, deve ser selecionada a opção de Incluir registro 88 Software/Contador, no momento de geração do arquivo do Sintegra:

 

Opção para incluir o contador no Sintegra

 

Observação: Para itens classificados como material do tipo serviços não existe um NCM correspondente e, por consequência, não existe a obrigatoriedade de informá-lo no Sintegra. No entanto, se a empresa configurou o SAP Business One para tornar o preenchimento do campo Código NCM obrigatório, o cadastro do item só é finalizado se o campo for informado. Para esses casos, o Triple One não escritura o NCM no Sintegra.

 

A partir da PL 52, da versão 1.21.13.20 do Triple One, a inclusão do registro 61R, referente ao Resumo Mensal por Item, passa a ser opcional.

 

Opção para incluir o registro 61R

 

Observação: o registro 61R é gerado para os seguintes modelos de documentos do SAP Business One: 2, 13, 14, 15, 16 e NFC-e (65).

 

A partir da PL 55, da versão 1.21.13.20 do Triple One, a inclusão do registro 54 passa a ser opcional.

 

Opção para incluir o registro 54

 

Para notas de complemento de imposto de mais de um item, com mesmo CFOP e a mesma alíquota, os valores serão concatenados no Registro 54.

 

A partir da PL 118, se no cadastro do item ou do ativo, o campo Tipo de Material FOR configurado com a opção 08 – ativo imobilizado, a unidade de medida para a geração do registro 75 será a inserida na aba Dados de Compras. Se não houver preenchimento, a unidade de medida considerada será a da aba Dados de Estoque. Não existindo UM cadastrada nas abas, o campo unidade de medida do registro 75 será preenchido automaticamente com a informação UN.

 

Observação: o registro 75 somente é gerado quando forem selecionados os registros 61R e/ou o 54.

 

O campo Incluir registro 88 Subst. Tributária permite a importação de dados incluídos em planilha Excel para a geração dos Registros 88 com Subtipos STES e STITNF. Para realizar a importação é necessário selecionar uma filial, caso seja uma base multifilial, e selecionar o período ou informar a data inicial que será considerada para a geração dos registros. Será verificada da linha 1 até a 5 se existe alguma linha que contenha a coluna A preenchida com 88 e a coluna B com STES ou STITNF. Caso não exista, a planilha será ignorada.

 

Botão que permite realizar a importação das planilhas Excel

 

Para que a importação do registro tipo 88 com sub tipo STES ocorra de maneira correta a planilha Excel deve conter as seguintes colunas:

 

Colunas necessárias para preenchimento do registro 88STES

 

Exemplo de preenchimento de planilha e formato dos campos

 

Para que a importação do registro tipo 88 com sub tipo STITNF ocorra de maneira correta a planilha Excel deve conter as seguintes colunas:

 

Colunas necessárias para preenchimento do registro 88STITNF

 

Exemplo de preenchimento de planilha e formato dos campos

 

Caso necessite remover os registros para o período selecionado, basta clicar no Botão com X, e todos os registros dos dois sub tipos STES e STITNF serão removidos.

 

Botão que possibilita a exclusão dos registros 88 STES e STITNF para o período selecionado

 

Tendo importado a planilha de um determinado período, caso a geração do SINTEGRA seja realizada em outra oportunidade, não é necessário importar novamente a planilha. Os dados são gravados na tabela SKILL_SINT_001 – SINTEGRA – Registro 88 por período e por filial.

 

Acesso à tabela de armazenamento dos dados dos registros 88 STES e STITNF importados

 

Tabela de Armazenamento dos dados dos registros 88 STES e STITNF importados

 

Observação: para esta funcionalidade é necessário que a máquina utilizada na importação tenha o Microsoft Excel instalado.

Observação: Os valores referentes ao FCP – ICMS e FCP – ICMS-ST, são somados aos valores de ICMS e ICMS-ST, respectivamente, para a escrituração no arquivo do SINTEGRA.

 

Observação: como regra geral, são escriturados apenas os documentos com modelos fiscais e com itens classificados como Material no Cadastro do Item. No entanto, notas lançadas com modelo 21 e 22 e com itens classificados como Serviço também serão escrituradas nos Livros Fiscais.

 

7.10 – SINCO – SISTEMA INTEGRADO DE COLETA

O módulo para geração do SINCO é acessível pelo seguinte caminho de menu:

 

Triple One > PROFIS – Procedimentos Fiscais > Arquivos digitais > SINCO

 

Com a janela aberta, basta selecionar a Filial, o período contábil e o Layout.

 

Janela para geração do SINCO

 

7.11 – DIRF – SERVIÇOS TOMADOS – PJ

O módulo DIRF – Serviços Tomados PJ é acessível pelo seguinte caminho de menu:

 

Triple One > PROFIS – Procedimentos Fiscais > Arquivos digitais > DIRF – Serviços Tomados PJ

 

Acesso à janela de geração da DIRF – Serviços Tomados – PJ

 

Para a geração do arquivo em bases multifiliais clique no botão do campo Filial. Na janela que é exibida, as empresas que vão compor o arquivo devem ser indicadas na coluna Selecionar e a empresa matriz deve ser indicada na coluna Centralizadora.

