A , ECD, é parte integrante do Sistema Público de Escrituração Digital (SPED) e trouxe a substituição da escrituração em papel pela transmitida via arquivo ao Fisco Federal, correspondendo aos livros: Diário, Razão e seus auxiliares.

O projeto teve inicio em 2008 e estavam obrigadas à entrega apenas as empresas sujeitas ao acompanhamento econômico-tributário diferenciado.

Em seguida, a partir do ano-calendário 2009, a obrigatoriedade alcançou todas as sociedades empresárias tributadas pelo lucro real e, para o ano-calendário 2014, foram incluídas:

  • as empresas tributadas pelo Lucro Presumido que distribuírem lucros ou dividendos superior ao valor da base de cálculo do Imposto de Renda, diminuída de todos os impostos e contribuições a que estiver sujeita;
  • as pessoas jurídicas imunes e isentas obrigadas à apresentação da EFD Contribuições;
  • as Sociedades em Conta de Participação (SCP), como livros auxiliares do sócio ostensivo.

As sociedades simples e as microempresas e empresas de pequeno porte optantes pelo Simples Nacional estão dispensadas desta obrigação.

 Sua empresa se preparou bem para o SPED Contábil?

É uma questão que os empresários até question-mark-457454_1280hoje delegam ao contador. Entretanto, quando deixaram de ter livros impressos e guardados na poeira de arquivos mortos e passaram a enviar os dados digitais ao Fisco, algumas questões deviam ter sido analisadas logo no primeiro envio:

1)   Qual a qualidade destas informações?

2)   Já que assino a escrituração, estou realmente inteirado das informações e conteúdo digital gerados pelo meu negócio?

3)   Como ter certeza de que fiz os investimentos necessários em profissionais e software?

4)   Afinal, o que o Fisco fará com todas estas informações?

Esta é a resposta mais simples, pois o Fisco poderá cruzar dados entre a própria escrituração da empresa, entre fornecedores e  clientes. E com o próprio mercado de atuação da empresa.

Caso agora tenha se atentado para a questão de qualidade de dados, sempre é tempo de conhecer e mitigar riscos, rever processos e dados gerados pelos departamentos da empresa, ter acesso a softwares que garantam a integridade de informações e buscar ajuda de profissionais que possam avaliar a qualidade do que é fornecido ao Fisco.

Vai cuidar melhor da escrituração contábil, já que ela reúne todos os dados de seu negócio?

Terezinha Annéia 

Sócia e Diretora Técnica do Grupo Skill. Bacharel em Ciências Contábeis, com extensão em Finanças, Custos Empresariais, Controladoria e Gestão de Riscos Corporativos, aplicando e aprimorando seus conhecimentos ao longo dos 20 anos de atuação nas áreas de contabilidade e auditoria.


Compartilhe nas redes
Deixe seu comentário

5 × 2 =