 

Seleção de filiais para compor o arquivo e identificação da matriz

 

As opções da Natureza do Declarante serão habilitadas de acordo com a informação contida no campo Tipo do Declarante, da aba Dados Contábeis, no cadastro da empresa, acessível pelo seguinte caminho de menu:

 

Administração > Inicialização do Sistema > Detalhes da Empresa

 

Informação é carregada automaticamente do campo Tipo de declarante

 

Para bases multifiliais, a informação é extraída do cadastro de filiais da empresa indicada como matriz no momento da geração do arquivo.

 

Opções de identificação do declarante

 

O campo Categoria de Imposto – Nota Fiscal possibilita escriturar os rendimentos e as retenções com base na data de lançamento ou com base na data do documento.

 

Opções para configurar o campo Categoria de Imposto – Nota Fiscal

 

Observações:

  • A opção Pagamentos relacionados aos Jogos Olímpicos de 2016 e aos Jogos Paraolímpicos de 2016 ao configurar o ano de referência como 2019, fica indisponível para seleção.
  • A opção Entidade com participação da União conforme IN 1234/2012, art. 4º, incisos III e IV será habilitada apenas se o campo Natureza do declarante estiver configurado com as opções 0,1, 3 ou 8.
  • A opção Fundação pública de direito privado instituída pela União, pelos Estados/Distrito Federal ou pelos Municípios será habilitada apenas se o campo Natureza do declarante estiver configurado com as opções 1, 2 ou 8.
  • Ao configurar o Ano de Referência com uma data superior ao ano em curso será apresentada a seguinte mensagem: Leiaute da DIRF não disponibilizado no Addon para a geração do período informado.

 

Com todas as informações prontas, clique no botão Gerar. O arquivo com as informações dos serviços tomados para a DIRF será gerado em uma subpasta no caminho indicado na Pasta de ampliações, disponível nas configurações gerais do Triple One. Além deste arquivo, também será gerado, ao clicar no botão Gerar, um arquivo CSV para conferência das informações da DIRF, com o detalhamento das notas e pagamentos do período. Este arquivo será salvo na mesma pasta do arquivo da DIRF, com o mesmo nome e com a adição do _Conferencia.

 

Observações:

  • Serão considerados apenas os códigos de retenção constantes no Anexo I da INSTRUÇÃO NORMATIVA RFB Nº 1671, DE 22 DE NOVEMBRO DE 2016.
  • São geradas informações e valores referentes aos itens classificados como Serviço e como Material.
  • O valor considerado para o registro de rendimentos tributáveis (RTRT) são os valores faturados ou pagos por itens de serviço, respeitando o valor proporcional do pagamento para os casos de tributos configurados como retidos no pagamento.
  • Se houver a retenção de tributo em um único documento para determinado fornecedor durante o período de geração do arquivo, são gerados como rendimentos tributáveis os valores pagos ou faturados (dependendo do código de receita) de todos os documentos do período, conforme determina a legislação.
  • Para os dados do responsável pelo preenchimento, serão considerados os do cadastro da contabilidade da empresa. No caso de base multifilial, serão considerados os dados da empresa centralizadora.
  • O único cenário de beneficiário pessoa física atendido pelo sistema é o pagamento de aluguéis – código 3208.
  • Para geração do código de receita serão considerados os códigos da coluna Código oficial na janela de configuração do Imposto retido na fonte:

 

Para o código de receita será considerado o Código oficial na configuração do Imposto retido na fonte

 

  • Quando existir dois códigos cadastrados na tabela com o mesmo número de Código Oficial sendo um deles de categoria Pagamento e o outro de categoria Nota Fiscal o valor da base de cálculo será gerado, trazendo a informação da retenção de acordo com a categoria selecionada no documento. Quando não houver retenção será carregada a informação para o código 1708 fixo como categoria Nota Fiscal e para os demais códigos como categoria Pagamento.

 

8 – RELATÓRIOS

O Triple One disponibiliza a função de geração de relatórios no módulo Relatórios.

 

Relatórios

 

Observação: O módulo  Relatório de Movimento Fiscal possui manual próprio.

 

8.1 – RELATÓRIOS DE SERVIÇOS

No módulo Relatórios de Serviços é possível gerar relatórios dos documentos referentes aos serviços tomados e prestados. O módulo fica disponível no seguinte caminho de menu:

 

Triple One > PROFIS > Relatórios > Relatório de Serviços

 

Acesso à janela para geração de relatório de serviços prestados e tomados

 

Ao acessar o módulo, é exibida uma janela que permite escolher a geração do relatório por Período Contábil ou Faixa de Datas. Além disso, também é necessário escolher entre Serviços Prestados ou Serviços Tomados.

 

Se a base for multifilial, não se esqueça de selecionar a Empresa também.

 

Janela de opções para geração de relatórios

 

Ao clicar no botão Gerar, o relatório será exibido no formato do Crystal Reports. Então é possível exportá-lo para outros formatos. Incluindo PDF e DOC.

 

Observação: A coluna Imposto Retido, do Relatório de Serviços Tomados/Prestados é preenchida com o ISS Retido do documento de marketing.

 

É possível customizar o arquivo RPT do relatório. Para isso, é necessário acessar a janela de Configuração do Relatório de Serviços, disponível no seguinte caminho de menu:

 

Triple One > PROFIS – Procedimentos Fiscais > Relatórios > Relatório de Serviços > Configuração

 

Aceso à janela de configuração para customização do RPT

 

Ao acessar a janela, é necessário escolher a filial e indicar a pasta local na qual se encontra o arquivo RPT Já customizado.

 

Configuração de pasta local para customização do RPT do relatório de serviços

 

A customização do RPT é de responsabilidade do usuário. O arquivo fica disponível no seguinte caminho na instalação padrão (32 bits): C:\Program Files (x86)\SAP\SAP Business One\AddOns\Skill\Triple One 9\Reports.

 

Observação: Será considerada na geração do Relatório de Serviços, a configuração Escriturar nota fiscal de serviço (bloco A) pela data de execução/ conclusão do serviço? para as notas de Entrada e/ou Saída na tela Informações Adicionais da EFD Contribuições. Com isso as informações serão apresentadas de acordo com a data inserida no campo de usuário Data de aquisição / prestação dos documentos de entrada e/ou de saída.

 

Os modelos NF-e e NFC-e serão exibidos no relatório de serviços, tanto para serviço tomado como para serviço prestado, desde que possuam item classificado como serviço e código de imposto com ISS.

 

Configuração do Item como Serviço

 

8.2 – RELATÓRIO DE IMPOSTOS RETIDOS (ENTRADAS)

No módulo Relatórios de Impostos Retidos é possível gerar relatórios dos impostos retidos nos documentos referentes aos serviços tomados, ou seja, nas entradas. O módulo fica disponível no seguinte caminho de menu:

 

Triple One > PROFIS > Relatórios > Relatório de Impostos Retidos

 

Acesso à janela de geração do Relatório de Impostos Retidos

 

Ao acessar o módulo, é exibida uma janela para informar os parâmetros de geração do relatório.

 

Tela para a geração do Relatório de Impostos Retidos

 

No campo Filial deve ser informada a empresa para a geração do relatório. É possível gerar as informações consolidadas de matriz e filiais, marcando a opção Consolidar Matriz. A consolidação é feita de acordo com a configuração de matriz e filial disponível em:

 

Administração > Configuração > Finanças > Filiais

 

Tela para cadastro de informações das empresas de base multifilial

 

Para utilizar essa funcionalidade é necessário indicar com Sim qual é a matriz na coluna Matriz Fiscal e, para os demais estabelecimentos, na coluna Matriz do Grupo, é necessário indicar o número da linha correspondente à empresa que consolidará as informações, ou seja, deve-se preencher com o número da linha da empresa configurada como matriz.

 

Exemplo de configuração para consolidação das informações das empresas e suas respectivas filiais

 

O relatório pode ser gerado por tipo de Imposto ou Código Oficial de acordo com as informações cadastradas no módulo de Imposto retido na fonte – Configuração do SAP Business One. Se os campos não forem preenchidos, o sistema carrega todos os impostos retidos de acordo com a Filial e o Período selecionados.

 

Configuração de imposto retido do SAP

 

No campo Período, deve ser informado o período referente ao fato gerador. Portanto, para impostos retidos configurados com a Categoria Pagamento, as informações serão apresentadas de acordo com a data de pagamento da nota.

Já para a Categoria Nota Fiscal, as informações podem ser apresentadas pela Data de Lançamento ou pela Data de Documento da nota fiscal de acordo com o preenchimento do campo Categoria de Imposto – Nota Fiscal na tela de geração.

Observe, no exemplo abaixo, que para o Tipo de Imposto IRRF, a Categoria é Nota Fiscal e, por esse motivo, a nota é apresentada pela data de lançamento (selecionada em Categoria de Imposto – Nota Fiscal). Para o Tipo de Imposto Cofins, PIS e CSLL, a Categoria é Pagamento e, portanto, as retenções são apresentadas de acordo com a data de pagamento (fato gerador).

 

Exemplo de relatório para o período 02/2020

 

É possível gerar um arquivo excel utilizando a funcionalidade do SAP Business One.

 

Possibilidade de gerar o relatório em excel

 

8.3 – RELATÓRIO DE PIS/COFINS

O Relatório de Pis/Cofins foi desenvolvido para ajudar o usuário na conferência das informações geradas referentes ao Pis e à Cofins no Triple One.

O add-on confere a informação do Código Indicador Tributário, na janela de Informações Adicionais do módulo da EFD – Contribuições, para gerar o relatório de acordo com o tipo de regime da empresa. Portanto, é importante que essa informação esteja configurada corretamente.

Será considerada também, a configuração Escriturar nota fiscal de serviço (bloco A) pela data de execução/ conclusão do serviço? para as notas de Entrada e/ou Saída na tela Informações Adicionais da EFD Contribuições. Com isso as informações serão apresentadas de acordo com a data inserida no campo de usuário Data de aquisição / prestação dos documentos de entrada e/ou de saída.

 

Para gerar o relatório, acesse o seguinte caminho de menu:

 

Triple One > PROFIS – Procedimentos Fiscais > Relatório de Pis/Cofins

 

Acesso à janela de geração do Relatório Pis/Cofins

 

Na janela que é exibida, em caso de base multifilial, escolha a Empresa, depois, informe se deseja gerar o relatório Consolidado e a Faixa de Datas. Depois, clique no botão Gerar.

 

Janela para geração do Relatório Pis/Cofins

 

Observação: Se o campo Consolidado estiver desmarcado, apenas serão consideradas as informações da filial selecionada. Se o campo for selecionado, serão considerados os documentos da filial selecionada e das demais filiais que estejam com o campo Matriz do Grupo selecionado, na configuração de filiais.

 

O relatório é gerado em formato Crystal Reports

 

Exemplo de relatório gerado para o regime não-cumulativo

 

Para conferir o detalhamento dos documentos, utilize duplo clique na linha do CST. Outro relatório é apresentado com a composição do valor.

 

Exemplo de detalhamento por CST

 

Observações:

  • O valor de COFINS MAJORADO não compõe o valor da base de cálculo e nem da COFINS, serão considerados as bases e os valores de COFINS e de COFINS IMPORTAÇÃO.
  • Ao gerar o relatório, os documentos com status Cancelado no SAP serão escriturados no relatório, caso não exista o cancelamento na SEFAZ.
  • A coluna Total Item, do Relatório de PIS e COFINS, exibirá o valor de cada item individualmente.

 

9 – TERMO DE ABERTURA/ENCERRAMENTO

No módulo Termo de Abertura/Encerramento, é possível gerar um termo para abertura ou para encerramento para os Livros Fiscais. Basta acessar a funcionalidade no seguinte caminho:

 

Triple One > PROFIS – Procedimentos Fiscais > Termo de Abertura / Encerramento

 

Na janela que é exibida ao acionar o módulo, preencha os campos e clique em Adicionar.

 

Janela para inserção de informações do Termo de Abertura/Encerramento

 

 

10 – EMISSOR DE CUPOM FISCAL – SOLUÇÃO CUSTOMIZADA

Para os documentos emitidos por Equipamento de Cupom Fiscal, existem três possibilidades de inserção das informações no SAP Business One para a correta escrituração nos livros fiscais e nas obrigações acessórias.

 

Observação: lembramos que de acordo com a legislação devem ser escriturados apenas os documentos de saída.

 

10.1 – ESCRITURAÇÃO PELO DOCUMENTO DE MARKETING – CUPOM FISCAL

Para esse caso, é necessário que:

  • todos os cupons fiscais sejam inseridos no sistema com o modelo de documento CF;
  • os campos Código do Totalizador e Código Equipamento no documento de marketing estejam preenchidos:

 

Campos para preenchimento na inserção de documento com modelo CF

 

Além disso, também é necessário o preenchimento das tabelas abaixo, pois algumas informações solicitadas nas obrigações acessórias não constam no documento fiscal:

 

  • SKILL_31ECF01 – ECF Equipamento
  • SKILL_31ECF02 – Totalizador Diário ECF
  • SKILL_31ECF03 – Totalizador Diário ECF – Detalhes

 

O campo Codigo Equipamento do documento de marketing deve fazer referência à tabela SKILL_31ECF02, coluna U_CodeEq.

Já o campo Código do Totalizador deve fazer referência à tabela SKILL_31ECF03, coluna U_CodTotal.

 

Observação: nesse modelo de escrituração devem ser inseridos TODOS os cupons emitidos pela empresa, inclusive os cancelados.

 

10.2 – ESCRITURAÇÃO PELAS TABELAS SKILL – SOLUÇÃO CUSTOMIZADA

Para as empresas que não quiserem inserir todos os cupons fiscais dentro do SAP Business One, é possível inserir as informações nas tabelas desenvolvidas pela Skill para a escrituração das obrigações acessórias.

 

O primeiro passo é informar a opção pela utilização da solução customizada em:

 

Triple One > Configurações Adicionais > Configurações Adicionais

 

Opção para utilizar solução customizada para ECF

 

Em seguida, é necessário preencher todas as Tabelas da SKILL relacionadas à ECF:

 

  • SKILL_31ECF01 – ECF Equipamento
  • SKILL_31ECF02 – Totalizador Diário ECF
  • SKILL_31ECF03 – Totalizador Diário ECF – Detalhes
  • SKILL_31ECF04 – ECF – Documentos
  • SKILL_31ECF05 – ECF – Itens do Documento
  • SKILL_31ECF06 – ECF – Impostos do documento
  • SKILL_31ECF07 – ECF – Inventário itens

 

Observação: o preenchimento das tabelas pode ser customizado para permitir a integração do sistema responsável em emitir o Cupom Fiscal com as tabelas de ECF do Triple One.

 

Também é necessário inserir as Reduções Z como documento de marketing com o modelo CF para a apuração do ICMS e registro no SAP.

 

Modelo da nota é selecionado na aba Imposto do documento de marketing

 

O preenchimento das tabelas e a inserção da Redução Z serão responsáveis por gerar as informações das obrigações acessórias.

 

Observação: a apuração dos tributos é feita no módulo PROFIS com base nas informações fiscais inseridas nos documentos de marketing do SAP Business One (Redução Z), portanto, não serão considerados na apuração dos tributos os valores gravados nas tabelas referentes à ECF da SKILL.

 

Abaixo seguem as orientações para o preenchimento das tabelas da Skill.

 

10.2.1 – SKILL_31ECF01 – ECF EQUIPAMENTO

Esta tabela tem por objetivo identificar os equipamentos de ECF e deve ser preenchida por todos os contribuintes que utilizem tais equipamentos na emissão de documentos fiscais, independente da opção de escolha para a escrituração do cupom fiscal (cupom a cupom ou tabelas).

 

  • Code: criado pelo usuário – chave da tabela;
  • Name: criado pelo usuário – chave da tabela;
  • Modelo Equipamento (U_ECF_Mod): informar o modelo do equipamento;
  • Numero Serie Equipamento (U_ECF_Fab): informar o número de série do equipamento;
  • Numero Caixa Equipamento (U_ECF_Cx): informar o número de Caixa do equipamento determinado pelo estabelecimento;
  • Codigo do Modelo do Documento (U_ECF_MODF): informar o modelo do Documento Fiscal (Código Interno B1 = 24);
  • Codigo da Filial (U_BPLId): informar o código da filial;
  • Tipo Emissão: Cupom Fiscal MRV, Cupom Fiscal PDV ou Cupom Fiscal ECF.

 

10.2.2 – SKILL_31ECF02 – TOTALIZADOR DIÁRIO ECF

Essa tabela deve ser preenchida com as informações da Redução Z de cada equipamento na data das operações de venda e por todos os contribuintes que utilizem tais equipamentos na emissão de documentos fiscais, independente da escolha para a escrituração do cupom fiscal.

 

  • Code: Criado pelo usuário – chave da tabela;
  • Name: Criado pelo usuário – chave da tabela;
  • Data de movimento (U_DataMovimento): informar a data da redução Z;
  • Código Modelo B1 (U_Cod_Mod): informar o modelo do Documento Fiscal (Código Interno B1 = 24);
  • Código do Equipamento (U_CodeEq): informar o código do equipamento que deve ser igual ao campo code da tabela SKILL_31ECF01;
  • Contador Reinicio Operação (U_ECF_CRO): informar o contador de reinicio de operação;
  • Contador Redução Z (U_ECF_CRZ): informar o contador da Redução Z;
  • Contador Ordem Operação (U_ECF_COO): informar o número do primeiro documento fiscal emitido no dia;
  • Contador Ordem Operação Final (U_ECF_COO_Final): informar o número do último documento fiscal emitido no dia;
  • Grande Total Dia do modelo (U_ECF_GTDia): informar a soma do valor acumulado no totalizador de venda bruta até o dia;
  • Venda Bruta do modelo (U_ECF_Bruta): informar o valor no totalizador de venda bruta por dia/equipamento;
  • Valor PIS (U_VL_PIS): informar o total do PIS por dia/equipamento;
  • Valor Cofins (U_VL_COFINS): informar o total da COFINS por dia/equipamento;
  • Codigo da Filial (U_BPLId): informar o código da filial;
  • Mapa Resumo (U_MapaResumo): informar o numero do Mapa Resumo, se houver.

 

Observação: Os dados serão agrupados por data de movimento, modelo de nota fiscal e equipamento.

 

10.2.3 – SKILL_31ECF03 – TOTALIZADOR DIÁRIO ECD – DETALHES:

Essa tabela também deve ser preenchida com as informações da Redução Z, independente da opção de escolha para a escrituração do cupom fiscal.

 

  • Code: Criado pelo usuário – chave da tabela;
  • Name: Criado pelo usuário – chave da tabela;
  • Data de movimento (U_DataMovimento): informar a data da redução Z;
  • Código Modelo B1 (U_Cod_Mod): informar o modelo do Documento Fiscal (Código Interno B1 = 24);
  • Código do Equipamento (U_CodeEq): informar o código do equipamento que deve ser igual ao campo code da tabela SKILL_31ECF01;
  • Código do Totalizador (U_CodTotal): informar conforme tabela dos códigos dos totalizadores parciais da redução Z;
  • Valor Acumulado (U_VLR_Acum_Tot): informar o valor acumulado no totalizador, relativo à respectiva Redução Z;
  • Número do Totalizador (U_NR_Tot): informar o número do totalizador quando ocorrer mais de uma situação com a mesma carga tributária efetiva;
  • Descrição Situação Tributária (U_Descr_NR_Tot): informar a descrição da situação tributária relativa ao totalizador parcial, quando houver mais de um com a mesma carga tributária efetiva;
  • Codigo da Filial (U_BPLId): informar o código da filial.

 

Observação: Os dados são agrupados por data de movimento, modelo de nota fiscal, equipamento e alíquota de ICMS.

 

10.2.4 – SKILL_31ECF04 – ECF – DOCUMENTOS

Essa tabela tem por objetivo representar a escrituração dos valores totais de cada documento fiscal emitido por ECF (Cupom Fiscal) e deve ser preenchida por todos os contribuintes que optaram por utilizar a solução customizada para a escrituração do cupom fiscal.

 

  • Code: criado pelo usuário – chave da tabela;
  • Name: criado pelo usuário – chave da tabela;
  • ID (U_Id): criado pelo usuário – chave da tabela;
  • Número do documento (U_Numero): informar o número do cupom fiscal;
  • Data do Documento (U_DataDocumento): informar a data do cupom fiscal;
  • Código B1 do Modelo Fiscal (U_Cod_Mod): informar o modelo do documento fiscal (Código Interno B1 = 24);
  • CNPJ (U_Cnpj): informar o CNPJ do adquirente, se houver;
  • CPF (U_Cpf): informar o CPF do adquirente, se houver;
  • Valor do Documento (U_ValorDocumento): informar o valor cupom fiscal;
  • Valor do PIS (U_ValorPis): informar o valor correspondente de PIS;
  • Valor do Cofins (U_ValorCofins): informar o valor correspondente de COFINS;
  • Nota Fiscal Cancelada (U_Cancelada): informar se o documento esta cancelado Sim/Não (S ou N);
  • Código do Equipamento (U_CodeEq): informar o código do equipamento que deve ser igual ao campo code da tabela SKILL_31ECF01;
  • Codigo da Filial (U_BPLId): informar o código da filial.

 

Observação: Essa tabela simula a "OINV – Documento de Marketing" e deve ter um registro por cupom fiscal.

 

10.2.5 – SKILL_31ECF05 – ECF – ITENS DO DOCUMENTO

Essa tabela tem por objetivo representar a escrituração dos totais de cada item dos documentos fiscais emitidos por ECF e deve ser preenchida por todos os contribuintes que optaram por utilizar a solução customizada para a escrituração do cupom fiscal.

 

  • Code: criado pelo usuário – chave da tabela;
  • Name: criado pelo usuário – chave da tabela;
  • ID (U_Id): código ID deverá ser igual ao campo U_Id da tabela SKILL_31ECF04 para o mesmo cupom fiscal;
  • Código do Item (U_CodItm): informar o código do Item.
  • Descrição do Item (U_DescItm): informar a descrição do Item;
  • Linha (U_linha): informar a linha do Item no Cupom Fiscal;
  • Quantidade (U_qtd): informar a quantidade do Item na linha do Cupom Fiscal;
  • Quantidade Cancelada (U_qtdCanc): informar a quantidade de Itens cancelados na linha do Cupom Fiscal;
  • Unidade de Medida (U_unidMed): informar a unidade de medida do item;
  • Valor do Item (U_valItem): informar o valor total do item;
  • Valor do Desconto (U_valDesc): informar o valor de desconto correspondente ao item;
  • CST de ICMS (U_cstIcms): informar o CST de ICMS do Item;
  • CST de PIS (U_cstPis): informar o CST de PIS do Item;
  • CST de Cofins (U_cstCofins): informar o CST de COFINS do Item;
  • CFOP (U_cfop): informar o CFOP da linha do Item;
  • Código da Filial (U_BPLId): informar o código da filial;
  • Código da conta Analítica (U_codCta): informar a Conta Contábil;
  • Código do Totalizador Parcial (U_codTot): informar o Código Totalizador utilizado para esta carga tributaria devendo ser igual a combinação da tabela SKILL_31ECF03 campo U_codTot;
  • Fator de Conversão (U_fatConv): informar o Fator de Conversão da Unidade de Medida, se houver;
  • Tipo do Item (U_tpItem): informar o Tipo do Item;
  • Código de Barras (U_codBars): informar o Código de Barras do item;
  • Código NCM (U_codNcm): informar o NCM do Item;
  • Classe do Item (U_itemClass): informar a Classificação de itens p/impostos (Material ou Serviço);
  • Número do Totalizador (U_nr_Tot): informar o Numero do Totalizador utilizado para esta carga tributaria devendo ser igual a combinação da tabela SKILL_31ECF03 campo U_nr_Tot.

 

Observação: Essa tabela simula a "INV1 – Itens do Documento de Marketing" e dever ter um registro para cada item do cupom fiscal.

 

10.2.6 – SKILL_31ECF06 – ECF – IMPOSTOS DO DOCUMENTO

Essa tabela tem por objetivo representar a escrituração dos tributos incidentes sobre cada item dos documentos fiscais emitidos por ECF e deve ser preenchida por todos os contribuintes que optaram por utilizar a solução customizada para a escrituração do cupom fiscal.

 

  • Code: criado pelo usuário – chave da tabela;
  • Name: criado pelo usuário – chave da tabela;
  • ID (U_Id): código ID deverá ser igual ao campo U_Id da tabela SKILL_31ECF04 para o mesmo cupom fiscal;
  • Linha (U_linha): informar a linha do Item no Cupom Fiscal;
  • Tipo de Imposto (U_TpImp): informar o Tipo de Imposto (ex: "ICMS", "IPI");
  • Base de Cálculo (U_BaseCalculo): informar o valor da base de calculo do imposto;
  • Alíquota (U_Aliq): informar a alíquota do imposto;
  • Valor do Imposto (U_ValImp): informar o valor do imposto;
  • Quantidade Base de Cálculo (U_QtdBase): informar a base de cálculo do imposto quando expressa em quantidade;
  • Alíquota Quantidade (U_AliqQuant): informar a alíquota por quantidade;
  • Código da Filial (U_BPLId): informar o código da filial.

 

Observação: Essa tabela simula a "INV4 – Impostos dos Itens do Documento de Marketing" e dever ter um registro para cada tipo de imposto do item do cupom fiscal.

 

10.2.7 – SKILL_31ECF07 – ECF – INVENTÁRIO ITENS

Essa tabela tem por objetivo representar as informações cadastrais dos itens utilizados na escrituração dos documentos fiscais emitidos por ECF e deve ser preenchida por todos os contribuintes que optaram por utilizar a solução customizada para a escrituração do cupom fiscal.

 

  • Code: criado pelo usuário – chave da tabela;
  • Name: criado pelo usuário – chave da tabela;
  • Código do Item (U_CodItm): informar o código do Item;
  • Código de Barras (U_codBars): informar o Código de Barras do item;
  • Unidade de Medida Inventário (U_UnidInv): informar a unidade de medida de inventário;
  • Código NCM (U_CodNcm): informar o NCM do Item;
  • Código LST (U_CodLst): informar o código do serviço;
  • Alíquota Interna de ICMS (U_AliqIntIcms): informar a alíquota Interna de ICMS;
  • Código da Filial (U_BPLId): informar o código da filial;
  • Código do Gênero (U_CodGen): informar o Código do Gênero do item.

 

10.3 – ESCRITURAÇÃO A PARTIR DO ARQUIVO DA PORTARIA CAT 52/07 – SOLUÇÃO CUSTOMIZADA

A portaria CAT 52/07 dispõe sobre geração e guarda de arquivo digital por contribuinte usuário de equipamento Emissor de Cupom Fiscal – ECF. Este arquivo deve obedecer a um leiaute predefinido e é relativo à redução z emitida, ou seja, a cada redução z deve existir um arquivo CAT 52.

O módulo CAT 52 tem a finalidade de efetuar a importação das informações do arquivo digital gerado pelo emissor de cupom fiscal da empresa para as tabelas de cupom fiscal do Triple One. Após a importação das informações do arquivo da CAT 52 para as tabelas do Triple One, os cupons fiscais serão devidamente escriturados nas obrigações acessórias.

Para maiores informações, consulte o T1 Manual do Usuário Integração CAT52.

 

10.4 – OBSERVAÇÕES REFERENTES AO LIVRO REGISTRO SAÍDAS

Para a escrituração dos cupons fiscais no Livro Registro de Saídas, existem três opções diferentes no Triple One:

 

10.4.1 – COM BASE NOS DOCUMENTOS DE MARKETING, INCLUSIVE OS DOCUMENTOS DA REDUÇÃO Z

Para esta opção, o campo Emissor de Cupom Fiscal?, encontrado na janela de Configurações Adicionais, não deve estar selecionado. Deste modo, o livro de saída será gerado somente com base nos documentos de marketing.

 

Primeira opção, sem a marcação do campo Emissor de CF

 

10.4.2 – COM BASE NOS DOCUMENTOS DE MARKETING, MAIS AS INFORMAÇÕES DA TABELA SKILL_31ECF02 – ECF – TOTALIZADOR DIÁRIO E COM A OPÇÃO DE EMISSOR DE CF SELECIONADA COM EQUIPAMENTO

 

A segunda opção é com o campo Emissor de CF em Equipamento

 

Com o campo Emissor do Cupom Fiscal selecionado e com a opção Equipamento, o livro de saída será gerado com base no documento de marketing e com as informações na tabela SKILL_31ECF02 – ECF – Totalizador Diário, na coluna Código do Equipamento disponível em Janelas definidas pelo usuário, dentro do menu Ferramentas, do próprio Triple One.

 

Janela de ECF – Totalizador Diário

 

10.4.3 – COM BASE NOS DOCUMENTOS DE MARKETING, MAIS AS INFORMAÇÕES DA TABELA SKILL_31ECF02 – ECF – TOTALIZADOR DIÁRIO, E COM A OPÇÃO EMISSOR DE CF SELECIONADA COM MAPA RESUMO

 

A terceira opção é com o campo Emissor de CF em Mapa Resumo

 

Com o campo Emissor do Cupom Fiscal selecionado e com a opção Mapa Resumo, o livro de saída será gerado com base no documento de marketing e com as informações na tabela SKILL_31ECF02 – ECF – Totalizador Diário, na coluna Mapa Resumo, disponível em Janelas definidas pelo usuário, dentro do menu Ferramentas, do próprio Triple One.

 

Janela de ECF – Totalizador Diário

 

 

11 – ESCRITURAÇÃO DE DOCUMENTOS MODELO CF-e SAT

A escrituração de CF-e SAT apenas será permitida para os documentos inseridos nos módulos de saída do SAP Business One.

 

11.1 – DOCUMENTO DE MARKETING

No documento de marketing, o campo Modelo da nota deve ser configurado como Modelo 59.

 

Para escrituração do CF-e SAT o modelo deve ser configurado como 59

 

Em Campos definidos pelo usuário, disponível pelo menu Visão do SAP Business One, é necessário informar a Chave de Acesso (44 dígitos) e o Codigo Equipamento.

 

Configuração da chave de acesso e do código do equipamento

 

Ainda em Campos definidos pelo usuário, é necessário configurar o campo Código da Situação do Doc. como:

 

  • 00 – Documento regular;
  • 01 – Escrituração extemporânea de documento regular;
  • 02 – Documento cancelado;
  • 03 – Escrituração extemporânea de documento cancelado.

 

Configuração do código da situação do documento

 

Observação: O sistema não permitirá o uso dos demais códigos de situação para o modelo 59.

 

11.2 – OUTRAS INFORMAÇÕES

O restante das informações necessárias para a escrituração do CF-e SAT segue o procedimento padrão do SAP Business One para a inserção de documentos, como por exemplo, seleção do item, valor unitário, quantidade, código de imposto, etc.

 

11.3 – PREENCHIMENTO DA TABELA DE EQUIPAMENTOS CF-e SAT

Para o preenchimento das informações de equipamentos de CF-e SAT, foi criada a tabela SKILL_32CFE01 – CF-e-SAT – Equipamentos, disponível em Janelas definidas pelo usuário, no menu Ferramentas do SAP Business One.

 

Tabela para cadastro das informações dos equipamentos CF-e SAT

 

11.4 – ESCRITURAÇÃO CF-e SAT – SOLUÇÃO CUSTOMIZADA

Quando for utilizada a solução customizada para escrituração de CF-e SAT, é necessário preencher as tabelas SKL32_XML_SAT_CAB, SKL32_XML_SAT_ITM e SKL32_XML_SAT_PAG, disponíveis no menu do próprio SAP Business One:

 

Ferramentas > Janelas definidas pelo usuário

 

Acesso às tabelas para inserção de informações para escrituração de CF-e SAT

 

Os campos das tabelas são referentes às tags do XML.

 

Tabelas para inserção das informações de CF-e SAT

 

Observação: lembrando que, para a escrituração customizada, as configurações abaixo da aba Geral, da tela de Configurações Adicionais do Triple One devem ser selecionadas:

  • Utilizar Solução Customizada para Escrituração do CF-e SAT: Ao marcar esta configuração, o Triple One considerará apenas as tabelas de SAT CF-e para a apuração e geração das obrigações acessórias e livros fiscais.
  • Escriturar CF-e SAT nos livros analiticamente: informe se a empresa optou por escriturar os Cupons Fiscais Eletrônicos de forma analítica no livro de saída. Se a opção não for marcada, os cupons eletrônicos serão escriturados de forma agrupada, considerando a data, a UF e o CFOP para a consolidação dos valores.
Top